Atrofia vaginal na menopausa

11 Setembro, 2020
Os tratamentos para a atrofia vaginal na menopausa visam restaurar a fisiologia dessa região do corpo e aliviar os sintomas.

A atrofia vaginal é caracterizada por um conjunto de sintomas e sinais associados à diminuição do estrogênio e de outros esteroides sexuais. É uma doença crônica comum durante a menopausa.

A menopausa é um processo natural e fisiológico que consiste na cessação definitiva da menstruação. Diversas mudanças estão associadas a esse processo, algumas temporárias e outras definitivas no corpo das mulheres.

A atrofia vaginal geralmente não é diagnosticada, por isso tem um grande impacto na saúde sexual da paciente, bem como na sua qualidade de vida. A diminuição dos níveis de estrogênio e outros hormônios está relacionada a mudanças nos lábios maiores e menores, introito, vestíbulos valvulares, clitóris, vagina, uretra e bexiga.

O estrogênio é necessário para manter a estrutura e a função da vagina. A diminuição dos níveis deste hormônio tem sido associada a alterações na fisiologia da vagina, a base dos sintomas que definem a atrofia vaginal.

Sintomas da atrofia vaginal

Problemas na saúde vaginal

Com essa patologia associada à menopausa, as pacientes podem sofrer um quadro clínico de moderado a agudo, caracterizado pela presença dos seguintes sintomas:

  • Secura vaginal
  • Queimação vaginal
  • Prurido genital
  • Sensação de queimação ao urinar e aumento da sensibilidade
  • Desconforto durante a relação sexual
  • Sangramento leve após a relação sexual
  • Estreitamento e encurtamento do canal vaginal

Embora a secura vaginal seja mais frequente na menopausa, este é um problema que pode afetar as mulheres em qualquer fase da vida, devido ao uso de contraceptivos, lactação, pós-parto, peri e pós-menopausa. Mais da metade das mulheres com esse distúrbio tem menos de 50 anos.

Fatores de risco para a atrofia vaginal

Certos fatores contribuem para o desenvolvimento da atrofia vaginal. Alguns deles são:

  • Fumar: O cigarro afeta a circulação sanguínea, resultando em uma deficiência de oxigênio na vagina e em outros tecidos. O tabaco também diminui os efeitos do estrogênio.
  • Não ter tido partos vaginais: Os pesquisadores sugerem que mulheres que nunca deram à luz por parto vaginal têm uma maior probabilidade de ter a síndrome, em comparação com aquelas que tiveram esse tipo de parto.
  • Falta de atividade sexual: A atividade sexual, com ou sem um parceiro, aumenta a circulação sanguínea e promove a elasticidade dos tecidos vaginais.

Você também pode gostar de ler: Como lidar com a vaginite atrófica após a menopausa

Como a atrofia vaginal pode ser tratada?

Atrofia vaginal

Os tratamentos da atrofia vaginal visam restaurar a fisiologia dessa região do corpo e aliviar os sintomas. Quando os sintomas são leves, as terapias de primeira linha incluem o uso de hidratantes e lubrificantes vaginais não hormonais no momento da relação sexual para melhorar a secura vaginal, queimação ou coceira.

Além disso, os hidratantes enriquecem a hidratação do colágeno na vagina, proporcionando um alívio sintomático, embora não melhorem o epitélio vaginal.

Nos casos em que a paciente apresenta uma condição moderada-grave, o tratamento com estrogênio é recomendado. Se houver apenas atrofia vaginal, a opção terapêutica de escolha é a administração de estrógenos locais. No entanto, se coexistir com sintomas vasomotores que afetem a qualidade de vida, a escolha será a terapia hormonal sistêmica.

Embora a prevenção da atrofia vaginal na menopausa seja muito difícil por ser uma condição natural do ciclo biológico da mulher, podemos atenuar os sintomas o máximo possível. O mais fácil é começar adotando um estilo de vida saudável e eliminar fatores de risco, como o tabaco.

Leia também: Como usar a raiz de maca peruana para controlar os sintomas da menopausa

Outros tratamentos

Além das medidas mencionadas acima, existem outros métodos para tentar melhorar esta doença, como o tratamento a laser.

Trata-se de uma técnica minimamente invasiva que utiliza o calor para estimular a produção de colágeno nas células da região vaginal. Substitui as camadas mais secas da pele por novas células, reorganiza e equilibra os componentes da mucosa vaginal.

  • Ernesto Pérez Md Ginecólogo Obstetra, L. A., & Rojas Md, I. C. (2011). Menopausia: panorama actual de manejo M. rev. fac. med.
  • D. W. Sturdee, & Panay, N. (2010). Recomendaciones para el manejo de la atrofia vaginal postmenopáusica. International Menopause Society.
  • Palacios, S., Jesús Cancelo, M., Castelo-Branco, C., González, S., & Olalla, M. Á. (2012). Recomendaciones de la Sociedad Española de Ginecología y Obstetricia sobre la prevención y el tratamiento de la atrofia vaginal. Progresos de Obstetricia y Ginecologia. https://doi.org/10.1016/j.pog.2012.06.001