O que são os calos ou calosidades e por que aparecem?

Os calos ou calosidades são um problema estético que afeta a autoestima e a imagem corporal. Por isso, é importante saber por que surgem e como evitá-los. Os diabéticos e atletas são grupos de risco.
O que são os calos ou calosidades e por que aparecem?

Última atualização: 31 Março, 2021

Os calos ou calosidades são um tipo de endurecimento localizado com maior prevalência nas solas dos pés. Também são conhecidos como helomas.

Essa condição é frequentemente observada em atletas e pacientes que são expostos a uma força de fricção  desigual do calçado ou a problemas na pisada. Incluem-se aqui os adultos idosos, os pacientes com diabetes e os amputados.

O que são os calos ou calosidades?

Calos ou calosidades são lesões de pele espessas, desconfortáveis e comuns. Resultam de um trauma mecânico repetido devido à fricção ou às forças de pressão que ocorrem sobre a pele.

Pessoas com pele de pigmentação escura têm uma maior probabilidade de desenvolver calosidades. Localizam-se com mais frequência nos pés, nas regiões do dorso dos dedos, no último espaço interdigital e nas solas.

Quais são os sintomas e sinais?

Esse tipo de hiperceratose geralmente se apresenta como uma pápula seca, dura, áspera, da cor da pele, com um centro esbranquiçado. Essa região central é chamada de núcleo. Estão preferencialmente localizados em uma proeminência óssea.

São dolorosos ao caminhar e ao estar de pé, mas assintomáticos ao tato. Por outro lado, à medida que aumenta o crescimento e espessamento da queratina, os calos e calosidades podem causar uma dor intensa.

Às vezes os calos são difíceis de distinguir das verrugas plantares. Contudo, se o médico exercer uma pressão digital perpendicular à calosidade, esta entrará em contato com a proeminência óssea e o paciente sentirá dor. Essa manobra não costuma ser dolorosa no caso das verrugas.

Os sapatos podem causar calos
O uso de calçados inadequados é um fator que favorece a formação de calosidades.

Por que os calos surgem?

Os sapatos inadequados, a mecânica anormal dos pés e os altos níveis de atividade produzem pressão e fricção que provocam calos e calosidades. É por isso que os atletas são mais propensos a ter este problema.

A fricção e a pressão repetidas na pele que recobre as proeminências ósseas levam a um espessamento que levará ao calo. O aumento da espessura é uma reação protetora do corpo que produz um excesso da camada epitelial córnea, a fim de prevenir a ulceração da pele.

Isso explica a localização preferencial junto aos côndilos dos metatarsos e falanges, bem como o aparecimento de calosidades em pacientes com deformidades nos pés. São as extremidades inferiores as mais afetadas, pela pressão que suportam.

Tipos e classificação dos calos e calosidades

Existem duas variantes principais desse tipo de condição. No entanto, geralmente é mencionada uma terceira que se manifesta como múltiplos tampões não dolorosos dentro dos calos plantares, em áreas das solas dos pés que não suportam pressão.

Heloma duro

O heloma duro é o tipo mais comum de calosidade. É  mais comumente localizado na face lateral e dorsal do quinto dedo do pé, bem como na face dorsal das articulações interfalângicas dos dedos menores.

Heloma mole

O heloma mole é uma lesão hiperceratótica dolorosa que se observa na maioria dos casos nos espaços interdigitais, principalmente no quarto. Essa localização costuma levar à maceração do mesmo e, às vezes, ao aparecimento de infecção bacteriana ou fúngica.

Qual é o tratamento dos calos ou calosidades?

As lesões geralmente desaparecem quando as forças mecânicas causadoras são eliminadas. O tratamento visa reduzir a dor e o desconforto. Apesar disso, os calos costumam ser recorrentes.

Tratamentos tópicos para as calosidades

Medicamentos queratolíticos tópicos, incluindo o ácido salicílico, podem ser aplicados aos calos. Nessa indicação, também são utilizados curativos de ureia 20% e 50%, nitrato de prata e hidrocoloides.

Essas técnicas são mais eficazes para algumas lesões. Os agentes queratolíticos tópicos também podem facilitar a remoção da lesão ao amolecer as calosidades. Foi demonstrado que a remoção física dos calos melhora a qualidade de vida e atenua a dor.

Laser ablativo

Pode-se usar o laser para tratar os calos em vez de removê-los com um bisturi. No entanto, a recorrência das lesões é observada em alguns pacientes, especialmente se os gatilhos forem mantidos.

Tratamento conservador

Qualquer problema mecânico e deformidade devem ser tratados com um tratamento conservador adequado. Ou seja, trata-se de usar calçados adequados e palmilhas macias que reduzem o atrito e aumentam o conforto.

Cirurgia

A abordagem cirúrgica visa remover a causa subjacente dos calos, como as proeminências ósseas. Geralmente é indicada em caso de falha de outras modalidades de tratamento conservador, de acordo com as publicações da American Family Physician.

Dicas caseiras para eliminar os calos

Mergulhar os calos em água morna por 20 minutos pode ajudar muito. Depois disso, esfregue suavemente o calo com o dedo ou uma pedra-pomes.

Os tratamentos variam de uma abordagem conservadora à cirurgia ablativa.

Como prevenir o aparecimento de calos e calosidades?

O tratamento, na verdade, começa com a prevenção. Por isso, os calçados que não se encaixam bem e os traumatismos mecânicos na área afetada devem ser evitados. Isso se aplica especialmente aos atletas com treinos exigentes.

Os calos não são causados ​​por vírus e não são contagiosos. Além disso, o corte das unhas é indicado para evitar qualquer pressão ou traumas repetidos que possam levar ao desenvolvimento de lesões.

O risco dos calos e calosidades

Embora os calos e calosidades sejam um problema crônico e recorrente, a maioria deles desaparece gradualmente quando a fricção ou pressão repetida é removida. No entanto, se as calosidades não desaparecerem ou se começarem a causar fortes dores, o paciente deve ser examinado por um dermatologista ou podólogo.

Em pessoas com diabetes ou outra condição que cause fluxo sanguíneo insuficiente para os pés, há um risco maior de complicações. Esses pacientes precisam de um controle rigoroso com uma avaliação das suas extremidades, a fim de detectar o problema a tempo.

It might interest you...
Tenha pés macios e sem calos usando leite e sal
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Tenha pés macios e sem calos usando leite e sal

Você poderá preparar este truque de beleza em pouco mais de 10 minutos e ter pés macios e sem calos usando leite e sal. Vai anotar?



  • Freeman DB. Corns and calluses resulting from mechanical hyperkeratosis. Am Fam Physician. 2002 Jun 1;65(11):2277-80. PMID: 12074526.
  • Kovar P. Vorsicht bei der Selbstbehandlung von Schwielen und Clavi! [Calluses, corns and others – beware of the self-treatment!]. MMW Fortschr Med. 2016 Dec;158(21-22):64-66. German. doi: 10.1007/s15006-016-9106-z. PMID: 27966126.
  • Singh D, Bentley G, Trevino SG. Callosities, corns, and calluses. BMJ. 1996 Jun 1;312(7043):1403-6. doi: 10.1136/bmj.312.7043.1403a. PMID: 8646101; PMCID: PMC2351151.
  • Güngör S, Bahçetepe N, Topal I. Removal of corns by punch incision: a retrospective analysis of 15 patients. Indian J Dermatol Venereol Leprol. 2014 Jan-Feb;80(1):41-3. doi: 10.4103/0378-6323.125491. PMID: 24448122.
  • Haneke E. Differentialdiagnose und Therapie von Schwielen, Hühneraugen und Plantarwarzen [Differential diagnosis and therapy of calluses, corns and plantar warts (author’s transl)]. Z Hautkr. 1982 Feb 15;57(4):263-72. German. PMID: 6210994.
  • Balanowski KR, Flynn LM. Effect of painful keratoses debridement on foot pain, balance and function in older adults. Gait Posture. 2005 Dec;22(4):302-7. doi: 10.1016/j.gaitpost.2004.10.006. Epub 2005 Jan 7. PMID: 16274911.
  • Soto, Manuel Romero, et al. “Estudio de prevalencia de patologías podológicas y grado de dependencia en personas mayores de 65 años.” El peu 30.3 (2010): 104-111.
  • Chicharro, Esther, et al. “Heloma duro vs tiloma.” El Peu 27.4 (2007): 229-235.
  • Ibáñez, MA Campillo, A. Prós Simón, and J. Blanch Rubiò. “Tratamiento de callos y clavos.” FMC-Formación Médica Continuada en Atención Primaria 10.5 (2003): 349-358.
  • Couselo-Fernández, I. G. N. A. C. I. O., and Jose María Rumbo-Prieto. “Riesgo de pie diabético y déficit de autocuidados en pacientes con Diabetes Mellitus Tipo 2.” Enfermería universitaria 15.1 (2018): 17-29.
  • García, Elisabeth Thió. “Resultados en el tratamiento láser de onicomicosis y helomas por inclusión.” El Peu 37.2 (2016): 26-34.