Como aumentar as defesas de nosso organismo

25 Novembro, 2019
Uma hidratação correta é fundamental para conseguirmos eliminar toxinas. Deveremos manter uma dieta equilibrada e padrões de sono adequados para evitar que nosso organismo adoeça.
 

Em algum momento, todos já buscamos remédios para aumentar as defesas do nosso organismo. Quem nunca recorreu ao consumo de medicamentos ou suplementos para combater estados de doença, decaimento, fraqueza, cansaço crônico ou infecções?

Isso é algo tão cotidiano que não nos damos conta de que é só uma solução parcial, e a longo prazo é ineficaz, como tem demonstrado o desenvolvimento de uma resistência cada vez maior e mais forte das bactérias e fungos aos antibióticos. De acordo com estudos, como este realizado pela equipe CESCA, do Centro de Saúde INSALUD, isso se tornou um problema de saúde pública.

É nosso sistema imunológico quem deve travar estas batalhas. Um bom sistema imunológico tem a capacidade e o preparo para enfrentar guerras contra os patógenos externos e é capaz de frear quase totalmente qualquer doença infecciosa.

O que enfraquece o sistema imunológico?

Existem muitos fatores que podem causar um enfraquecimento de nosso sistema imunológico. Esta pesquisa, realizada pelo Instituto de Hematologia e Imunologia de La Habana (Cuba) destaca que os estados emocionais intensos (como a ansiedade ou a depressão) e o sono insuficiente podem deteriorar várias funções físicas, como a disponibilidade combativa de nossas defesas.

 

Além disso, outras doenças como câncer, o HIV, a doença inflamatória intestinal e todas aquelas que enfraqueçam nosso sistema digestivo ou a carência de determinados nutrientes levam a uma “queda das defesas”.

Também influencia o uso de determinados procedimentos médicos, como a cirurgia e os transplantes, que exigem uma medicação paralela para evitar a rejeição (o que se consegue enfraquecendo certas respostas imunológicas).

Como o sistema imunológico funciona?

De forma muito básica, nomearemos os elementos que nosso sistema imunológico usa para enfrentar a invasão de patógenos externos.

Os guerreiros eficazes são as células da série branca (os leucócitos). Eles se dividem em linfócitos de dois tipos: os “polimorfonucleares” (neutrófilos, basófilos e eosinófilos) e os “mononucleares” (linfócitos T e B e os monócitos).

Esses soldados, que são as defesas do nosso organismo, são muito especializados e juntos proporcionam a cobertura imunológica. Quando algum deles falha ou está frágil, nossa vulnerabilidade para qualquer tipo de invasão aumenta, ocorrendo, assim, doenças infecciosas ou outras doenças como alergias, artrite, psoríase, etc.

 

Plano para reforçar as defesas do nosso organismo

Estas são algumas dicas para elevar as defesas do nosso organismo de maneira simples e completamente natural.

1. Consumir calorias para responder aos ataques

Nosso corpo precisa de calorias para criar anticorpos, os soldados que enviaremos ao fronte invadido pelos germes. Caso estejamos perdendo peso, temos de consumir paulatinamente frutas, verduras e frutos secos (nozes preferivelmente). A variedade dietética é importante, segundo esta pesquisa realizada pelo Instituto de Investigação Sanitária do Hospital Universitário La Paz.

2. Descansar o suficiente

Nosso organismo precisa de um período de descanso para de recompor. Um indicador de que temos baixa capacidade de repelir os ataques de doenças é quando sentimos sono nos momentos em que a maioria das pessoas ao nosso redor estão em plena atividade.

Precisamos reconsiderar o consumo de estimulantes para ter um verdadeiro “termômetro” de nossa necessidade de descanso. Se o consumo de cafeína for excessivo, possivelmente estará afetando nossos padrões de sono e sabotando nosso sistema imunológico.

Desde que haja moderação, o consumo normal de café traz mais benefícios que riscos, assim como afirma esta pesquisa.

3. As células imunológicas precisam ter “combustível” para trabalhar

Quando nosso corpo ingere proteína, obtém glutamina como combustível. Se não consumirmos quantidades suficientes de proteínas, nosso corpo termina por “roubá-las” do músculo esquelético, principalmente se estivermos fazendo trabalho físico ou praticando esporte. Dessa forma, perdemos massa muscular, e não gordura.

 

Além disso, para nossas células imunológicas o aminoácido glutamina é como a gasolina de máxima octanagem, é muito potente, porém é consumida muito rápido. Para corrigir essa deficiência, depois de ter feito esforço físico, é bom consumir entre 5 e 10 gramas de glutamina. Seus glóbulos brancos e seus músculos vão agradecer.

4. Nosso corpo pode se reparar bem depois de um exercício?

Uma das funções de nosso sistema imunológico é ajudar a limpar as células de rejeito. O exercício é saudável em sua medida, mas os músculos ao trabalhar liberam rejeitos que precisar ser excretados. O sistema imunológico começa a trabalhar e, para ajudá-lo, o que consumimos após um esforço físico é fundamental.

Segundo estudos do Journal of Applied Physiology, a nutrição posterior ao exercício evitou doenças entre marinheiros recrutados no campo de treinamento. Há uma série de dados que precisamos observar para saber se descansamos o suficiente ou consumimos calorias o suficiente depois dos exercícios ou não, e se temos as defesas baixas:

  • Nos encontramos essencialmente cansados na maior parte do tempo, mas nos custa muito dormir a noite.
 
  • Todo o nosso corpo dói.
  • Nos sentimos cada vez mais fracos na academia.
  • Frequentemente surgem câimbras, distensões musculares, etc.

Se algo do que foi citado acima nos ocorre, precisamos reduzir um pouco a frequência e a duração de nosso esforço físico.

5. Ter um estômago saudável

Um estômago cronicamente inflamado pode desempenhar um papel importante em problemas, que vão desde doenças cardíacas (segundo este relatório) até desordens autoimunes. Se temos a sensação de ardor no estômago com frequência, pode ser que estejamos muito acostumados a coisas apimentadas ou, o mais provável, que estejamos com alguma infecção.

Neste caso precisamos procurar o médico e perguntar se podemos tomar iogurte diariamente, ou melhor, probióticos para ter bactérias saudáveis no trato gastrointestinal (principalmente L. acidophilus).

6. Manter sob vigília todas as regiões possíveis de ataque de patógenos

Precisamos procurar fazer com que os pontos de acesso a nosso corpo (boca, olhos, nariz e ouvidos, principalmente) sejam de difícil invasão para os germes. Para isso, não podemos colocar os dedos na boca, nos ouvidos, etc.

 

Também devemos verificar se há na nossa pele eczemas e crostas que podem causar infecções recorrentes por Staphylococus aureus. Nunca devemos apertar a mão de alguém com resfriado e, se fizermos isso, devemos lavá-las imediatamente com sabonete, focando principalmente nas unhas, que aliás, devemos manter sempre curtas.

7. Manter o sistema imunológico bem hidratado

Nossos “soldados” precisam ter boas reservas de água para trabalhar com eficácia. A hidratação se torna ainda mais importante quando estamos doentes.

Os fluidos transportam nutrientes ao local da doença e levam as toxinas para áreas de rejeito. Se observarmos uma cor amarela escura na primeira urina do dia, então precisamos de mais água. O ideal é beber no mínimo um litro de água em jejum e outros dois ao longo do dia.

No entanto, é essencial ter em mente que as necessidades de água podem variar dependendo do peso corporal, da idade e do estado de saúde. Portanto, se você estiver com sobrepeso ou se tiver algum problema de saúde especial, consulte seu médico para saber quanta água beber.

Além disso, evite beber líquido em excesso, pois também pode ser prejudicial. Tente distribuir o líquido total por várias doses por dia.

Remédios naturais para reforçar as defesas do nosso organismo

 

Existe uma grande variedade de batidas e infusões para aumentar as defesas do nosso corpo. Além disso, recomendamos evitar alimentos com gorduras e açúcares refinados, beber 10 a 12 copos de água por dia, fazer 30 minutos de exercício por dia e relaxamento e exercícios de respiração profunda.

Além disso, existem muitos alimentos que podem ajudar a fortalecer nossas defesas. Podemos destacar os seguintes:

  • Mel de abelhas. É um antibiótico natural, de acordo com esta pesquisa realizada pela Universidade de La Frontera em Temuco, Chile.
  • Ginseng. De acordo com este estudo, o ginseng atua como um regulador de todas as células do sistema imunológico.
  • Chá verde. A infusão de chá verde pode ajudar na produção de células imunológicas graças ao seu grande teor de antioxidantes.
  • Suco de cenoura e laranja. Bata a cenoura e misture com suco de laranja. Tamar diariamente no café da manhã é muito benéfico graças às propriedades antioxidantes do licopeno. Por sua vez, o ácido cítrico é antimicrobiano, como declarado neste relatório da Universidade de Benin.
  • Alho, laranja, e brócolis. Misture o suco de uma laranja com uma vitamina de 2 dentes de alho (antimicrobiano) e brócolis. Tome um copo por dia durante uma semana e descanse um mês.
  • Tangerina, gengibre, limão e mel. Misture suco de 2 tangerinas, 1 limão, 1 colher de sopa de gengibre fresco ralado e uma colher de chá de mel com um pouco de água. Tome pelo menos três vezes por semana.
  • Equinácea. Ferva 1/2 colher de sopa de equinácea em pó em uma xícara de água durante 3 minutos. Tire do fogo, cubra e deixe repousar. Tome 1 xícara em dias alternados por 6 semanas.
 

Antes de decidir recorrer a suplementos para fortalecer as defesas do nosso corpo, é importante monitorar e cuidar da alimentação. A dieta é essencial para ter um forte sistema imunológico que nos proteja contra vírus e bactérias.

  • Descotes, J. (2014). Immune System. In Encyclopedia of Toxicology: Third Edition. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-386454-3.00401-2
  • Küppers, R. (2010). Overview of the immune system. In The Lymphoid Neoplasms 3ed. https://doi.org/10.1201/b13424
  • Scheiermann, C., Kunisaki, Y., & Frenette, P. S. (2013). Circadian control of the immune system. Nature Reviews Immunology. https://doi.org/10.1038/nri3386
  • Kau, A. L., Ahern, P. P., Griffin, N. W., Goodman, A. L., & Gordon, J. I. (2011). Human nutrition, the gut microbiome and the immune system. Nature. https://doi.org/10.1038/nature10213
  • Besedovsky, L., Lange, T., & Born, J. (2012). Sleep and immune function. Pflugers Archiv European Journal of Physiology. https://doi.org/10.1007/s00424-011-1044-0