Bioneuroemoção e a dor de cabeça

Mesmo que não acreditemos, nossas emoções repercutem em nosso estado físico e podem surgir como dores de cabeça ou na coluna, por isso é conveniente solucionar nossos problemas a fim de evitá-las
Bioneuroemoção e a dor de cabeça

Última atualização: 28 Janeiro, 2021

Talvez você já ouvido falar do conceito de bioneuroemoção. Este faz referência ao fato de como determinados fatores inconscientes de nossa vida podem determinar a aparição de diferentes doenças ou problemas.

Ninguém pode negar, por exemplo, a forma na qual o estresse ou a ansiedade se reflete em nosso bem-estar físico, ou como quadros clínicos associados às depressões chegam a adoecer uma pessoa, debilitando seu sistema imunológico e tornando-a mais propensa à incidência de certas doenças.

É uma realidade. Obviamente não estamos falando, de modo algum, de doenças graves, onde até a medicina não consegue compreender a razão de seu desenvolvimento.

A bioneuroemoção é uma interessante tendência humanística que está adquirindo muita força hoje em dia.

É uma forma de complementar conhecimentos e descobrir novas tendências sobre o porquê de algumas de nossas doenças mais comuns, como a dor de cabeça. 

Bioneuroemoção: como determina minha vida no dia a dia?

Bioneuroemoção da moça

Antes de mais nada, saiba que a bioneuroemoção não busca curar, tratar ou substituir as técnicas comuns da medicina. De forma alguma. O que esta corrente busca pode ser resumida nos seguintes aspectos:

  • Reconhecer um problema em nosso corpo que pode estar relacionado com um aspecto interno: as emoções.

Por exemplo: Meus problemas no relacionamento fazem com que me sinta desvalorizada. Me sinto cansada, sem vontade para fazer nada, sofro enxaquecas e dores musculares.

Busca-se promover uma nova mudança nas emoções, pensamentos e motivações não somente para nos conhecermos melhor, como também para propiciar outras perspectivas que nos permitam mudar atitudes em nossa vida para então superar os problemas.

  • A bioneuroemoção pretende antes de tudo oferecer um conhecimento mais amplo da pessoa sobre como ela é e como seus pensamentos e suas emoções produzem mudanças a nível celular, cerebral, etc.

Outro exemplo: se fomos educados no desapego, em uma família que não nos reconhecia, que gritava ou não oferecia carinho, tudo isso determina o modo no qual nosso cérebro amadurece.

O estresse, a vulnerabilidade e o medo determinam muitas das doenças que podemos ter.

A relação entre a bioneuroemoção e a dor de cabeça

Bioneuroemoção desenhada nas costas

Todos nós sabemos que a dor de cabeça pode ter várias origens, principalmente estas:

  • Anemia.
  • Acumular um grande cansaço.
  • Não ter dormido bem.
  • Não se alimentar de modo adequado.
  • Ter um fígado doente que não depura corretamente o organismo.
  • Alguma doença subjacente.
  • Alergias alimentares.
  • Fatores ambientais, como mudanças de pressão ou de temperaturas.
  • Dor produzida por uma sobrecarga muscular, pelas cervicais…

Todos estes fatores determinam muitas vezes àquela dor de cabeça que tentamos aliviar com um analgésico ou outro tipo de fármaco.

Agora, o que acontece quando esta dor é persistente, quando vai e volta sem compreendermos muito bem a razão?

Certamente você já notou que, em certos momentos, depois de sair do trabalho e chegar em casa, depois de um tempo aparece a dor de cabeça.

Ou ainda mais, depois de ter discutido com alguém, você nota como uma dor pulsátil se concentra em sua têmpora.

Um dado que devemos ter em mente é que a dor de cabeça relacionada com nossas emoções não aparece no mesmo instante no qual o problema surge, ou seja, aquela discussão, o medo, a decepção.

Aparece algumas horas depois e mesmo nos dias posteriores. Muitos médicos indicam inclusive que as dores de cabeça são mais frequentes durante o fim de semana.

Qual a causa?

  • Quando enfrentamos um determinado problema, o ideal seria resolvê-lo ou administrar as emoções o quanto antes. No entanto, o que tendemos a fazer é “se desconectar”, deixar para depois e não enfrentar a situação, esperando que, com os dias, as coisas mudem.
  • Quando temos problemas no relacionamento podemos sofrer um estresse acumulativo, porque muitas emoções se entrelaçam.

Desejamos que as coisas melhorem, que voltemos à felicidade de outrora, mas pouco a pouco, todas as ansiedades vão se acumulando em nossa mente e, consequentemente, em nosso corpo.

  • Estas emoções negativas acumuladas se traduzem no final em sobrecarga, de dor, de tensão interna que quase sempre gera uma dor de cabeça.
  • As emoções podem propiciar mudanças metabólicas, e estas derivam em alterações nas células, neurotransmissores, em nossos tecidos e, inclusive em nossa circulação sanguínea e nossos órgãos.

Nunca notou, por exemplo, como é difícil fazer a digestão quando temos um problema?

Concluindo…

Se você deseja saber como seu corpo se encontra hoje, lembre-se de como foi o dia anterior. Se você teve muita ansiedade, estresse, medos e inseguranças, seu organismo ficará ressentido. E a dor de cabeça pode ser o primeiro indício.

Para concluir, lembre-se de que uma boa alimentação e manter hábitos de vida adequados é o básico para desfrutar de uma boa saúde.

Não descuide nunca de suas emoções, e lembre-se do que a Bioneuroemoção diz: todo problema não resolvido, toda ansiedade, produz mudanças bioquímicas que determinarão algumas doenças.

Cuide de sua consciência, de suas emoções, de seu bem-estar interior para que possa dispor de uma saúde mais resistente. Vale a pena tentar!

Pode interessar a você...
Dor de cabeça noturna: o que causa esse transtorno?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Dor de cabeça noturna: o que causa esse transtorno?

A dor de cabeça noturna afeta o nosso descanso e a possibilidade de ter um sono reparador. Saiba o que pode estar por trás dela neste artigo.



  • Tobergte, D. R., & Curtis, S. (2013). Principios de neurología. Journal of Chemical Information and Modeling. https://doi.org/10.1036/0071469710
  • Vallejo Pareja, M. A. (2000). Emociones y dolor. Revista de La Sociedad Espanola Del Dolor.
  • Fernández Dols, J. M., & Ortega, J. E. (1985). Los niveles de analisis de la emocion: James, cien años despues. Estudios de Psicología. https://doi.org/10.1080/02109395.1985.10821417
  • Ostrosky, F., & Vélez, A. (2013). Neuropsicología de las Emociones. Revista de Neuropiscología, Neuropsiquiatría y Neurociencias.