Barbie quebra seus estereótipos

· 4 de fevereiro de 2019
Depois de décadas de magreza, a Barbie ganha algumas curvas. Bonecas mais voluptuosas e com uma figura menos estilizada, porém mais realista

Barbie, a boneca mais famosa e questionada, deixa para trás seu estereótipo de beleza feminina. Muda seu aspecto físico para mostrar às meninas versões mais realistas do corpo da mulher. 

A Mattel, companhia fabricante, ampliou sua coleção com três novos modelos anatômicos e sete cores diferentes de pele.

Depois de décadas de críticas e polêmicas a respeito das medidas perfeitas, a fabricante atende a petição de milhões de pessoas.

Não deixe de ler: É preciso ser feliz, e não perfeito

Apresenta suas novas versões “petite”, “tall” e “curvy”. A boneca se mostrará: baixinha, alta e com mais curvas, respectivamente.

A que mais chamou a atenção é a voluptuosa, com quadris mais largos e uma silhueta que se aproxima muito do modelo de beleza feminina real.

Uma nova aposta da Mattel

Há mais de 50 anos que Barbie conservava a figura alta e magra, que destoava muito da realidade do corpo feminino, mas que influenciava meninas de todo o mundo a buscar uma silhueta mais magra e “perfeita”.

Desde suas primeiras versões recebeu fortes críticas. Causou indignação pelo conceito de beleza que mostrava para as meninas, muito além de ser uma simples boneca.

Além disso, a Barbie tem sido um dos brinquedos mais populares e vendidos de toda a história, arrasando em vendas durante décadas em quase todos os cantos do mundo.

Barbie mais real

No entanto, para a Mattel tudo mudou nos últimos anos. A boneca que fora durante décadas seu brinquedo mais vendido, agora está em uma crise, deixando perdas milionárias.

Durante o ano de 2012 foi registrada uma redução das vendas de 20% com relação a anos anteriores. 

A companhia quis inovar lançando coleções com novas profissões e interessantes acessórios, mas não recuperou seu lugar de preferência.

A chegada ao mercado de bonecas como Elsa, a protagonista do filme Frozen, gerou aos produtores da Barbie perdas milionárias.

E mesmo que Elsa seja uma loira com medidas que não se diferenciam muito das da Barbie, traz consigo um exemplo de força, valentia e irmandade que chamou a atenção das meninas e a dos pais.

Evelyn Mazzoco, vice-presidente e gerente geral da marca, teve a tarefa de ver quais podiam ser as razões pelas quais perdeu tantas preferências. 

Barbie deixa de ter preferência

Barbie com curvas

A empresa determinou que os pais estavam se inclinando por brinquedos mais inspiradores, portanto, iniciou o Projeto Amanhecer. Assim, a companhia quis ampliar essa visão de beleza que as meninas têm desde seus primeiros anos. 

“Acreditamos que temos uma responsabilidade para com as meninas e os pais de retratar um olhar mais amplo da beleza”, disse Mazzoco.

Foram adicionados vários tons de pele e estilos de cabelo, assim como a possibilidade de utilizar sapatos diferentes aos dos saltos altos.

Leia também: 5 benefícios que se obtém ao parar de usar saltos

Mídias como a prestigiosa revista Time dedicaram sua capa. Asseguram que é um dos acontecimentos mais importantes para a representação comercial do ideal corporal feminino. 

Por outro lado, adicionam que existe o risco de falhar com esta iniciativa logística pela reação ante os nomes dos três novos modelos.

Barbie na revista Time

A Mattel também está preparando uma linha de atenção especial com a qual tentarão resolver as consequências do Projeto Amanhecer.

As bonecas estão disponíveis em pré-venda no site shop.mattel.com e sua entrega ao público se iniciará no mês de fevereiro.

A exibição em lojas físicas dos Estados Unidos será a princípios de março. 

O projeto terá sucesso? Por agora é uma pergunta muito difícil de resolver. Talvez em alguns meses a mesma companhia anuncie o impacto no mercado e, principalmente, a nível social.

Então, o que você acha? As meninas devem seguir um modelo ou devem ser elas mesmas? Dê sua opinião e compartilhe com a gente.

Nos próximos artigos mais informações e curiosidades. Então, continue conosco.

  • Dittmar, H., Halliwell, E., & Ive, S. (2006). Does Barbie make girls want to be thin? the effect of experimental exposure to images of dolls on the body image of 5- to 8-year-old girls. Developmental Psychology. https://doi.org/10.1037/0012-1649.42.2.283
  • Rice, K., Prichard, I., Tiggemann, M., & Slater, A. (2016). Exposure to Barbie: Effects on thin-ideal internalisation, body esteem, and body dissatisfaction among young girls. Body Image. https://doi.org/10.1016/j.bodyim.2016.09.005