Ácido valproico: para que serve?

18 Outubro, 2020
O ácido valproico é um medicamento vendido somente sob prescrição, indicado principalmente para o tratamento de diferentes tipos de epilepsia. No entanto, também é usado para tratar o transtorno bipolar em certas situações.

O ácido valproico é um fármaco usado principalmente para tratar a epilepsia. É indicado para a epilepsia generalizada ou parcial.

Além disso, também é utilizado para o tratamento de episódios maníacos no transtorno bipolar quando o lítio é contraindicado, não tolerado ou o paciente não responde adequadamente, como é o caso de pacientes com episódios maníacos mistos.

Vamos dar uma olhada mais de perto no que são essas duas doenças para as quais o ácido valproico é indicado.

O que é a epilepsia?

A epilepsia é uma doença crônica com episódios críticos recorrentes de convulsões epilépticas. Essas crises são descargas súbitas e excessivas, que são descontroladamente desencadeadas em um grande número de neurônios.

Essas descargas são a expressão clínica de uma alteração funcional do cérebro devido a uma desordem de neurônios corticais que produzem, ao mesmo tempo, várias descargas anormais em um ponto do sistema nervoso central (SNC).

Acredita-se também que a origem da epilepsia seja a despolarização/repolarização neuronal, ou seja, alterações elétricas da membrana dessas células. Por outro lado, existem várias hipóteses formuladas sobre as causas da epilepsia. Entre elas, podemos encontrar:

  • Altos níveis do glutamato neurotransmissor e baixos níveis de GABA (é o neurotransmissor depressivo do CNS).
  • Influências colinérgicas e monoaminérgicas.
  • Alterações na relação intra e extracelular de íons.
  • Anormalidades fetais na migração neural.
Epilepsia
O ácido valproico é um fármaco usado como parte do tratamento da epilepsia.

E o transtorno bipolar?

Como mencionamos, a principal indicação do ácido valproico é o tratamento da epilepsia. No entanto, em pacientes com transtorno bipolar nos quais o tratamento de primeira linha para a doença não faz efeito, este medicamento também é usado.

Um em cada 100 adultos sofre desse transtorno. Geralmente começa durante ou após a adolescência, e afeta tanto mulheres quanto homens.

O transtorno bipolar, como o nome sugere, envolve mudanças repentinas de humor. Essas mudanças normalmente duram várias semanas ou meses e vão além do que as pessoas saudáveis experimentam. Estas alterações são:

  • Depressões: sentimento de depressão intensa e de desesperança.
  • Mania: sentimento de extrema felicidade.
  • Misto: por exemplo, sentir-se deprimido e ao mesmo tempo ter a inquietação e o excesso de atividade de uma fase maníaca.

Os gatilhos para esta doença ainda não são totalmente conhecidos. Acredita-se que fatores genéticos estejam envolvidos, sendo mais importantes do que os fatores educacionais.

Além disso, pode haver uma desordem física no sistema cerebral que controla o humor. Isso explica que o transtorno bipolar pode muitas vezes ser controlado com medicação. Situações estressantes ou doenças físicas também podem precipitar mudanças de humor.

Leia também: Esquizofrenia infantil: tudo que você precisa saber

Mecanismo de ação do ácido valproico

Psicofármacos
O ácido valproico age aumentando a síntese de GABA e inibindo os canais de sódio e cálcio. Também apresenta outros mecanismos de ação.

Esta droga está estruturalmente relacionada ao GABA e tem múltiplos mecanismos de ação, tais como:

  • Aumentar a síntese do GABA.
  • Inibir a degradação bloqueando GABA-T.
  • Aumentar a liberação deste neurotransmissor e diminuir os níveis de aspartato.
  • Inibir canais de sódio e cálcio.

O GABA, assim como outras substâncias como a serotonina e a adrenalina, é um produto químico sintetizado no corpo e é responsável pela transmissão de sinais entre os neurônios.

Dependendo do neurotransmissor, eles transmitirão um tipo de sinal ou outro desencadeando um casamento de sinalização diferente. O GABA, quando secretado, emite sinais de inibição ou redução da atividade neural.

Descubra: Os efeitos do ômega 3 no cérebro

Reações adversas do ácido valproico

Esta droga, assim como as outras, também apresenta uma série de reações adversas que devem ser levadas em conta ao administrá-la. Dessa forma, o seu uso é limitado, pois provoca toxicidade hepática e tem efeitos colaterais. Alguns deles são:

  • Dor epigástrica.
  • Náuseas e vômitos.
  • Parkinsonismo reversível isolado.

Além disso, sua administração costuma ser acompanhada por outras drogas antiepilépticas, em pacientes epilépticos mioclônicos em ausências infantis, em espasmos na infância e na síndrome de Lennox-Gastaut (doença rara).

Conclusão

Como vimos, o ácido valproico é um medicamento que requer prescrição, indicado principalmente para o tratamento de diferentes tipos de epilepsia. No entanto, também é usado para tratar o transtorno bipolar em certas situações. Porém, deve-se ter cuidado com a sua administração, pois ele não está isento de causar reações adversas.

  • De Melo Marinho, V. (1995). ACIDO VALPROICO. Jornal Brasileiro de Psiquiatria.
  • Pediatría, asociación española. (2015). Ácido Valproico. Agencia Europea Del Medicamento (EMA).
  • Conde-Guzón, P. A., & Cancho-Candela, R. (2012). Epilepsia generalizada idiopática con ausencias típicas tratada con ácido valproico: Alteraciones neuropsicológicas. Revista de Neurologia.
  • Nanau, R. M., & Neuman, M. G. (2013, October). Adverse drug reactions induced by valproic acid. Clinical Biochemistry. https://doi.org/10.1016/j.clinbiochem.2013.06.012
  • Chateauvieux, S., Morceau, F., & Diederich, M. (2014). Valproic Acid. In Encyclopedia of Toxicology: Third Edition (pp. 905–908). Elsevier. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-386454-3.00073-7
  • Diederich, M., Chateauvieux, S., Morceau, F., & Dicato, M. (2010). Molecular and therapeutic potential and toxicity of valproic acid. Journal of Biomedicine and Biotechnology. https://doi.org/10.1155/2010/479364
  • Ghodke-Puranik, Y., Thorn, C. F., Lamba, J. K., Leeder, J. S., Song, W., Birnbaum, A. K., … Klein, T. E. (2013). Valproic acid pathway: Pharmacokinetics and pharmacodynamics. Pharmacogenetics and Genomics23(4), 236–241. https://doi.org/10.1097/FPC.0b013e32835ea0b2