7 dicas básicas para reduzir o estresse

· 13 de abril de 2014
Na maioria dos casos, o estresse surge por situações futuras que ainda não ocorreram. Reconhecer o estresse é o primeiro passo para vencê-lo.

O estresse é um problema que muitas pessoas sofrem atualmente. Relacionado ao ritmo de vida cada vez mais acelerado que levamos, esse é sem dúvidas o mal do século. Entretanto, existem práticas capazes de amenizar e, inclusive, acalmar episódios de estresse. Confira agora 7 dicas práticas para reduzir seu nível de estresse.

1. Respiração profunda x respiração superficial

Respirar profundamente pode ajudar a reduzir o estresse e proporcionar oxigênio ao cérebro, ajudando-o a se concentrar. A maioria das pessoas não sabe em que consiste a respiração profunda e acaba por respirar de forma superficial, o que pode causar hiperventilação.

Para realizar esse tipo de respiração, coloque sua mão sobre o estômago e respire de maneira normal por alguns segundos, com o corpo relaxado.

Depois, inspire profundamente e sinta seu abdômen e seu peito expandirem. Por fim, mantenha o ar nos pulmões por três segundos e, em seguida, solte-o pela boca lentamente.

Ao realizar 5 sessões de respiração profunda três vezes por dia, você reduzirá o estresse de maneira muito positiva.

Essa é uma parte integral da redução do estresse que não pode ser ignorada. E o mais importante: ao praticar esse exercício, você oferece à sua mente algo em que se concentrar. Ou seja, outras coisas que não sejam as tensões do dia a dia. Definitivamente, a respiração profunda é uma ótima distração.

Relaxamento muscular

O processo de tencionar lentamente e depois relaxar os grupos musculares de sua escolha também é muito interessante.

Desse modo, é possível alcançar dois objetivos: relaxar os músculos naturalmente, já que provavelmente eles estarão muito tensos devido ao estresse e, além disso, distrair a mente se concentrando em algo diferente.

Alongue os grupos musculares e depois tencione-os entre 5 e 10 segundos. Por fim, libere a pressão, relaxando-os. É possível repetir o exercício para os mesmos grupos musculares múltiplos, dependendo do tipo de grupo que você escolher.

Por exemplo, comece com os pés e os tornozelos, depois alongue e tencione os punhos, os braços e os ombros. Por último, o pescoço.

Na parte da manhã ou da tarde, com as costas em posição reta, cruze a perna direita por cima de seu corpo e gire o quadril de forma que seu joelho toque o chão. Repita o exercício com a outra perna. Outra opção é elevar o joelho em direção ao peito.

Conecte-se com a terra

reduzir o estresse

Sentar e divagar sobre os problemas que te estressam, com a esperança de que desapareçam sozinhos, só vai piorar as coisas. O truque está no terreno, imagine-se em uma atividade tangível que te trará de volta à realidade.

Isso fará você se sentir melhor, distraindo sua mente ao realizar tarefas concretas, sem precisar ir muito longe de casa. Por exemplo, limpar a casa, o quintal, organizar um armário, apertar uma bolinha antiestresse ou qualquer objeto no qual você possa estar focado, etc.

O que não vale é se sentir só em casa e passar o dia assistindo televisão. É preciso entrar em movimento, experimentar a natureza e o que ela nos oferece lá fora.

O pensamento de substituição

As técnicas de substituição são muito eficazes e, na verdade, funcionam apenas se soubermos como usá-las. Quando experimentar um pensamento negativo que está provocando estresse, diga a você mesmo mentalmente que “pare”.

Escreva esse pensamento para colocá-lo para fora e, em seguida, cultive um pensamento positivo alternativo. Os pensamentos alternativos devem ser simples, mas racionais, e devem proporcionar paz. Eles geralmente nos ajudam a ver as coisas de fora, de um novo ângulo.

Por exemplo, se você pensa que será despedido porque chegou atrasado em uma reunião importante, interrompa esse pensamento imediatamente e substitua-o por um pensamento mais racional, como: “Sou um ser humano e nem sempre posso predizer a situação do trânsito. Minha autoestima não depende da minha atuação como um empregado perfeito”.

Imagens guiadas

Feche os olhos e pense em um lugar seguro, que representa paz e calma. Pode ser sua casa, uma praia, um parque, ou até a presença de alguém que você ame. Imagine e abrace a experiência. Quais são os sons? Os cheiros? Cada detalhe particular daquele momento que você tanto aprecia?

Seja especifico e continue se aprofundando nos detalhes das imagens até sentir que seu nível de estresse diminuiu. Tente realizar a experiência duas vezes ao dia.

Aceite a ansiedade

Aceitar seus sintomas de estresse é o primeiro passo para reduzir o poder do problema sobre sua vida. Aceite que você também tem medos e analise os pensamentos negativos que têm te sondado. Eles representam um perigo ou apenas um incômodo?

Leia mais: Atitudes que mantêm você preso a pensamentos negativos

Na maior parte do tempo, o estresse é do tipo antecipatório, que nada mais é do que o pânico das coisas futuras, ou seja, que ainda não aconteceram.

O que não vale é deixar que o estresse te faça imaginar que existe perigo oculto em todas as partes. Esse mal cega nossos pensamentos e nos torna, na maioria das vezes, irracionais.

Pratique exercícios

reduzir o estresse

Nós já sabemos que o exercício físico libera endorfinas, que são responsáveis pelo aumento da capacidade da mente para elevar nosso estado de ânimo e fazer com que nos sintamos bem.

Leia mais: Aprender a priorizar: chave para o bem-estar psicológico

Fazer exercício  não envolve apenas atividades pesadas, sempre associadas a uma academia, que podem nos tomar três horas por dia. Mas caminhar entre 15 e 30 minutos diariamente já nos torna mais ativos.

Outros exemplos são: passear de bicicleta, uma caminha curta e rápida, jogar tênis, golfe, vôlei, frequentar aulas de yoga ou pilates, etc. Quanto mais nos mantivermos ativos, melhor nos sentiremos.

Se você é alguém viciado em televisão, suas possibilidades de aumentar seu ânimo e reduzir o estresse são quase nulas.

  • Meadows, J. (2017). Stress. In Spirit and Capital in an Age of Inequality. https://doi.org/10.4324/9781315413532