Como lutar contra a bactéria que causa queimação, diarreia e inchaço

27 Dezembro, 2019
Recomenda-se aos pacientes com H. pylori que mantenham uma dieta saudável, com pouco sal, especiarias, condimentos e gorduras.

A bactéria Helicobacter pylori é um patógeno que pode afetar seriamente o estômago. Entre os seus principais sintomas podemos mencionar a dor abdominal e queimação, desconforto na parte superior do estômago e náuseas. No entanto, esses não são os únicos sintomas.

Essa bactéria é a causa mais comum de gastrite e úlcera gastroduodenal (úlcera péptica), de acordo com dados do Manual MSD.

Ela foi descoberta e descrita em 1983 e ficamos impressionados com a sua virulência quando se trata de infectar e se alojar em pacientes saudáveis.

Com um simples contato através de nossas mãos, o H. pylori se instala instantaneamente na mucosa do estômago ou do duodeno, causando grande desconforto.

Onde as medidas higiênicas nem sempre são as mais adequadas, essa bactéria pode infectar com mais facilidade.

Embora seja verdade que a incidência é maior nesse tipo de condições, ninguém está isento de sofrer alguns dias de convalescença, dores que, se não forem tratadas adequadamente, poderão levar a gastrite crônica ou úlceras.

Causas da propagação da bactéria Helicobacter pylori

A bactéria H.pylori

 

Até hoje, médicos e pesquisadores ainda não descobriram as causas pelas quais essa bactéria se aloja no nosso corpo. Porém, dada a sua facilidade na hora de nos contagiar, existe uma série de aspectos comuns:

  • É habitual contrair essa bactéria na infância. É uma época em que estamos mais vulneráveis às infecções e às bactérias.
  • Os médicos nos dizem que quase 60% da população pode ter essa bactéria em seu interior de forma assintomática. E assim podemos ficar durante toda a vida sem que ela nos cause nenhum problema.
  • A via de transmissão é de pessoa para pessoa, ou por meio de água ou comida infectada.
  • Algumas pessoas nunca evidenciarão nenhum dos sintomas, mas outras, depois de certa idade começam a sofrer de gastrite, úlceras gástricas, queimação, refluxos, etc.

Sintomas da presença da bactéria H. Pylori em nosso organismo

Tal e como dissemos antes, o mais comum é que a bactéria esteja em nosso estômago ou intestino e que continue lá sem evidenciar nenhum sintoma ou incomodo.

Assim, quem quiser saber com segurança se essa bactéria está em seu interior deve consultar um médico para fazer os exames necessários.

Consiste em analisar o hálito do paciente depois que ele tenha ingerido um líquido que contém um isótopo não radioativo. Se tivermos a bactéria, ela transformará a ureia em CO2 e amoníaco.

O CO2, então, passará para o sangue e será eliminado pelos pulmões, sendo detectado no ar expirado. Caso o paciente já sofra de problemas digestivos, o mais comum é que o médico recomende a realização de uma endoscopia para analisar a mucosa do estômago.

No entanto, mesmo que a tenhamos hospedada em nosso estômago, é a partir dos 40 anos o período que podem surgir determinados problemas que poderiam nos dar uma pista de sua presença:

  • Gases.
  • Mau hálito.
  • Náuseas e vômitos.
  • Dor de estômago.
  • Distensão abdominal.
  • Notar que os alimentos não têm mais o mesmo gosto de antes.
  • Sentir-se saciado apesar de ter comido muito pouco.
  • Fezes pretas ou anemia (porque as úlceras estão causando danos às paredes do estômago).

Tratamento para a bactéria Helicobacter Pylori

H.pylori-alimentos saudáveis

De acordo com o Manual do MSD, geralmente são usados medicamentos antibióticos e um inibidor da bomba de prótons para tratar a infecção causada pelo H. pylori. A referida bomba ajuda a reduzir a produção de ácido em combinação com dois antibióticos e, às vezes, também com subsalicilato de bismuto.

Leia também: Antibióticos de amplo espectro: para que servem

Recomendações gerais sobre dieta

  • Evitar refeições abundantes.
  • Substituir as farinhas refinadas por integrais.
  • Comer devagar e de preferência em quantidades moderadas. Para isso, seria aconselhável fazer cerca de 5-6 refeições por dia.
  • Descansar sentado por meia hora depois de comer uma refeição principal. Nunca deitado.
  • Evitar o consumo de bebidas irritantes, como refrigerantes, bebidas alcoólicas, sucos de frutas cítricas e sucos de tomate.
  • Evitar frituras, massas, molhos, alimentos condimentados e todas as preparações ricas em gorduras e óleos.
  • Preparar os alimentos grelhados, cozidos no seu suco, no vapor ou assados.
  • Beber água durante todo o dia, 30 ou 60 minutos antes ou depois de comer.
  • Reduzir o consumo de sal, temperos e condimentos, para evitar irritações no estômago.
  • Evitar bebidas e alimentos estimulantes (café, chocolate, etc.)

Caso tenha dúvidas sobre como manter uma dieta adequada para o seu processo de recuperação, consulte o seu médico.

  • Enroth, H., & Engstrand, L. (2016). Helicobacter pylori. In International Encyclopedia of Public Health. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-803678-5.00200-9
  • Ota, H., Hayama, M., Kaneko, Y., Matsumoto, T., Kawakami, Y., Kumagai, T., … Katsuyama, T. (2006). Helicobacter pylori infection. Japanese Journal of Clinical Chemistry. https://doi.org/10.1093/jac/32.suppl_A.61
  • Park, S. F. (2006). Helicobacter pylori. In Emerging Foodborne Pathogens. https://doi.org/10.1533/9781845691394.2.429