Cobreiro: como se manifesta?

6 de dezembro de 2018
Saiba quais sintomas você deve levar em conta para reconhecer esta condição, já que o tratamento precoce é muito importante para acelerar a cura.

O cobreiro é conhecido como uma erupção muito dolorosa derivada do vírus varicela-zoster, o mesmo que ocasiona a catapora.

Esta doença se apresenta quando um vírus que ataca as células nervosas se reativa depois de um tempo, causando a erupção.

O que acontece é algo como isto: uma vez que já tenha tido catapora, o vírus zóster se mantém nos tecidos nervosos do corpo; de fato, nunca desaparece, simplesmente fica inativo.

No entanto, o problema é que pode se reativar, e é justamente nessa reativação que o cobreiro se manifesta.

Acredita-se que a razão pela qual o vírus varicela-zoster se reativa está no sistema imunológico, que com o passar do tempo se debilita depois de ter tido catapora durante a infância.

O que acontece quando o vírus é reativado?

No momento de reativação do vírus, esse começa a se propagar através dos nervos; e é precisamente esta a razão pela qual geralmente causa uma sensação incômoda de cócegas e ardor nas zonas afetadas.

Nesse instante, o vírus se encontra circulando por todo o sistema nervoso, mas em dois ou três dias chega à pele. No momento que o vírus se encontra com a epiderme, aparecem as bolhas agrupadas por toda a superfície do nervo afetado (ao longo).

A pele pode responder com muita sensibilidade, o que traz muita dor.

Saiba mais: Remédios caseiros para as bolhas

É possível ter cobreiro?

Se você teve catapora está correndo o risco do cobreiro aparecer, pela reativação do vírus. No entanto, o vírus tende a ser reativado com mais frequência em pessoas que apresentam o sistema imunológico debilitado ou com mais de 50 anos.

O risco é maior à medida que se envelhece. Se falarmos de uma pessoa que está recebendo um tratamento para o câncer ou que possui HIV, é muito possível que o cobreiro se apresente.

Nestas pessoas, é provável que o cobreiro apareça como um dos primeiros sintomas que avisam que algo não está bem no sistema imunológico.

Sintomas

Sintomas do cobreiro

1. O primeiro sintoma é, principalmente, uma dor forte em um lado só do corpo, acompanhada de um formigamento ou um ardor.

O ardor ou a dor podem chegar a ser muito intensos e aparecem, na maioria dos casos, antes que apareça qualquer erupção, como que anunciando a aparição dessa.

2. Outro sintoma que pode aparecer é a formação de pele escamosa, para depois seguir a aparição de pequenas bolhas.

Outros sintomas possíveis:

  1. Febre e calafrios.
  2. Úlceras genitais.
  3. Dor articular.
  4. Sensação de mal-estar geral.
  5. Dor abdominal.
  6. Dor de cabeça.
  7. Inflamação dos gânglios linfáticos. 

Se o vírus afeta um nervo facial:

  1. Problemas de visão.
  2. Perda de movimento de olho.
  3. Problemas ou redução das sensações no sentido do gosto.
  4. Queda da pálpebra.
  5. Dificuldade para mover alguns músculos na face. 

Também:

Pode causar fadiga, febre não muito elevada e dores musculares leves.

Leia também: Por que os vírus são cada vez mais fortes?

Tem cura?

Certamente se pode curar o cobreiro. Para isso, é necessário visitar o médico para que diagnostique ou para que prescreva um possível tratamento ou formule medicamentos que possam combater o vírus.

Geralmente, são utilizados medicamentos com propriedades antivirais, que possibilitam a redução da dor e previnem as complicações; bem como contribuem para interromper o desenvolvimento da doença.

Os medicamentos podem ser utilizados depois de 24 horas após o começo das dores ou ardores. Para a cura, é melhor começar a tomar os medicamentos antes que apareçam as bolhas.

Por outro lado, para uma pronta melhoria recomenda-se repouso na cama até que a febre diminua. Lave os acessórios não descartáveis em água fervendo, também mantenha a pele limpa, e antes de tudo, não reutilize objetos contaminados. 

Nota

O vírus pode permanecer por duas ou três semanas e estranhamente reaparece. É importante se cuidar e ser diagnosticado, pois, em casos extremos ou quando o vírus afeta os nervos motores, pode não somente causar debilidade, como também causar paralisia temporal ou permanente.

Além disso, a dor pode ser muito leve, mas pode também chegar a ser intensa e insuportável. Lembre-se de se cuidar e repousar.

  • SCHMADER, K. Herpes ZosterClinics in Geriatric Medicine, 2016.
  • GNANN, J. J.; WHITLEY, R. Clinical practice. Herpes zoster. N Engl J Med, 2002.
  • DWORKIN, R. H. et al. Recommendations for the Management of Herpes Zoster. Clinical Infectious Diseases, 2007.