Como controlar os espasmos da bexiga de forma natural

· 19 de novembro de 2017
Os espasmos da bexiga diminuem com a adoção de alguns hábitos, mas se não há melhoras, devemos procurar um especialista para receber um diagnóstico e descartar possíveis problemas graves

A bexiga é responsável por armazenar a urina filtrada pelos rins e, quando começa a ficar cheia, experimenta uma sensação de pressão que indica que é hora de expulsar o líquido.

Os pacientes que sofrem espasmos percebem um sintoma parecido, com a diferença de que os músculos se contraem de forma recorrente e repentina, quase sempre sem dar esse “aviso” prévio para chegar até o banheiro.

Esta situação gera vazamentos involuntários e, em geral, vem acompanhada de uma forte dor que se estende da pélvis até a área abdominal.

Considera-se que é uma das etapas iniciais de bexiga hiperativa e incontinência urinária, transtornos que afetam frequentemente a pessoas idosas.

Felizmente, é um sintoma que pode ser combatido de forma natural, já que existem hábitos e remédios caseiros que ajudam a fortalecer os músculos desse órgão para controlá-lo com mais facilidade.

Quer saber mais?

Melhore seus hábitos alimentícios para evitar espasmos da bexiga

Evite frituras se quiser se livrar dos espasmos da bexiga

Os hábitos alimentícios têm muito a ver com a saúde da bexiga, em especial quando há risco de sofrer de espasmos e perdas involuntárias de urina.

Embora há quem ignore, as substâncias de alguns alimentos debilitam as paredes musculares do órgão e, portanto, são possíveis desencadeadores deste problema.

Por esse motivo é primordial evitar:

  • Bebidas e alimentos com cafeína
  • Frituras e enlatados
  • Condimentos e refeições picantes
  • Bebidas alcoólicas
  • Sucos de frutas cítricas
  • Refrigerantes carbonatados
  • Leite e seus derivados
  • Açúcar e farinhas refinadas

Pratique a técnica de esvaziamento cronometrado

O esvaziamento cronometrado é uma técnica que permite fortalecer a bexiga, diminuindo o número de vezes que pede para ir ao banheiro.

  • Consiste em idas programadas ao banheiro, em geral, a cada 2 horas, para recuperar o controle quando sentir vontade de urinar.
  • No começo é difícil colocá-la em prática, já que segurar pode ocasionar saída involuntária de urina, no entanto, começando de maneira gradual, por exemplo, a cada 40 minutos, é possível estender o tempo entre as idas ao banheiro.

Adote uma rotina de exercícios pélvicos

Faça exercícios se quiser evitar espasmos da bexiga

Os exercícios focados no fortalecimento da pélvis, como os populares exercícios de Kegel, são atividades que aumentam a força das paredes da bexiga, melhorando sua capacidade de retenção de urina e evitando vazamento.

  • Nesses exercícios, os músculos são contraídos da mesma forma que se tenta parar o fluxo da urina quando, por exemplo, não estamos próximos a um banheiro.
  • São atividades que diminuem o risco de incontinência urinária e, como se fosse pouco, ainda traz benefícios para a atividade sexual.

Aumente a absorção de magnésio

O magnésio é um mineral cuja absorção no organismo ajuda a manter os músculos em ótimas condições.

Embora participe de centenas de funções do corpo, às vezes não é obtido em quantidade suficiente o que ocasiona alguns problemas e reações inflamatórias.

Devido a isso, quem sofre de espasmos na bexiga deve aumentar seu consumo e absorção, dado que pode favorecer o alívio das contrações.

Este mineral pode ser encontrado em alimentos como:

  • Farelo de trigo e aveia
  • Sementes de linhaça e abóbora
  • Ervas secas
  • Cacau em pó
  • Peixe gordo
  • Arroz integral

É importante mencionar também que pode ser obtido de forma externa, já que é absorvido através da pele quando aplicado em loções ou pomadas.

Evite o consumo de cigarro

Evite fumar se quiser evitar espasmos da bexiga

As toxinas que o cigarro contém afetam de forma direta a saúde da bexiga e, ao causar desequilíbrios nos níveis de inflamação no corpo, podem ser uma das principais causas de espasmos e incontinência.

Suas partículas danosas conseguem viajar através da corrente sanguínea, afetando a qualidade dos músculos e tecidos.

Aumentando inclusive o risco de infecções e câncer.

Consumo de cavalinha

A cavalinha é um remédio natural contra os espasmos na bexiga, já que contém uma substância chamada silício, que atua como adstringente urinário.

Suas propriedades diuréticas ajudam a promover a eliminação de líquidos retidos nos tecidos do corpo e, com isso, controlam o nível de inflamação.

Por outro lado, é importante mencionar que ajuda a frear o crescimento bacteriano na bexiga, diminuindo problemas como a cistite.

  • Pode ser consumido em infusão, 2 a 3 vezes ao dia, embora também esteja disponível em comprimidos e suplementos.

Considere todas estas recomendações para aliviar os espasmos da bexiga e comece a solucionar este problema de forma segura e natural.

Se os sintomas persistirem, ou piorarem, consulte o médico para determinar se há complicações ou problemas que exigem maior cuidado.