As causas, sintomas e tratamento da candidíase vaginal

Embora às vezes não apresente sintomas e se cure sozinha, podemos ir ao ginecologista para obter um tratamento para aliviar a infecção da candidíase vaginal e o desconforto que ela causa.

Você já ouviu falar sobre a candidíase vaginal e não sabe o que é e quais são seus sintomas? Nós falaremos sobre todos os detalhes a seguir.

O que é a candidíase vaginal?

O que é a candidíase vaginal?

A candidíase vaginal é uma doença causada por uma infecção por fungos na vagina e na área à sua volta.

O fungo é chamado Candida albicans, e a infecção é conhecida como candidíase vulvovaginal.

A Candida é uma bactéria que está latente na pele, na boca, no intestino e na vagina, e que normalmente é mantida sob controle.

No momento em que as condições em que as bactérias estão dormentes mudam, os fungos aumentam rapidamente e sintomas como corrimento excessivo e irritação começam a aparecer.

É uma doença muito comum entre as mulheres, uma vez que a maioria delas a desenvolve em algum momento de suas vidas.

As mulheres com diabetes tendem a ter um sistema imunológico mais fraco, razão pela qual é mais comum aparecer nesse tipo de pessoa.

Outras causas pelas quais esse problema pode aparecer incluem:

  • Usar roupas apertadas
  • Tomar antibióticos
  • Comer muito açúcar
  • Estresse

No entanto, não há evidências de que o uso de absorventes seja um dos fatores pelos quais esta infecção pode aparecer.

Esta infecção não é considerada uma doença sexualmente transmissível, mas também pode ser transmitida através do contato com o parceiro através da via vaginal, oral ou anal.

Mesmo com esta infecção, nem todas as mulheres percebem o problema. Haverá algumas mulheres que não terão sinais e só conseguirão descobrir através de um exame de cultura vaginal.

Como prevenir

Candidíase vaginal

Para evitar a candidíase vaginal, você sempre pode recorrer a uma série de cuidados:

  • Você terá que lavar sua área vaginal. Use água e sabonete sem perfume para isso. Você também pode usar apenas água.

Em qualquer caso, a chave é evitar o uso de sabonetes altamente perfumados, gel de banho e desodorantes vaginais.

  • Também é aconselhável evitar recorrer ao uso de preservativos de látex, cremes e lubrificantes espermicidas, pois eles podem causar irritação.

Para evitar isso, tente usar preservativos hipoalergênicos.

  • Como dissemos, você também terá que evitar usar roupas apertadas feitas de fibras artificiais, como o nylon. Quanto à roupa íntima, o melhor é aquela feita de algodão e que fique soltinha.

Tratamento

Candidíase vaginal

O tratamento da candidíase vaginal dependerá do grau de presença desta infecção.

  • Se os sintomas experimentados forem leves, você geralmente optará por uma medicação antifúngica. O mais comum é fazer a administração do remédio entre um a três dias.
  • No caso de os sintomas serem mais graves, o tratamento também será mais longo. As opções disponíveis incluem tomar pílulas oralmente, inserindo-as na vagina ou usando um creme.
  • O tratamento antifúngico, se for administrado em comprimidos, é geralmente o fluconazol. É uma medicação que se destaca por sua efetividade, e uma única pílula pode ser suficiente para curar uma infecção deste tipo.

Esta medicação, ocasionalmente, pode ter efeitos colaterais como náuseas e vômitos, diarreia ou constipação e inchaço.

Por outro lado, a candidíase também pode ser tratada por medicamentos intravaginais. A vantagem é que eles não causam tantos efeitos colaterais quanto os tratamentos orais.

O ponto fraco deste tipo de tratamento é que eles são bastante desconfortáveis e podem causar irritação local. Medicamentos como clotrimazol ou miconazol estão disponíveis tanto em formato de creme como em pequenos óvulos.

Se você estiver grávida e sofre de candidíase vaginal e decidiu recorrer a uma medicação vaginal, de forma alguma use o aplicador para inserir a medicação.

Caso contrário, haveria um risco de lesão no colo do útero. Neste caso, você precisaria inseri-lo com a mão.

Antes de recorrer a este tipo de medicação, é essencial que o seu ginecologista esteja ciente de seu histórico médico do momento e da evolução da sua gravidez.

Em qualquer caso, nunca se deve recorrer a este tipo de medicamento sem consultar o seu médico. Além disso, se os sintomas não se resolverem dentro de um período de 14 dias, você deve consultar o médico novamente.

Recomendados para você