Benefícios e usos do óleo essencial de semente de uva

O óleo de semente de uva é extraído a partir da trituração das sementes que se encontram no fruto da videira. Descubra sua composição, para que serve e quem deve evitá-lo.
Benefícios e usos do óleo essencial de semente de uva

Última atualização: 16 Março, 2021

Graças ao seu aroma e sabor frutado, o óleo de semente de uva é amplamente utilizado para macerar carnes e preparar vinagretes. Também é valorizado na cosmetologia por seus altos níveis de ácido linoléico, um ácido graxo ômega 6 que pode melhorar a saúde da pele.

Extraído das sementes encontradas no fruto da videira, este óleo deve sua popularidade às altas concentrações de compostos químicos que contém. Isso inclui gorduras poliinsaturadas e vitamina E.

Como o óleo essencial de semente de uva é processado? Qual é a sua composição? Quais são os usos que ele tem? Descubra tudo em detalhes a seguir.

Como o óleo é extraído?

O óleo de semente de uva é obtido a partir das sementes dessas frutas, consideradas um subproduto da vinificação. Por milhares de anos, os vinicultores não sabiam o que fazer com elas. No entanto, a tecnologia permitiu que desenvolvessem um processo em que o óleo é extraído das sementes.

Neste processo, as sementes são trituradas e são usados solventes. Porém, há uma preocupação com o uso dessas substâncias, uma vez que algumas delas, como o hexano, estão relacionadas a efeitos nocivos à saúde.

No entanto, os solventes tendem a desaparecer no processo de fabricação e não há evidências científicas de que os resíduos de hexano no óleo causem danos a curto ou longo prazo. Ainda assim, o impacto ambiental pode ser preocupante.

Nesse sentido, certifique-se de que o óleo essencial de semente de uva que você comprar indique como ele foi processado. Caso contrário, você deve assumir que ele foi feito com produtos químicos.

Uvas roxas e verdes
O uso de sementes de uva é relativamente recente, pois elas sempre foram consideradas um subproduto que era descartado no processo de vinificação.

Composição do óleo de semente de uva

De acordo com pesquisas publicadas na Nutrition and Metabolic Insights, o óleo de semente de uva possui compostos fenólicos e ácidos graxos insaturados que lhe conferem propriedades anti-inflamatórias e antimicrobianas. Em geral, os ácidos graxos presentes neste óleo são distribuídos da seguinte forma:

  • 10% saturados.
  • 16% monoinsaturados.
  • 70% poliinsaturados.

A maioria dessas gorduras poliinsaturadas é composta por ômega 6. Segundo estudos, ele está relacionado a um aumento da inflamação do corpo em comparação com o ômega 3.

Isso também foi relatado em outra pesquisa que relaciona uma alta ingestão de ácidos graxos ômega 6 com um risco aumentado de desenvolver doenças crônicas. No entanto, há evidências científicas de que o ácido linoléico não altera os níveis sanguíneos de marcadores inflamatórios.

Nesse contexto, não é possível garantir que uma dieta rica em ácidos ômega 6 seja a causa de patologias. Mais pesquisas ainda são necessárias para produzir resultados conclusivos.

Por outro lado, o óleo de semente de uva também é uma fonte de vitamina E. Uma única colher de sopa de 3,9 miligramas representa 19% da ingestão diária recomendada.

Que outros usos ele tem?

Embora o óleo de semente de uva seja conhecido por melhorar a saúde da pele, combatendo a acne, tratando a pele oleosa e rejuvenescendo os tecidos, esses não são seus únicos usos. Ele também pode ser usado na culinária e na aromaterapia. Vamos ver mais detalhes a seguir:

Na cozinha

Por ter um ponto de fumaça elevado, o óleo de semente de uva pode ser usado para fritar e refogar. No entanto, isso não é recomendado, pois ele é uma fonte de gorduras poliinsaturadas.

De acordo com um estudo publicado na Vascular Pharmacology, esses tipos de gorduras tendem a reagir desfavoravelmente ao oxigênio em altas temperaturas, criando compostos nocivos e radicais livres.

Portanto, evite usar este óleo para fritar e, em vez disso, use-o como molho para salada, adicione-o no preparo de maioneses e assados ou use-o para marinar carnes.

Na aromaterapia

O estresse crônico pode desencadear uma série de problemas graves de pele, incluindo acne, queda de cabelo, pele seca, erupções cutâneas e até envelhecimento precoce.

Felizmente, a aromaterapia é conhecida por acalmar a ansiedade. Acredita-se que o óleo de semente de uva seja capaz de servir como transportador ou óleo base nessa prática, bem como em sessões que incluem massagens.

Possíveis riscos do óleo de semente de uva

Para quem não é alérgico a esse óleo, os riscos são poucos quando ele é aplicado na pele. Se você não sabe se tem alergia ou não, basta fazer um teste simples que consiste em aplicar um pouco de óleo em uma parte do corpo, como os pulsos ou tornozelos, e esperar 24 horas. Se após esse tempo não houver reação (manchas ou erupção na pele), isso significa que a pele é capaz de tolerá-lo.

No entanto, de acordo com o National Center for Complementary and Integrative Health (NCCIH), o óleo de semente de uva pode não ser recomendado para pessoas que sofrem de doenças do sangue, que vão se submeter a cirurgias e que tomam anticoagulantes como a varfarina.

Além disso, uma pesquisa publicada no Journal of the American Oil Chemists Society descobriu que alguns óleos de semente de uva podem apresentar níveis prejudiciais de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAHs), um grupo de mais de 100 produtos químicos conhecidos por serem cancerígenos em animais. Por enquanto, esses efeitos não foram evidenciados em humanos.

Contraindicações do óleo de semente de uva
Pessoas alérgicas, pessoas com doenças do sangue e que tomam anticoagulantes não devem fazer uso deste óleo.

Nem todo mundo pode usar o óleo de semente de uva

O óleo de semente de uva vem das sementes encontradas nos frutos da videira. Estas são um subproduto da vinificação, portanto, para fazer o óleo, é preciso triturá-las e usar um solvente.

Há quem discorde desse processo por considerá-lo insalubre, embora não haja evidências conclusivas de que os solventes possam causar danos ao organismo.

Quanto aos seus benefícios, estão relacionados à melhora da saúde da pele, desde o combate à acne e tratamento da pele seca até a redução das olheiras e rejuvenescimento dos tecidos. Seus usos, além da cosmética, incluem a área gastronômica e a aromaterapia.

No entanto, nem todos podem usar este óleo. Se você é alérgico, sofre de uma doença do sangue, vai ser operado ou toma medicamentos anticoagulantes, deve evitar seu consumo e uso tópico.

Pode interessar a você...
Benefícios da semente de uva para a saúde
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Benefícios da semente de uva para a saúde

Além de ter propriedades anti-inflamatórias e antibacterianas, a semente de uva é rica em antioxidantes. Saiba mais sobre os seus benefícios.



  • Garavaglia, J., Markoski, M. M., Oliveira, A., & Marcadenti, A. (2016). Grape Seed Oil Compounds: Biological and Chemical Actions for Health. Nutrition and metabolic insights, 9, 59–64. https://doi.org/10.4137/NMI.S32910
  • Simopoulos, A. P. (2006). Evolutionary aspects of diet, the omega-6/omega-3 ratio and genetic variation: nutritional implications for chronic diseases. Biomedicine & pharmacotherapy, 9(60), 502–507. https://doi.org/10.1016/j.biopha.2006.07.080
  • Russo G. L. (2009). Dietary n-6 and n-3 polyunsaturated fatty acids: from biochemistry to clinical implications in cardiovascular prevention. Biochemical pharmacology, 77(6), 937–946. https://doi.org/10.1016/j.bcp.2008.10.020
  • Su, H., Liu, R., Chang, M., Huang, J., & Wang, X. (2017). Dietary linoleic acid intake and blood inflammatory markers: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Food & function, 8(9), 3091–3103. https://doi.org/10.1039/c7fo00433h
  • Ng, C. Y., Leong, X. F., Masbah, N., Adam, S. K., Kamisah, Y., & Jaarin, K. (2014). Heated vegetable oils and cardiovascular disease risk factors. Vascular pharmacology, 61(1), 1–9. https://doi.org/10.1016/j.vph.2014.02.004
  • Moret, S., Dudine, A. & Conte, L. S. (2000). Processing effects on the polyaromatic hydrocarbon content of grapeseed oil. Journal of the American Oil Chemists’ Society, 77, 1289–1292. https://doi.org/10.1007/s11746-000-0203-5