6 mudanças no estilo de vida que podem aumentar em 10 anos a expectativa de vida

· 6 de dezembro de 2018
Gestos simples como prática de exercícios, bons hábitos de sono, alimentação equilibrada podem aumentar a expectativa de vida em até 10 anos.

Expectativa de vida, longevidade. Todos nos preocupamos com isso. Mas nos ocupamos o suficiente?

Você quer ter uma vida mais saudável? Fica doente facilmente? Sofre de colesterol e pressão alta? Diabetes? Gostaria de perder peso e nenhuma dieta dá resultados?

Talvez esse seja um bom momento para levar adiante pequenas mudanças em seu estilo de vida. Certamente você verá os resultados imediatamente.

Você tem capacidade para mudar sua maneira de viver e começar a ser mais saudável se quiser, alcançando longevidade.  Não espere o ano novo para mudar hábitos que prejudicam sua saúde.

Saiba como aumentar sua expectativa de vida em 10 anos, cultivando bons hábitos.

Mudanças de hábitos que ajudam a aumentar a expectativa de vida

Inclua mais vegetais e frutas em sua dieta.

Se você se alimentar bem, também se sentirá bem. É uma equação muito simples.

Muitas pessoas se sentem irascíveis, cansadas, sem vontade de fazer nada; principalmente depois de comer. A culpa muitas vezes é da comida gordurosa ou açucarada.

Acontece o contrário com frutas e verduras, melhor ainda se forem consumidas cruas.

As frutas oferecem energia para realizar as atividades diárias sem problemas. Além disso, fortalecem o sistema imunológico, reduzem os níveis de colesterol e açúcar no sangue e controlam o peso.

Consuma diariamente pelo menos dois pedaços de frutas e três de vegetais da sua preferência. Deixe o prato bem colorido!

Alimentação saudável para aumentar sua expectativa de vida

Faça exercício todos os dias

Não precisa frequentar uma academia, existem muitas maneiras de fazer exercício. Embora não tragam os mesmos resultados da academia, é um bom começo rumo a uma vida mais saudável.

Leia também: 5 hábitos para que fazer exercícios depois dos 50 não seja um problema

Exemplo de exercícios para combater o sedentarismo:

  • Suba escadas ao invés de usar o elevador;
  • Se utilizar o transporte público, o ideal é descer uma estação antes e aproveitar para fazer o restante do trajeto caminhando;
  • Use a bicicleta ou caminhe para fazer as atividades diárias, como comprar o pão ou ir à farmácia;
  • Nos sábados de manhã faça faxina ouvindo música, aproveite para dançar um pouco e queimar calorias;
  • Faça também jardinagem, lave o carro ou leve o cachorro para passear.

Use a criatividade e mova-se, porque certamente isso contribuirá à sua longevidade.

Durma

É comum ler ou ouvir que precisamos descansar oito horas por dia para repor as energias. Entretanto, essa quantidade não é tão exata e varia de acordo com o funcionamento do organismo de cada um.

A quantidade de horas pode ser seis ou sete, o importante é sentir-se descansado e recuperado de todas as atividades realizadas no dia anterior. Por outro lado, as horas que necessitamos para dormir, não serão as mesmas por toda a vida.

Fique um tempo a mais na cama durante a gravidez, no inverno ou durante as férias e aproveite para descansar. Se tiver a oportunidade tire uma soneca sem culpa no período da tarde.

Muitas empresas constataram que os empregados que dormem depois de almoçar, são mais produtivos até o horário de sair do serviço. Isso pode servir como argumento para negociar um espaço propício de descanso junto à empresa.

Dormir bem para aumentar a expectativa de vida

Escute seu corpo

Muitas vezes não nos damos conta, mas o organismo tem sua maneira própria de indicar se algo está bem ou não e essa interpretação acontece através dos sentidos e das emoções. Aprenda a decifrar o que diz o seu corpo.

A dor e a febre são sinais que todos conhecemos. Por outro lado, o cansaço excessivo e a apatia também representam sintomas de alguma enfermidade física, emocional ou psicológica.

Tente descansar mais, dedique um tempo para você mesmo e procure não deixar os problemas alheios afetar você.

Evite hábitos que levam ao estresse

O hormônio responsável pelo estresse é o cortisol; esse hormônio em nível moderado é benéfico e nos mantém alertas e dispostos.

Entretanto, o excesso desse hormônio pode trazer consequências danosas, por exemplo, acidez estomacal, úlceras, prisão de ventre, fibromialgia, pressão arterial elevada, ataques cardíacos, cefaleia e até câncer.

Não estamos exagerando, tudo isto pode ser causado por estresse em excesso e consequentemente, reduzir a expectativa de vida.

Além disso, as defesas baixam por conta do estresse e o corpo torna-se alvo fácil de vírus e bactérias.

Como reduzir o estresse e aumentar a expectativa de vida?

  • Controlando a ansiedade,
  • Evitando preocupações desnecessárias,
  • Fazendo atividades relaxantes como natação, ioga, meditação, leitura, banho de imersão,
  • Escutando música, batendo papo com amigos, entre outras ações.

Isso também pode interessar você: O elixir tibetano da eterna juventude e longevidade

Deixe de lado aos poucos, os hábitos pouco saudáveis

Praticar exercícios físicos para aumentar a expectativa de vida

Se tiver o hábito de fumar, reduza o cigarro até parar completamente. Se precisar de ajuda procure um profissional.

Evite o uso excessivo de álcool, entretanto, meia taça de vinho no jantar diariamente não fará mal.

Leve sanduíches naturais, frutas e refeições preparadas em casa para o trabalho, desse modo evitará o consumo de comidas rápidas diariamente.

Mesmo que passe a maior parte do tempo trabalhando na frente do computador, não se esqueça de fazer pequenas pausas para alongar-se e descansar o corpo e a mente. Faça caminhada diariamente.

Substitua a farinha branca pelas integrais e o açúcar refinado pelo açúcar mascavo ou demerara.

Evite comer frituras todos os dias, opte também pelos alimentos cozidos.

Comprometa-se para mudar sua vida para melhor. E então, espere os resultados!

As dicas foram úteis pra você? Sendo assim, continue lendo nossos artigos com mais sugestões para a sua saúde e bem estar.

SCHWARTZMANN, L. (2003). CALIDAD DE VIDA RELACIONADA CON LA SALUD: ASPECTOS CONCEPTUALES. Ciencia y Enfermería. https://doi.org/10.4067/S0717-95532003000200002