Betaína: propriedades, benefícios e para que serve

A betaína é um nutriente natural do organismo que realiza tarefas colaborativas com diferentes órgãos e ajuda a prevenir doenças relacionadas ao sistema cardiovascular, muscular e digestivo.

Às vezes recebemos conselhos dos médicos sobre certos nutrientes que são necessários para que nosso corpo funcione corretamente. Eles também recomendam guias ou dietas para evitar problemas de saúde. Assim, termos como ‘betaína’ começam a ser recorrentes. No entanto, muitas vezes entendemos apenas metade do que nos dizem.

A seguir tentaremos conhecer e compreender a função da betaína em nosso cotidiano.

O que é betaína?

A betaína é um composto que é produzido no corpo. Ele nos fornece ácido clorídrico e é essencial para a absorção de vitamina B12, cálcio e ferro.

É basicamente um nutriente que distribui os metais no organismo para que cada órgão os use e possa enfrentar certos riscos de desequilíbrio.

Alimentos ricos em betaína

Beterraba

  • Beterraba: A beterraba é uma das maiores fontes de betaína, e foi desse vegetal que adquiriu seu nome.
  • Peixe
  • Espinafre
  • Brócolis
  • Leguminosas

Para que a betaína serve?

Saúde do fígado

Pode ser difícil entender a forma como ela funciona, mas é mais fácil identificar a sua utilidade com alguns pontos.

Regula a homocisteína

A betaína ajuda a regular e reduzir os níveis de homocisteína. Assim, é responsável pela prevenção de doenças causadas pelo seu excesso.

  • Embora a homocisteína seja necessária, ela deve ser regulada de modo a não causar alterações.
  • Se estiver em demasia em nosso corpo, as consequências podem levar a ataques cardíacos, doença de Alzheimer, coágulos sanguíneos ou acidentes vasculares cerebrais.

Cuida da saúde do fígado

Este aminoácido atua como um agente lipotrópico quando produz metais para quebrar as gorduras e aliviar o fígado.

Desta forma, evita o fígado gorduroso. Em alguns casos, é usada para tratar esse órgão doente.

Além das funções já mencionadas, a betaína também:

  • Colabora na digestão com a sua contribuição de ácido clorídrico, necessário no estômago para decompor as proteínas.
  • Evita a desidratação das células enquanto mantém o balanço hídrico das mesmas. Colabora no transporte de líquidos necessários em todo o corpo.
  • É relevante na síntese de creatina pela qual se amplifica o desenvolvimento muscular.

Benefícios da betaína

Saúde do coração

Cada uma das funções que explicamos está diretamente associada a uma série de benefícios para a saúde dos indivíduos. Uma pessoa com um percentual adequado deste nutriente terá:

  • Menor risco de apresentar patologias gastrointestinais. Regula o nível de acidez necessário para a correta digestão.
  • Uma diminuição da gordura que afeta o fígado. Combate os excessos em torno dele para mantê-lo livre.
  • Artérias e sistema cardiovascular saudáveis. O sangue pode circular sem interrupções.
  • Maior força muscular. Ao produzir uma maior quantidade de óxido nítrico, é possível aumentar os níveis de resistência e força nas atividades físicas. Muitos atletas de elite usam suplementos com este nutriente.

A betaína, talvez não muito falada pelas pessoas comuns, tem um trabalho realmente colaborativo com o resto dos elementos do nosso corpo.

Como vimos, sua participação é necessária e relevante na rotina diária e na prevenção.

Há também suplementos que podem ser comprados para complementar o que é produzido naturalmente e que é ingerido através dos alimentos que a contêm.

Sua dose varia de acordo com o caso e cada paciente deve seguir o conselho de seu médico para evitar efeitos colaterais.

Efeitos colaterais dos suplementos de betaína

Mulher sentindo enjoo

Alguns especialistas prescrevem medicamentos com betaína para tratar diferentes problemas de saúde.

Como com todas as substâncias químicas, há efeitos colaterais que precisam de atenção. No caso de se manifestarem, você deve recorrer a um centro médico:

  • Náusea
  • Mudanças no odor corporal
  • Perda de consciência
  • Fraqueza nos músculos
  • Distorção visual
  • Alterações de memória
  • Dificuldades motoras

Alguns institutos revelaram que houve casos de edema cerebral em pacientes tratados com betaína. Por esta razão, é aconselhável reduzir a ingestão e fazer as análises relevantes.

A partir dos 50 anos, os níveis de produção de betaína diminuem. Estar consciente disso e adicionar alimentos com este nutriente na dieta é muito positivo para manter o equilíbrio no organismo.

Recomendados para você