Colangite biliar primária

28 Outubro, 2020
A ciência ainda não sabe quais são as causas exatas da colangite biliar primária. Também não há um tratamento para curar essa doença. No entanto, existem medidas farmacológicas e cirúrgicas que têm um bom nível de eficácia.

A colangite biliar primária é uma doença hepática crônica. Ocorre quando pequenos dutos biliares, que estão localizados dentro do fígado, são destruídos. Estes dutos são tubos de pequeno calibre, que coletam bile produzida pelo fígado e depois a levam para a vesícula biliar.

A bile permanece armazenada na vesícula biliar enquanto estamos em jejum. Quando comemos algum alimento, a vesícula biliar sofre uma contração e libera bile no trato digestivo. Diante da colangite biliar primária, todo esse processo fica bloqueado.

Nessas condições, a bile fica estagnada. Esse estado é chamado de colestase. Além disso, o fígado fica prejudicado e começa a substituir as células hepáticas por tecido cicatricial. Este estado é conhecido como cirrose do fígado.

Causas da colangite biliar primária

Problemas no fígado
Até o momento, não se sabe exatamente por que a colangite biliar primária ocorre. No entanto, a tese mais aceita é de que ela surge da combinação de fatores genéticos e ambientais.

A ciência ainda não sabe por que a colangite biliar primária ocorre. A hipótese mais forte afirma que se trata de uma doença autoimuneIsso significa que ela obedece a um processo em que o corpo se volta contra suas próprias células.

A tese mais aceita é de que a doença é desencadeada por uma combinação de fatores genéticos e ambientais. Isso faz com que um tipo específico de glóbulo branco, chamado “célula T”, se acumule no fígado. Essas células combatem bactérias e germes. No entanto, por engano, elas também atacam células saudáveis.

Lenta e progressivamente, as células saudáveis morrem e são substituídas pelo tecido cicatricial, causando cirrose. Nessas condições, é impossível para o fígado funcionar normalmente. Essa condição é mais comum em mulheres entre 30 e 60 anos.

Europeus e americanos estão em maior risco de colangite biliar primária, bem como aqueles com histórico familiar de colangite biliar primária. O hábito de fumar, a presença de infecções anteriores e a ingestão de substâncias tóxicas também são fatores de risco.

Você pode se interessar: 5 dicas para proteger a saúde hepática

Sintomas da colangite biliar primária

Mais de 50% das pessoas afetadas pela colangite biliar primária não têm sintomas. A doença geralmente é detectada de forma incidental, depois de realizar um exame de sangue por outro motivo. Aqueles que têm sintomas tendem a ter um prognóstico menos favorável.

Os sintomas iniciais são basicamente coceira na pele, olhos e boca secos, e fadiga. Em estágios mais avançados da doença, novos sintomas aparecem, como:

  • Inflamação do baço.
  • Dor no abdômen superior direito.
  • Dor nos músculos, ossos e articulações.
  • Inflamação nos pés e tornozelos.
  • Xantomas, ou seja, pequenos depósitos de gordura localizados na pele ao redor dos olhos, pálpebras ou dobras de cotovelos, joelhos, palmas ou solas dos pés.
  • Acúmulo de líquido no abdômen.
  • Icterícia, ou cor amarelada na pele e nos olhos.
  • Hiperpigmentação. Ou seja, escurecimento da pele que não está relacionado com o sol.
  • Osteoporose.
  • Colesterol alto.
  • Diarreia.
  • Esteatorreia ou fezes com gordura.
  • Hipotireoidismo.
  • Perda de peso.

Complicações

Mulher com dor hepática
A primeira complicação desta doença são os danos hepáticos progressivos. Como resultado disso, outras patologias, como cirrose, hipertensão portal e cálculos biliares, se desenvolvem.

A colangite biliar primária progride lentamente, causando cada vez mais danos ao fígado. Isso pode levar a outras condições, como:

  • Cirrose. É a consequência mais comum. Pode levar à insuficiência hepática e complicações adicionais. O prognóstico nesses casos é pouco favorável.
  • Hipertensão portal. É um aumento da pressão na veia portal. Isso cria o risco de hemorragia digestiva, que pode ser fatal.
  • Esplenomegalia. É o alargamento do baço. O maior risco é de que ele se rompa.
  • Cálculos biliares. Os cálculos causam dor e podem levar a infecções.
  • Varizes. É o alargamento das veias, que podem eventualmente romper e sangrar. Se forem veias do esôfago ou estômago, a vida da pessoa fica em risco.
  • Câncer de fígado.
  • Encefalopatia hepática. Essa condição reduz as funções cognitivas, principalmente a memória e a concentração.
  • Osteoporose.
  • Deficiências de vitaminas.
  • Outros. Aqueles com colangite biliar primária têm um maior risco de desenvolver outras doenças, como distúrbios metabólicos, doenças imunológicas, problemas de tireoide, artrite reumatoide e síndrome de CREST.

Descubra também: 3 conselhos para cirrose que todo paciente deve seguir

Outros dados importantes

No momento, não há cura para a colangite biliar primária. No entanto, existem vários medicamentos que ajudam a reduzir a progressão da doença e a prevenir complicações. O tratamento base é geralmente o ácido ursodeoxicólico, ou “ursodiol”.

Recentemente, foram utilizados o ácido obeticólico ou ocaliva e fibratos. Metotrexato e colchim também são indicados. Todas essas drogas têm mostrado eficácia moderada contra a doença.

Se os medicamentos não funcionarem, a única solução é recorrer a um transplante de fígado, que costuma ser muito eficaz. Ainda assim, há relatos de casos em que a colangite biliar primária apareceu novamente após o transplante.

  • Guerrero-Hernández, I., Montaño-Loza, A., Gallegos-Orozco, J. F., & Weimersheimer-Sandoval, M. (2007). Hepatitis autoinmune y colangitis esclerosante primaria: ¿asociación dependiente o independiente? Revista de Gastroenterología de México, 72(3), 240-243.
  • Purohit T, Cappell MS. Primary biliary cirrhosis: Pathophysiology, clinical presentation and therapy. World J Hepatol. 2015;7(7):926–941. doi:10.4254/wjh.v7.i7.926
  • Kouroumalis E, Samonakis D, Voumvouraki A. Biomarkers for primary biliary cholangitis: current perspectives. Hepat Med. 2018;10:43–53. Published 2018 Jun 18. doi:10.2147/HMER.S135337
  • Lleo, A., Marzorati, S., Anaya, J. M., & Gershwin, M. E. (2017, November 1). Primary biliary cholangitis: a comprehensive overview. Hepatology International. Springer. https://doi.org/10.1007/s12072-017-9830-1
  • Younossi, Z. M., Bernstein, D., Shiffman, M. L., Kwo, P., Kim, W. R., Kowdley, K. V., & Jacobson, I. M. (2018). Diagnosis and Management of Primary Biliary Cholangitis. American Journal of Gastroenterology. Nature Publishing Group. https://doi.org/10.1038/s41395-018-0390-3