9 bactérias perigosas mais prejudiciais para o ser humano

26 Novembro, 2020
Ainda que nem todas sejam mortais, há algumas bactérias perigosas que podem ser muito prejudiciais para nosso organismo e causar diferentes danos se não forem detectadas e tratadas a tempo.

No início do ano a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou a lista das bactérias perigosas mais prejudiciais para o ser humano. Dentre as publicadas se encontram aquelas que fizeram um número maior de vítimas mortais.

Saber quais são estes microrganismos, suas sintomatologias e complicações é importante para manter a nossa saúde pessoal e familiar.

A maioria dessas bactérias gera doenças que, se não tratadas, colocam a vida dos pacientes em risco.

A lista também assinala a necessidade que existe de que os laboratórios médicos gerem novos antibióticos para enfrentar cada ameaça de forma eficaz.

1. Acinetobacter baumannii, uma das bactérias perigosas e mortais

bactérias perigosas e prejudiciais

Talvez este seja o microrganismo mais resistente da atualidade. Milhares de infectados morrem todos os anos por consequência desta bactéria, que cria anticorpos resistentes aos remédios que são usados em seu tratamento.

  • Tudo começa com uma pneumonia agressiva acompanhada de uma forte infecção no trato urinário.
  • A. baumannii tem um nível de prioridade crítica e os laboratórios já começaram a focar em descobrir remédios melhores para combatê-la.

2. Pseudomonas aeruginosa

Os ataques deste patógeno são muito variados e, por vezes, é difícil de identificar.

  • Esta amostra de bactérias perigosas se relaciona com os pacientes com aids e fibrose cística.
  • Também pode originar uma simples dermatite por consumo de águas contaminadas.

Em geral, a sua periculosidade está na capacidade de se reproduzir em organismos com imunodeficiência adquirida. Além disso, causa complicações pulmonares e fortes infecções em pessoas comprometidas com outros vírus.

Veja também: Tratamentos com células tronco

3. Enterobacteriaceae

Enterobacteriaceae agrupa a uma família de microrganismos cujas doenças afetam basicamente o aparelho digestivo e excretor (ou seja, afeta o cólon, estômago e intestinos).

  • De fato, este grupo de bactérias perigosas é responsável pela gastroenterite infantil, a salmonela, a febre tifoide, a desinteria bacilar.
  • No passado tirou um alto número de vidas durante o episódio histórico da peste.
  • Além disso, muitas destas bactérias perigosas oferecem grande resistência à penicilina.

4. Enterococcus faecium

Esta bactéria consegue coexistir no intestino humano sem causar danos, mas em certas condições, pode se transformar em um agente prejudicial.

enterococcus faecium é responsável pela meningite neonatal, uma infecção que causa dor de cabeça, rigidez da nuca, fotofobia e febre.

  • Atualmente tem um nível de prioridade alto, mas não primordial.
  • O problema que apresenta é sua resistência a certos antibióticos.

5. Staphylococcus aureus

Há bactérias que podem desencadear um conjunto de infecções e problemas em vários órgãos do corpo humano. Este é o caso da Staphylococcus aureus, capaz de provocar problemas na pele, sistema respiratório e digestivo.

Dentre os quadros provocados por este microrganismo se destacam:

Além disso, a grande maioria das infecções ocorridas em centros hospitalares são atribuídas a ela.

6. Helicobacter pylori

Bactérias perigosas e prejudiciais

Esta é uma bactéria que habita exclusivamente o estomago e, em geral, infecta a mucosa gástrica, e gera inflamações. Ela pode causar as seguintes enfermidades:

  • Gastrite;
  • Linfomas;
  • Úlcera séptica;
  • Irritação de cólon;

Em alguns casos as pessoas a contraem sem desenvolver nenhum tipo de sintoma ao longo da vida. Transmite-se através da saliva, das fezes e da placa dentária.

Leia também: Tratamentos naturais para combater a helicobacter pylore

7. Campylobacter

Falamos provavelmente do maior transmissor de intoxicações alimentares a nível mundial. Dentre seus sintomas encontramos:

  • Febre;
  • Diarreia;
  • Vômitos;
  • Dor abdominal;

Em alguns casos particulares pode causar artrite ou síndrome de Guillain-Barré. Este é um agente bacteriano perfeitamente combatível com antibióticos convencionais, mas também é certo que é um dos mais comuns e perigosos.

Pode-se transmitir pelo consumo de alimentos ou água contaminada, vírus ou contato com animais portadores.

8. Salmonellae, outra das bactérias perigosas

Salmonella é uma forma de Enterobacteriaceae que produz a já conhecida infecção da salmonela.

  • O período de incubação vai de uma semana a quase um mês.
  • Os sintomas vão desde febre, vômitos, diarreia, até mal-estar estomacal.

Uma vez incubado, os sintomas podem durar até 2 meses, no pior dos casos. Pode sobreviver a longos períodos de tempo em alimentos como a manteiga, o leite e o chocolate.

9. Neisseria gonorrhoeae

Bactérias perigosas e prejudiciais

Bactérias Neisseria gonorrhoeae dentro de fagócitos, gonococos, diplococos que causam infecção sexualmente transmissível. Ilustração 3D. Fagocitose incompleta

Algumas infecções perigosas também são transmitidas por meio do contato sexualEsse é o caso particular da Neisseria gonorrhoeae.

  • Como seu nome indica, este micróbio é o causador da conhecida gonorreia.
  • Os antibióticos simples como a ampicilina e penicilina podem amenizar os efeitos desta doença quando detectada a tempo.

Faça check-up periodicamente

É recomendável que você faça um check-up anual (pelo menos) para ver como está sua saúde e se há algo que deve melhorar.

Sempre mantenha bons hábitos de vida e, em caso de persistência dos sintomas e do desconforto, consulte o seu médico o mais rápido possível. A detecção e o tratamento precoce de qualquer doença (incluindo aquelas causados ​​pelas bactérias mais perigosas que já comentamos) são vitais.

Por fim, lembre-se de evitar a automedicação, pois isso poderá causar complicações. Se você quiser tomar algum medicamento, é melhor consultar um médico antes.

  • Weinstock, G. M. (2012). Genomic approaches to studying the human microbiota. Nature. https://doi.org/10.1038/nature11553
  • Faust, K., Sathirapongsasuti, J. F., Izard, J., Segata, N., Gevers, D., Raes, J., & Huttenhower, C. (2012). Microbial co-occurrence relationships in the Human Microbiome. PLoS Computational Biology. https://doi.org/10.1371/journal.pcbi.1002606
  • Hyde, E. R., Haarmann, D. P., Lynne, A. M., Bucheli, S. R., & Petrosino, J. F. (2013). The living dead: bacterial community structure of a cadaver at the onset and end of the bloat stage of decomposition. PloS One. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0077733