Castanha-do-pará: propriedades, nutrição e usos na cozinha

A castanha-do-pará se destaca pela sua versatilidade e seu significativo teor de nutrientes. Quais são seus benefícios? Descubra a seguir!
Castanha-do-pará: propriedades, nutrição e usos na cozinha

Última atualização: 04 Outubro, 2021

A castanha-do-pará (Bertholletia excelsa) é a semente comestível de uma árvore nativa da floresta amazônica do Peru, Bolívia e Brasil. É um alimento energético e rico em nutrientes cuja ingestão tem um impacto positivo na saúde.

O fruto que esta árvore produz é muito grande e tem a forma de um coco. Dentro dele há entre 10 e 24 sementes que são a parte comestível que conhecemos. Assim, ao contrário do que se costuma pensar, não é uma oleaginosa. No entanto, ela compartilha muitas das suas características.

Em particular, tem uma textura crocante que se torna cremosa à medida que é mastigada. Seu sabor suave lembra o das amêndoas cruas. Somado a isso, contém vitaminas, minerais e gorduras saudáveis que podem melhorar a qualidade da alimentação. Quer saber mais sobre os seus benefícios? Continue lendo!

Valores nutricionais da castanha-do-pará

A castanha-do-pará se caracteriza por fornecer um grande suprimento de nutrientes e energia. A seguir, detalhamos os valores nutricionais de 100 gramas de parte comestível crua.

  • Água: 3,42 gramas.
  • Energia: 659 quilocalorias.
  • Proteína: 14,3 gramas.
  • Lípidos: 67,1 gramas.
  • Carboidratos: 11,7 gramas.
  • Fibras: 7,5 gramas.
  • Cálcio: 160 miligramas.
  • Magnésio: 376 miligramas.
  • Fósforo: 725 miligramas.
  • Zinco: 4,6 miligramas.
  • Selênio: 1920 microgramas.
  • Vitamina B1 (tiamina): 0,617 miligramas.
  • Vitamina E: 5,65 miligramas.

Essas sementes se destacam pelo aporte de energia, gorduras com perfil saudável e fibra alimentar. Além disso, são uma das fontes mais importantes de oligoelementos, como o selênio.

Valores nutricionais da castanha-do-pará
A castanha-do-pará se destaca pelo seu teor significativo de selênio. Além disso, contém fibras e gorduras saudáveis.

Possíveis benefícios da castanha-do-pará

Uma revisão divulgada pela Food Research International observa que a castanha-do-pará possui propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e moduladoras do perfil lipídico sérico. Por isso, seu consumo contribui para a promoção do bem-estar.

Fonte importante de selênio

O selênio é um componente essencial para o corpo, o que significa que deve ser fornecido por meio dos alimentos, uma vez que o corpo não pode fabricá-lo. É um oligoelemento que afeta o funcionamento normal da glândula tireóide, o sistema imunológico e a produção de enzimas antioxidantes.

A função da tireóide

A tireóide é uma pequena glândula em forma de borboleta localizada na garganta. Sua função é secretar hormônios com funções essenciais no crescimento, no metabolismo e na regulação da temperatura corporal.

Em seus tecidos se concentra uma boa quantidade de selênio, necessário tanto para a produção dos hormônios T3 quanto para as proteínas que protegem a tireóide dos danos oxidativos. Uma baixa ingestão de selênio está relacionada à redução da atividade dessa glândula e a distúrbios como tireoidite de Hashimoto e doença de Graves.

Se você sofre de alguma dessas doenças, o selênio pode ajudar a melhorar alguns sintomas. Na doença de Hashimoto, há estudos que mostram uma melhora na resposta imunológica e no humor. Porém, mais evidências científicas são necessárias para apoiar o uso do selênio no tratamento dessas patologias.

Saúde cardiovascular

Em geral, as oleaginosas são boas para o coração e têm atividade preventiva no aparecimento de doenças cardiovasculares. Estes possuem uma quantidade interessante de ácidos graxos poliinsaturados, além de antioxidantes, compostos fenólicos, minerais e fibras.

Para avaliar essa possível relação, o The American Journal of Clinical Nutrition publicou um estudo prospectivo recente. Ele vem sendo feito há 10 anos, com adultos de 30 a 70 anos, residentes em 16 países nos 5 continentes.

Após esse período, ao analisar os dados obtidos, os autores concluíram que “um maior consumo de oleaginosas está associado a um menor risco de mortalidade por causas cardiovasculares e não cardiovasculares em países de baixa, média e alta renda”.

Essas descobertas apóiam o conselho de especialistas da American Heart Association. Substituir as gorduras saturadas e trans por outras gorduras mono e poliinsaturadas ajuda a reduzir o colesterol e os triglicerídeos no sangue. Consequentemente, as chances de doença cardíaca ou derrame são reduzidas.

Peso corporal

A castanha-do-pará tem um alto aporte de energia devido à quantidade considerável de gordura que fornece. Por esse motivo, muitos acreditam que elas engordam e não são adequadas para dietas de emagrecimento.

No entanto, nos últimos anos, surgiram evidências científicas que refutam essa crença e até mesmo lançam dados opostos. Observou-se que o consumo de oleaginosas está relacionado a uma menor incidência de sobrepeso e obesidade, uma vez que elas podem auxiliar na redução da gordura corporal.

Diabetes

O teor nutricional da castanha-do-pará parece ser útil na prevenção e tratamento da diabetes tipo 2. Um estudo publicado na revista Nutrients analisou os possíveis mecanismos que explicariam essa propriedade.

A presença de gorduras monoinsaturadas e poliinsaturadas, fibras, polifenóis e minerais parece ser o principal motivo. Eles têm um efeito positivo no equilíbrio da glicose no sangue, no controle do peso corporal e na saúde vascular.

Níveis de glicose
A ingestão da castanha-do-pará como parte de uma dieta saudável e variada pode ajudar a manter os níveis de glicose estáveis.

Antioxidantes

Devido à presença de selênio e vitamina E, essas sementes têm a propriedade de neutralizar a ação dos radicais livres. Um equilíbrio entre esses dois componentes é necessário para o bom funcionamento do corpo.

Quando os radicais livres excedem a capacidade do corpo de detê-los, ocorre estresse oxidativo e danos ao DNA, proteínas e lipídios. Por sua vez, essa situação tem sido relacionada ao aparecimento de algumas doenças crônicas degenerativas e ao envelhecimento precoce.

Possíveis contraindicações

De maneira geral, pode-se dizer que a castanha-do-pará é um alimento seguro para grande parte da população. Ainda assim, há uma porcentagem de pessoas com alergia a elas. Há evidências de que esse alimento pode ser um alérgeno comum, independentemente da existência de outras alergias a oleaginosas.

Vale dizer que um consumo muito elevado de castanha-do-pará não é sinônimo de mais benefícios. Por conter uma quantidade tão elevada de selênio, existe o risco de intoxicação por esse componente, conhecido como “selenose”. Alguns dos seus sintomas incluem:

  • Tontura
  • Problemas intestinais.
  • Queda de cabelo.
  • Unhas quebradiças.
  • Fadiga.
  • Irritabilidade.
  • Dores musculares ou articulares

Em casos raros, outras complicações podem ocorrer, como síndrome da dificuldade respiratória aguda, infarto do miocárdio, insuficiência renal e insuficiência cardíaca.

O conteúdo médio de selênio por 1 castanha-do-pará é de cerca de 68-91 microgramas. A dose diária recomendada para adultos é de 400 microgramas, tanto para homens quanto para mulheres. Assim, a ingestão de 1 ou 2 unidades dessas sementes por dia parece ser uma opção segura.

Como inserir a castanha-do-pará na dieta?

A castanha-do-pará pode ser consumida sozinha como lanche para matar a fome ou adicionada no preparo de outros pratos. Em saladas, refogados, com iogurte, muesli ou mingau de aveia, são um complemento nutricional perfeito que também confere sabor e textura.

Elas também são um ingrediente comum em doces. Uma das suas melhores combinações é com chocolate, por isso pode ser adicionada em receitas de brownies no lugar das nozes (ou combinadas com elas).

Se forem usadas inteiras, são perfeitas para decorar bolos e tortas de frutas, pois possuem um formato muito original e atrativo. Trituradas em pedaços irregulares ou em forma de farinha, podem ser usadas para fazer bases de pão-de-ló ou cheesecake.

O que devemos lembrar sobre a castanha-do-pará?

Este alimento é ideal para adicionar regularmente à dieta, pois fornece energia, antioxidantes e muitos nutrientes. É muito prático, versátil e combina bem com pratos salgados e doces.

Seu consumo é recomendado para quase todas as pessoas, exceto crianças menores de 3 anos (devido ao risco de asfixia) e pessoas alérgicas. Porções moderadas, de cerca de 2 unidades por dia, são recomendadas combinadas com outras oleaginosas, como avelãs ou amêndoas.

Pode interessar a você...
Benefícios das oleaginosas para a saúde de acordo com a ciência
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Benefícios das oleaginosas para a saúde de acordo com a ciência

Diversas pesquisas científicas comprovaram os benefícios das oleaginosas para a saúde. Saiba mais sobre as suas propriedades neste artigo.



  • American Academy of Allergy, Asthma and Immunology. Brazil Nut Allergy. Febrero 2020.
  • De Souza R.J, et al. Association of nut intake with risk factors, cardiovascular diseases and mortality in 16 countries from 5 continents: analysis form the Prospective Urban and Rural Epidemiology (PURE) study. The American Journal of Clinical Nutrition. Julio 2020. 112(1): 208-219.
  • Cardoso BR, Duarte GBS, Reis BZ, Cozzolino SMF. Brazil nuts: Nutritional composition, health benefits and safety aspects. Food Res Int. 2017 Oct;100(Pt 2):9-18. doi: 10.1016/j.foodres.2017.08.036. Epub 2017 Aug 14. PMID: 28888463.
  • Food Data Central. Nuts, brazil nuts, dried, unblanched. U.S. Department of Agriculture. Agricultural Research Service. Abril 2018.
  • van Zuuren EJ, Albusta AY, Fedorowicz Z, Carter B, Pijl H. Selenium Supplementation for Hashimoto’s Thyroiditis: Summary of a Cochrane Systematic Review. Eur Thyroid J. 2014;3(1):25-31. doi:10.1159/000356040
  • Kim Y, et al. Benefits of nut consumption on insulin resistance and cardiovascular risk factors: multiple potential mechanisms of actions. Nutrients. Noviembre 2107. 9(11): 1271.
  • Lobo V, et al. Free radicals, antioxidants and functional foods: impact on human health. Pharmacognosy review. Julio-Diciembre 2010. 4(8): 118-126.
  • Nishi S.K. Are fatty nuts a mighty concern? A systematic review and meta-analyse and dose-response meta-regression of prospective cohorts and randomized controlled trials. Obesity Reviews. Septiembre 2021. e13330.
  • Office of Dietary Supplementation. Selenio. National Institutes of Health. U.S. Department of Health and Human Services. Diciembre 2019.
  • Sacks F. M, et al. Dietary fats and cardiovascular disease: a presidential advisory of the American Heart Association. AHA Journal. Julio 2017. 136(3).
  • Ventura M, et al. Selenium and thyroid disease: from pathophysiology to treatment. International Journal of Endocrinology. Enero 2017. 1279658.