Autoajuda emocional: saúde interior

29 Setembro, 2020
As feridas emocionais são um obstáculo ao progresso. E não há ninguém melhor do que nós mesmos para curá-las, começar a cicatrizá-las e aprender com as circunstâncias que as causaram.

Em algum momento de nossas vidas nós sofremos, seja porque alguém nos tenha causado um dano ou, possivelmente, nos arrependemos de algumas coisas que não deveríamos ter feito. Pensando nisso, hoje falaremos sobre a autoajuda emocional.

Nosso grande problema é que olhamos para trás e percebemos que não resolvemos tudo o que nos prejudicou. Por isso, ainda hoje, a nossa vida é temperada pela dor. Tudo porque não temos sido capazes de usar a autoajuda emocional.

De acordo com uma pesquisa publicada no Jornal da Associação Espanhola de Neuropsiquiatria, autoajuda e aconselhamento não são a mesma coisa. No entanto, parece que as duas ideias às vezes podem se sobrepor.

Assim, o indivíduo que utiliza a ‘autoajuda’, segundo os pesquisadores, é autorregulado e definido por alguns traços: autenticidade, autoaceitação, irrepreensibilidade, rejeição de deveres impostos externamente e busca por uma independência que o torna alheio à reprovação ou aprovação dos demais.

Autoajuda emocional: a chave para avançar

autoajuda emocional

Quando não resolvemos os nossos problemas, as feridas são instaladas dentro de nós, fazendo-nos construir uma barreira para nos protegermos de tudo o que não queremos sofrer novamente. Mas, por que você deveria sofrer de novo? Não deveria estar tudo resolvido?

As feridas emocionais, assim como as feridas físicas, precisam ser curadas. Se não forem curadas, podem continuar doendo a vida toda, lembrando-nos de tudo aquilo que nos causou dor.

A autoajuda emocional é, então, muito necessária para você começar a se curar. Somente você poderá fazê-lo, porque, embora os outros o orientem e digam como você deve superar as experiências que viveu, só você pode curar suas próprias feridas.

Todos nós temos a capacidade de nos curar emocionalmente. Não é fácil, a autoajuda emocional é algo do qual devemos ter consciência e, depois, colocar em prática da forma correta.

É bom aprender a cultivar a autocura emocional para nos permitirmos ser felizes e curar as feridas que só levam ao sofrimento e à ruminação dos pensamentos.

Não perca: Como superar uma situação de luto?

O autoconhecimento é a chave

Para curar feridas, a primeira coisa que devemos fazer é aprofundar nosso autoconhecimento. O primeiro aliado que devemos fazer quando se trata de cura e de seguir em frente está em nós mesmos.

Aqui estão algumas dicas que podem ser úteis ao usar esse autoconhecimento como uma força para continuar.

1. Não fuja de seus sentimentos

Nós sabemos que os sentimentos às vezes são muito dolorosos e, quando nós sentimos medo, nossa primeira reação é fugir. Mas fugir deles não resolverá o problema.

Em alguns casos, pode até piorá-los. Reconheça e aceite sua dor, sofra-a, sinta-a e logo você vai superar tudo isso. Acredite ou não, enfrentar o problema, mesmo que doa muito, o deixará mais forte.

2. Autoajuda emocional: não se julgue

Você não pode julgar suas emoções porque, simplesmente, não pode controlá-las. Sentir raiva, tristeza ou ódio não é algo que você pode decidir quando sentir ou não.

  • É por isso que não podemos julgar tais emoções como “emoções negativas“. Elas são reações naturais a uma determinada circunstância.

Além do mais, você não entende suas emoções? Busque a sua origem. Por que você sente ressentimento? Por que você odeia? Algo causou essas emoções e você deve aprender a entender o porquê delas, para começar a aceitá-las. Isso permitirá compreender, aceitar e será um passo importante para começar a se curar. E lembre-se que você também pode procurar ajuda profissional.

3. Abrace os sentimentos contraditórios

Todos nós temos uma mistura de sentimentos contraditórios, principalmente quando nos sentimos magoados. Mas você vai negá-los ou deixá-los de lado? Esta reação não vai ajudá-lo em sua autoajuda emocional, muito pelo contrário.

Portanto, você deve aceitar e abraçar esses sentimentos. Só então poderá começar a ver alguma luz entre todo o desconforto que eles estão criando.

4. Elimine crenças irracionais com a autoajuda emocional

Por que isso aconteceu comigo? O que eu fiz para merecer isso? Estas são perguntas que, às vezes, vêm à nossa mente nos confundindo e nos impedindo de superar o que tanto nos tem magoado.

  • Para isso, o primeiro passo é perdoar.
  • Mas não perdoar os outros, devemos começar por perdoar a nós mesmos.

Você não é o culpado por ter passado por essas circunstâncias negativas em sua vida, como também outra pessoa não tem que ser culpada; elas simplesmente aconteceram, em circunstâncias e horas erradas. Perdoar o libertará e será um bálsamo que permitirá a cicatrização.

Leia também: 6 conselhos para aliviar a dor emocional

5. Com a autoajuda emocional, aprenda e cresça!

Todas as experiências, positivas ou negativas serão uma grande oportunidade para continuar aprendendo e crescendo. Só porque elas são negativas não têm que nos bloquear ou paralisar.

Se você conseguiu colocar em prática as dicas acima sobre a autoajuda emocional, saberá que pode sacar algo muito bom de tudo o que é ruim.  Você aprenderá e crescerá!

Autoajuda emocional

A autoajuda emocional é uma aliada

Se você não praticar a autoajuda emocional, continuará caindo e cometendo sempre os mesmos erros. Isto irá mergulhá-lo em uma profunda tristeza e decepção que o impedirá de seguir em frente.

É por isso que você deve tentar curar e cicatrizar as feridas o quanto antes. O tempo passa muito rápido, por isso… aprenda rápido!

Nota: é possível que somente a autoajuda não seja suficiente. Consulte um psicólogo se precisar de ajuda para controlar as suas emoções ou se tiver preocupações persistentes.

  • Baron, R. (2013). Psicología social. Journal of Chemical Information and Modeling. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004
  • Acevedo, G. V. (2008). Psicología. Strategies. https://doi.org/10.1023/B:AGEN.0000021395.43438.44
  • Poseck Vera, B. (2006). PSICOLOGÍA POSITIVA: UNA NUEVA FORMA DE ENTENDER LA PSICOLOGÍA. Papeles Del Psicologo . https://doi.org/-
  • Cortada de Kohan, N. (2002). Revista Latinoamericana de Psicología. Revista Latinoamericana de Psicología. https://doi.org/10.2307/3539114
  • Manjón González, J. (2014). La autoayuda y el consejo como procedimientos psicoterapéuticos. Revista de la Asociación Española de Neuropsiquiatría, 34(122), 283-300.