Aprendi a dizer “me amo” antes de dizer “te amo”

14 de dezembro de 2018
Conhecer, amar e respeitar a si mesmo é o primeiro passo para poder iniciar uma relação afetiva saudável. O amor próprio deve ser a base, para que assim o casal possa crescer junto.

Dizer “eu me amo” não é um ato de orgulho, e sim de amor próprio. Enquanto a primeira dimensão deriva de nossos medos e inseguranças, a segunda, o amor próprio, se nutre de uma autoestima saudável que nos permite estabelecer relações mais sadias.

Quando falamos em relações afetivas, é comum que, em algumas ocasiões, a autoestima fique quase diluída diante das necessidades e desejos do outro. Chegamos a pensar inclusive que se a outra pessoa está bem, tudo está bem.

Não é nada fácil estabelecer um limite quando falamos de amor. Caminhamos em espaços comuns onde tudo se compartilha e onde se fazem muitas renúncias pessoais a favor do próprio compromisso.

No entanto, nós nunca deveríamos renunciar ao nosso amor próprio, a nossos valores e ao equilíbrio pessoal com o qual temos que seguir para nos sentirmos bem com nós mesmos.

Flor representando a autoestima

Dizer “eu me amo” não é um ato de egoísmo, e sim de força

Certamente você já passou por isso alguma vez. Dizer algo como “eu não quero isso para mim” e ouvir de outra pessoa que “você é muito egoísta”. Longe de se sentir contrariado, esteja ciente destas explicações.

Leia também: Quando visitar um psicólogo de casal?

O amor próprio

  • O amor próprio nos permite estabelecer uma barreira de proteção para prestar atenção ao nosso bem-estar e às nossas necessidades.
  • A autoestima é uma valoração que deve ser fortalecida desde a infância. É necessário que os pais ofereçam reconhecimento, valor e individualidade à criança. Assim, ela terá uma boa autoimagem de si mesma e se sentirá segura.
  • O amor próprio nos permite dizer “eu me amo”. Porque estamos emocionalmente centrados e nos sentimos orgulhosos do que somos e do que nos define.
  • Com uma boa autoestima você será capaz de saber escutar a si mesmo. Além de entender o que lhe faz bem e o que você deveria evitar para não cair no abismo da dependência ou do sofrimento.
  • Você não precisa de aprovações externas nem que ninguém diga o que você deve fazer para ser feliz.

O orgulho

  • Uma pessoa orgulhosa idealiza a si mesma enquanto nega as suas próprias fraquezas e suas carências.
  • Busca se sentir superior aos demais como um mecanismo de defesa. Assim, esconde a sua baixa autoestima, sua insatisfação e seus problemas afetivos.
  • É comum que as pessoas orgulhosas tenham uma personalidade forte e um pouco arrogante.

Elas não dispõem de uma boa empatia e nem de um autoconhecimento adequado.

  • Elas impõem a necessidade de “serem respeitadas” quando, na realidade, são elas que não se respeitam. Não atendem a sua falta de autoestima, suas necessidades emocionais, suas atitudes defensivas e que prejudicam o entorno.
Mulher que se ama andando de bicicleta

Coisas que devemos fazer antes de iniciar uma relação afetiva

Sabemos que, em algumas ocasiões, o amor chega quando menos esperamos. Nem sempre podemos controlar por quem nos apaixonamos e por quem não. Mas, para podermos estabelecer um filtro o mais adequado possível, é necessário potencializar determinadas questões pessoais.

De acordo com um interessante artigo publicado na revista Psychology Today, as pessoas deveriam prestar atenção a estas quatro dimensões:

Menina que se ama estendendo seu coração

Compreender a si mesmo

Sabemos que soa muito filosófico, muito transcendental. Mas, conhecer a si mesmo é a única forma de saber o que nos faz felizes, e o que não queremos em nossa vida.

Há quem prefira se deixar levar, colocar nas mãos dos demais a capacidade de sermos felizes sem lembrar que a felicidade parte sempre de nós mesmos. É preciso levar isso em conta.

Aprenda a conhecer as pessoas

Sabemos que não é uma tarefa simples. Como saber se a pessoa que me atrai será capaz de construir uma relação feliz e duradoura?

  • Analise a sua maturidade emocional, a sua capacidade sincera de se conectar com você sem priorizar excessivamente a si mesmo.
  • Observe se a sua personalidade é estável, se cultiva ilusões e não rancores, se as suas exigências vulneram a autoestima de quem faz parte da sua vida.

Separe “psicologicamente” a sua família

  • Deixe de lado a aprovação constante da sua família cada vez que desejar iniciar um novo projeto ou uma nova relação.
  • A felicidade deve ser construída por você. E se em alguma ocasião renunciarmos a uma pessoa somente porque nossos pais não aprovam, iremos lamentar isso durante muito tempo.
  • Tome as suas próprias decisões. Aproveite com plenitude a sua vida e deixe que a sua família participe, mas sem precisar da sua aprovação.

E não perca: 6 valores de uma família feliz

Experimente o prazer de estar sozinho antes de ter um parceiro

  • Não se trata de estar fisicamente sozinho em cada instante, mas sim de ser livre para aprender de tudo, para nos colocarmos em muitos contextos, situações e vivências para nos conhecermos melhor e aproveitarmos a nossa solidão.
  • Quem teme estar sozinho projeta no parceiro a necessidade de cobrir este medo, torna-se controlador e constrói uma relação baseada muitas vezes no medo do abandono.

Não vale a pena. Antes de dizer “eu te amo”, é importante dizer “eu me amo”, para construir um projeto mais comprometido, mais vital e com um equilíbrio emocional adequado.

Honneth, A. (2003). Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Filosofia.

Fernandes, J. M. H. (2005). A fragilidade dos laços humanos. Revista de Ciências Humanas de Taubaté.

Dawkins, R. (1979). O gene egoísta. O Homem e a Ciência. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004

Fonseca, S. R. A., & Duarte, C. M. N. (2014). Do Namoro ao Casamento: Significados, Expectativas, Conflito e Amor. Psicologia: Teoria e Pesquisa. https://doi.org/10.1590/S0102-37722014000200002