Abacavir: usos e efeitos secundários

20 Dezembro, 2019
Assim como todos os medicamentos, o abacavir também pode desencadear uma série de efeitos adversos que é preciso levar em consideração na hora de ser administrado. Se você sentir qualquer um dos sintomas de uma reação alérgica, deve consultar seu médico.

O abacavir é um fármaco receitado para o tratamento da AIDS em adultos e em crianças maiores de 3 meses de idade. Sempre é administrado conjuntamente com outros medicamentos destinados ao tratamento da infecção pelo HIV.

Além disso, esse fármaco, utilizado contra o HIV, pertence ao grupo dos inibidores da transcriptase reversa, análogos dos nucleosídeos.

Por outro lado, esses medicamentos devem sua eficácia ao bloqueio de uma enzima do vírus que produz a AIDS, chamada transcriptase reversa. Ao bloquear essa enzima, que é uma proteína, esses medicamentos evitam a multiplicação do vírus e podem reduzir sua concentração no corpo.

É muito importante levar em consideração que os medicamentos contra o HIV não podem curar a doença. Além disso, tomar diariamente uma combinação desses medicamentos, adequada para cada paciente, ajuda os portadores a ter uma vida mais longa. Portanto, o regime de tratamento contra o HIV faz com que a doença se torne crônica, mas não a cura. Além disso, também reduz o risco de transmiti-la.

O que é o HIV e a AIDS?

Vacina contra AIDS

Em primeiro lugar, para poder entender como o abacavir funciona, é importante conhecer alguns aspectos básicos da indicação para a qual é utilizado: a infecção pelo HIV ou a AIDS.

Muitas pessoas confundem os termos HIV e AIDS. Portanto, é fundamental diferenciá-los:

  • O HIV, ou vírus da imunodeficiência humana, é um microrganismo que pode estar no organismo desencadeando um quadro clínico ou não. Ataca o sistema imunológico, enfraquecendo-o. Como consequência, o organismo perde pouco a pouco a capacidade de se defender de infecções ou outras doenças.
  • A AIDS, ou síndrome de imunodeficiência adquirida, é desencadeada quando uma pessoa está há muitos anos infectada pelo HIV.

Hoje em dia, a maioria das pessoas diagnosticadas precocemente com essa infecção, e tomam medicamentos contra o HIV, como o abacavir, podem ter vidas longas e satisfatórias.

Como a AIDS é transmitida?

O HIV é transmitido quando o sangue, ou fluidos corporais infectados, entram no corpo de outra pessoa. Isso pode acontecer por:

  • Manter relações sexuais.
  • Compartilhar agulhas usadas para injetar drogas ou fazer tatuagens.
  • Transmissão da mãe para o filho durante a gravidez, o nascimento ou a amamentação.

Leia também: Pesquisas desenvolvem possível método para eliminar células cancerígenas

Efeitos secundários do abacavir

Abacavir pode dar sono

Assim como todos os medicamentos, o abacavir também pode desencadear uma série de efeitos adversos que devem ser levados em consideração na hora de ser administrado.

Portanto, se você sentir qualquer um dos sintomas de uma reação alérgica, como os seguintes, deve consultar seu médico imediatamente e parar de tomar o abacavir:

  • Febre.
  • Erupção cutânea.
  • Náuseas e vômitos.
  • Diarreia e dor de estômago.
  • Sensação de mal-estar geral.
  • Falta de ar ao respirar.
  • Tosse e dor de garganta.

Acidose láctica

Além dos sintomas já mencionados, o abacavir produz um quadro clínico adverso característico chamado acidose láctica, ou acúmulo de ácido lático no sangue. Assim então, os sintomas que acompanham essa patologia são:

  • Dor e fraqueza muscular.
  • Dormência ou sensação de frio nos braços e nas pernas.
  • Também, dificuldade para respirar.
  • Dor de estômago, náuseas e vômitos.
  • Taquicardia.
  • Tonturas.
  • Fraqueza e cansaço.

Problemas hepáticos

Abacavir pode afetar o fígado

Esse antiviral também pode desencadear uma série de efeitos graves no fígado. Portanto, você deve entrar em contato com seu médico se estiver tomando abacavir e sentir algum dos seguintes sintomas:

  • Dor na parte superior do estômago.
  • Coceira.
  • Perda de apetite.
  • Urina escura.
  • Fezes com cor de barro.
  • Icterícia: pigmentação da pele e das mucosas de uma cor amarelada.

Leia também: 11 sinais de toxicidade no fígado

Outros efeitos secundários

Além dos mencionados, o abacavir também pode desencadear outros efeitos adversos como mudanças no sistema imunológico ou um maior risco de ataque cardíaco ou infarto de miocárdio.

Por outro lado, em relação às mudanças no sistema imunológico, em conjunto chamados síndrome inflamatória de reconstituição imunitária ou IRIS. Certamente, trata-se de uma condição que às vezes ocorre quando esse sistema de defesa começa a se recuperar depois do tratamento com um medicamento contra o HIV, como o abacavir.

À medida que o sistema imunológico se fortalece, pode ter uma relação mais intensa com uma infecção, desencadeando uma série de sintomas.

Conclusão

Em conclusão, o abacavir é um fármaco indicado para a infecção do HIV. No entanto, nem este nem outros fármacos antivirais são capazes, hoje em dia, de curar definitivamente essa doença. Sem dúvida alguma, o que fazem é torná-la crônica, permitindo que o paciente recupere a qualidade de vida e prolongue significativamente sua sobrevivência.

  • Cameron, P. U., & Trubiano, J. A. (2017). Abacavir. In Kucers the Use of Antibiotics: A Clinical Review of Antibacterial, Antifungal, Antiparasitic, and Antiviral Drugs, Seventh Edition. https://doi.org/10.1201/9781315152110
  • Hughes, C. A., Foisy, M. M., Dewhurst, N., Higgins, N., Robinson, L., Kelly, D. V., & Lechelt, K. E. (2008). Abacavir hypersensitivity reaction: An update. Annals of Pharmacotherapy. https://doi.org/10.1345/aph.1K522
  • Lundgren, J. D. (2008). Use of nucleoside reverse transcriptase inhibitors and risk of myocardial infarction in HIV-infected patients. AIDS. https://doi.org/10.1097/QAD.0b013e32830fe35e