Gânglios linfáticos: descubra o que causa a inflamação

· 28 de fevereiro de 2014
Os gânglios podem ficar inflamados por muitas causas e são sensíveis a qualquer tipo de alteração. Em algumas ocasiões, pode ser que nosso sistema imunológico ainda não tenha se recuperado de uma doença anterior.

A inflamação dos gânglios linfáticos, em muitos casos, não é algo tão sério, principalmente se for causada por infecções.

Contudo, sempre é recomendável controlar o estado dessa área para descartar outras doenças. Caso inflame, o melhor a fazer é procurar um médico.

Esses pequenos inchaços, que costumam aparecer no pescoço quando, por exemplo, pegamos um resfriado, são chamados de gânglios linfáticos.

Eles são essenciais para nosso corpo e atuam como filtros do líquido tissular (linfa).

Possuem formato parecido ao de uma amêndoa, com pouco mais de um centímetro, e formam uma espécie de “cacho” nas regiões do pescoço, axilas, tórax e abdômen.

Caso inflamem, o que devemos fazer é manter a calma e lembrar que, em mais da metade dos casos, essa inflamação é normal.

Mas, claro, isso não deve ser motivo para não procurar por um diagnóstico preciso de um médico.

A seguir, explicaremos as funções dos gânglios e o que causa sua inflamação.

Qual é a função dos gânglios linfáticos?

gânglios linfáticos

Podemos dizer que os gânglios linfáticos desempenham basicamente as seguintes funções:

  • Filtram a linfa de substâncias estranhas, como bactérias e células cancerígenas, e as destroem.
  • Produzem glóbulos brancos, como linfócitos e células plasmáticas, encarregados de destruir substâncias nocivas.
  • O sistema linfático está estruturado de modo similar ao dos vasos sanguíneos.
  • Defendem nosso sistema imunológico.
  • Os gânglios linfáticos têm diferentes formas e tamanhos. Por exemplo, debaixo da mandíbula, são planos, em forma de feijão e têm mais ou menos 1 cm. Os gânglios da nuca possuem cerca de 0,5 cm e formato de lentilha. Por fim, os da virilha são largos e têm um pouco mais de 1,5 centímetros.

O que causa a inflamação dos gânglios linfáticos?

Eles podem ficar inflamados por inúmeras causas. Como sua função principal é a de proteger nosso sistema imunológico, são sensíveis a qualquer mudança nesse sistema.

Sua inflamação pode ocorrer devido a causas sem muita importância ou ter origens mais sérias, como, por exemplo, um câncer.

Mas, vejamos com mais detalhes as possíveis causas desta inflamação:

  • Infecções normais devido a resfriados, gripes ou amidalite.
  • Infecções bacterianas específicas: sífilis, tuberculose, salmonelose.
  • Infecção por lúpus.
  • Infecções virais como a rubéola e o sarampo.
  • Infecções por outros patógenos, como, por exemplo, a malária ou a leishmaniose.
  • Doenças reumáticas.
  • Medicamentos tais como perclorato, cotrimoxazol, hidantoína.
  • Estresse, dormir mal, má alimentação, falta de nutrientes.
  • Linfomas, doenças tumorais em grande parte tratáveis, como, por exemplo, os neoplasmas benignos (não cancerígenos). Entretanto, devemos considerar que o risco de surgimento dos chamados linfomas malignos existe e que os sintomas e as mudanças que sentimos devem ser avaliados por um médico.

Diagnóstico

gânglios linfáticos

Consultando um médico, teremos o diagnóstico e o tratamento adequados.

Contudo, o médico sempre deve considerar vários fatores. Assim, provavelmente, fará as seguintes perguntas:

  • Você teve algum resfriado ou gripe?
  • Em que região o gânglio inflamou? Pescoço, axila, clavícula?
  • Quando você notou? Apareceu rápido ou cresceu lentamente?
  • Você sente dor no local?
  • Você apresentou doenças anteriores ao surgimento da inflamação?
  • Toma algum medicamento?
  • Viajou faz pouco tempo?
  • Você perdeu muito peso recentemente?

Tudo isso permitirá que o médico detecte o problema, já que na maioria das vezes as inflamações nos gânglios surgem devido a doenças anteriores.

Ou seja, quando nosso sistema imunológico ainda não está totalmente recuperado.

Em alguns casos, surgem devido a algum medicamento ou alguma bactérias. Mas com nossa ajuda e os exames pertinentes, o médico poderá explicar a causa da inflamação.

Leia também: Fortaleça seu sistema imunológico de forma natural com cogumelo ostra

Dados que devem ser considerados

A maior parte das infecções nos gânglios ocorre no pescoço e sua origem está quase sempre relacionada a infecções na garganta ou na boca.

Esse tipo de inflamação não é tão perigosa. Entretanto é necessário controlar para que ela não se desenvolva, tornando-se maior.

Geralmente, quando passa de 4 cm, é necessário realizar uma biopsia para saber do que exatamente se trata e qual é a gravidade.

Lembre-se também de que, assim como as inflamações nos gânglios do pescoço costumam ser inofensivas, quando ocorrem naqueles situados na clavícula, independente de seu tamanho, são sempre considerados perigosos.

Assim, é imprescindível tratá-los rapidamente, pois podem desenvolver processos cancerígenos.

Como prevenir problemas e cuidar dos gânglios linfáticos?

gânglios linfáticos

Uma das chaves para prevenir, na medida do possível, a inflamação dos gânglios linfáticos, é, sem dúvida, fortalecendo nosso sistema imunológico.

Para isso, é importante consumir diariamente alimentos ricos em:

Vitamina C

Essa vitamina é essencial para o sistema imunológico, pois combate infecções causadas por vírus e protege nossas células, etc.

Pode ser encontrada em cítricos, como os kiwis, os morangos, as mangas, os tomates, etc.

Vitamina E

Esta vitamina aumenta a produção de glóbulos brancos, protegendo-nos de certos tipos de câncer e bactérias.

Pode ser encontrada na maior parte das frutas e verduras, além dos frutos secos, como é o caso das nozes, do pistache, da amêndoa, etc.

Betacaroteno

Dispõem de antioxidantes, combatem os radicais livres e fortalecem o sistema imunológico.

O betacaroteno pode ser encontrado em cenouras, milho, melancia, couve, beterraba, abóbora, aspargos, damasco etc.

Selênio e zinco

Estes nutrientes nos ajudam a produzir mais células, oferecendo mais energia ao sistema imunológico.

E onde encontramos o selênio e o zinco? Simples: em cereais integrais, nozes e na grande maioria dos frutos secos, mariscos, soja, etc.