6 recomendações para tratar a cistite

· 7 de maio de 2019
Quando a cistite for grave, recomenda-se o uso de alguns fármacos. Entretanto, na maioria das vezes é possível controlar seus sintomas com alguns hábitos saudáveis.

Um dos problemas mais molestos que podemos ter é a cistite. Ela vem acompanhada de sintomas muito incômodos como vontade de ir ao banheiro a toda hora e ardor ao urinar. Esses sintomas nos impedem de exercer nossas tarefas cotidianas e nos fazem sentir doentes. Você sabe como tratar a cistite?

Este problema ocorre quando algumas bactérias conseguem proliferar nas paredes da uretra, aumentando assim sua inflamação. Apesar de que geralmente não é uma infecção grave, provoca moléstias que podem ser difíceis de tolerar sem um tratamento apropriado.

Qualquer pessoa exposta a micro-organismos ou irritantes pode desenvolver a doença. Entretanto, é mais frequente na mulher, já que a sua uretra é mais curta e propicia a passagem de micróbios ao interior do organismo. Apesar de que os sintomas melhoram em questão de dias, é útil seguir algumas recomendações para acelerar sua recuperação. Descubra conosco!

Como reconhecer uma cistite?

Mulher com dor

Algumas pacientes podem confundir as manifestações clínicas da cistite com outros tipos de infecções vaginais ou urinárias. Entretanto, quase sempre há sintomas característicos que permitem identificá-la sem muita dificuldade. Os sinais que permitem identificar uma infecção urinária são:

  • Necessidade constante de urinar
  • Dor ou ardência na região pélvica ao urinar
  • Sensação de irritação e micção reduzida
  • Sangue na urina
  • Urina turva ou com cheiro forte
  • Dor que se estende da zona lombar à região pélvica
  • Sensação de pressão na zona inferior do abdômen
  • Febre leve

Recomendações a seguir para tratar a cistite

O tratamento para tratar a cistite à vezes requer o uso de antibióticos e anti-inflamatórios. Entretanto, na maioria das vezes é possível prevenir as moléstias com algumas mudanças no estilo de vida.

1. Aumentar o consumo de água

Beber muita água ajuda a tratar a cistite

Uma das medidas imprescindíveis para tratar a cistite é garantir um consumo adequado de água e líquidos saudáveis. Apesar de que muitos ignoram, a desidratação é um dos fatores que incidem no surgimento deste e de outros problemas urinários.

Quando não há suficiente líquido, os rins reduzem as suas funções e não produzem abundante urina. Por isso, ao alterar-se o ambiente na bexiga, as bactérias se multiplicam de maneira descontrolada. Por outro lado, a passagem da urina, ajuda a transportar as bactérias ao exterior.

Recomendação:

  • Tome pelo menos 8 copos de água por dia. Se preferir, prepare sucos naturais, caldos e infusões para cumprir com este requerimento.

2. Evitar os alimentos irritantes para tratar a cistite

Apesar de que a cistite é causada principalmente pela proliferação de bactérias, algumas substâncias irritantes podem influir no seu desenvolvimento ou complicar os seus sintomas. Neste caso então, é fundamental tratar de limitar os alimentos que contenham substâncias irritativas para um tratamento efetivo.

Recomendação:

  • Limite ao máximo o consumo de álcool e cafeína. Ao mesmo tempo, tente evitar o cigarro e todo tipo de refrigerantes.

Isso talvez também te interesse: Higiene íntima: como fazê-la corretamente

3. Urinar a cada 2 ou 3 horas

Urinar a cada 2 ou 3 horas para evitar problemas

Reter a urina por muito tempo é um dos principais geradores deste tipo de infecção. Aliás, a eliminação da urina ajuda a remover as bactérias da bexiga, mantendo um pH equilibrado no sistema urinário.

Recomendação:

  • Procure ir ao banheiro a cada 2 ou 3 horas. Entretanto, se antes desse tempo sentir a necessidade, não deixe de ir. Por outro lado, tente urinar antes e depois de manter relações sexuais.

4. Cuidar da higiene íntima

Muito cuidado! Os maus hábitos de higiene íntima podem ocasionar os episódios repetitivos de cistite. Pode chegar a 80% o número de bactérias que produzem esta infecção originadas por uma limpeza incorreta da zona genital.

Recomendação:

  • Para evitar a passagem de micróbios da região anal à vagina, faça a limpeza sempre de frente para trás. Se for possível, use um chuveirinho depois das deposições e após as relações sexuais.
  • O uso de sabonetes íntimos adaptados a essa zona também é uma excelente opção. Esses produtos mantêm o pH adequado à zona vaginal, evitando assim, a proliferação de bactérias e fungos.

5. Escolha roupas íntimas de algodão para tratar a cistite

Mulher com lingerie

Apesar de que isso não pareça ser muito importante, optar por lingerie com tecidos de algodão traz muitos benefícios, entre eles, evitar a cistite. Este tipo de material é mais “respirável” e evita um ambiente propício para a proliferação de bactérias.

Recomendação:

  • Revise as etiquetas das roupas íntimas e verifique que a composição seja de mais de 90% de algodão.
  • Além disso, escolha um tamanho adequado, já que as roupas muito justas aumentam a temperatura e a umidade da região.

Não deixe de ler também: Benefícios dos mirtilos para a sua saúde

6. Consuma suco de mirtilos vermelhos

As propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias do suco de mirtilos vermelhos podem ajudar a tratar a cistite leve e também os casos recorrentes sem necessidade de medicamentos.  Apesar de que não é um produto milagroso contra os sintomas, seu consumo regula o pH da urina e facilita a eliminação das bactérias.

Recomendação:

  • Se você tiver cistite, tome suco de mirtilos 2 vezes por dia. Para prevenir, pode tomá-lo como uma opção, pelo menos 3 vezes por semana.
  • A combinação de mirtilos vermelhos com probióticos possui um resultado muito satisfatório para a prevenção e tratamento da cistite. Consulte com seu médico sobre a possibilidade de tomar probióticos para regular a microbiota de sua zona íntima.

Então, você identificou os sintomas da cistite? Sendo assim, comece um tratamento com essas recomendações. Se não melhorar em dois dias, consulte sem falta o médico.

  • Bondavalli, C., Dall’Oglio, B., Schiavon, L., Luciano, M., Guatelli, S., Parma, P., … De Luise, E. (2004). Interstitial cystitis. In Archivio Italiano di Urologia e Andrologia. https://doi.org/10.3109/15360288.2010.548850
  • Barski, D., & Otto, T. (2014). Cystitis. In Urology at a Glance. https://doi.org/10.1007/978-3-642-54859-8_45
  • Bogart, L. M., Berry, S. H., & Clemens, J. Q. (2007). Symptoms of Interstitial Cystitis, Painful Bladder Syndrome and Similar Diseases in Women: A Systematic Review. Journal of Urology. https://doi.org/10.1016/j.juro.2006.09.032
  • Borges, G., Degeneve, A., Mullen, W., & Crozier, A. (2010). Identification of flavonoid and phenolic antioxidants in black currants, blueberries, raspberries, red currants, and cranberries. Journal of Agricultural and Food Chemistry. https://doi.org/10.1021/jf902263n