6 hábitos para alcançar a maturidade emocional

Sermos conscientes de nossos pontos fracos e daquilo que não gostamos em nós mesmos nos permitirá reconhecer nossas emoções com mais facilidade e assim ter uma maior maturidade emocional.
6 hábitos para alcançar a maturidade emocional

Última atualização: 08 Junho, 2021

A maturidade emocional revela a evolução vital de uma pessoa. Ao longo de sua vida, ela experimenta um caminho interior e fornece um crescimento pessoal. A maturidade emocional permite que você gerencie suas emoções com de forma eficaz, além de aprender a estar ciente delas.

Portanto, o nível de maturidade de uma pessoa é observado, em parte, na resposta que ela oferece nos diferentes eventos do cotidiano. A maturidade emocional evita sofrimento desnecessário. É a capacidade de enfrentar os desafios diários da vida, como problemas, amizade, amor, família ou objetivos.

Por exemplo, quando uma pessoa vive um amor não correspondido, existem duas opções. A primeira é tomar a decisão de esquecer aquela história e virar a página, aceitando a situação, e a outra, continuar alimentando aquele estado de preocupação até que se torne crônico. A primeira opção, a de aceitação, mostra maturidade emocional.

Hábitos para alcançar a maturidade emocional

Para atingir a maturidade emocional, é importante focar no presente. Você não deve se amarrar ao que te faz sofrer, aprenda a aceitar os problemas e aceitar os erros. Você pode mudar tudo o que não gosta em você e adotar novos hábitos que te permitam ser uma pessoa melhor.

A seguir vamos mostrar 6 hábitos, e se você os colocar em prática todos os dias, talvez possa atingir a maturidade emocional.

hábitos para alcançar a maturidade emocional
A visualização positiva é uma forma de meditação que contribui para uma boa saúde mental. Recomenda-se reduzir os pensamentos negativos em tempos de crise.

1. Pratique a atenção plena para atingir a maturidade emocional

O mindfulness é uma prática excelente que nos iniciará à atenção plena. Isso nos permitirá estar cientes de nossos pensamentos e sentimentos. Dessa forma, você pode começar a gerenciá-los de uma maneira muito mais inteligente.

Pesquisas como a publicada em 2016 na revista Emotion confirmam isso. Ela examina associações entre dinâmica emocional e o mindfulness em uma amostra de 390 alunos de Cingapura. Os participantes foram solicitados a relatar suas emoções até 19 vezes por dia durante 2 dias.

Os resultados mostraram que a atenção plena foi negativamente correlacionada com a variabilidade, instabilidade e inércia do afeto negativo e positivamente com a mudança do afeto negativo para o positivo. Isso significa que o mindfulness promove padrões adaptativos de experiências emocionais na vida diária, ao mesmo tempo que inibe comportamentos não adaptativos.

Assim, com o mindfulness você pode aprender, entre outras coisas, a não julgar com antecedência e a ser mais observador. A maturidade emocional se baseia em não reagir impulsivamente a nenhum estímulo, mas em se dar alguns minutos para pensar em como responder da maneira correta.

2. Começar a aprender com os erros

Não assumir a responsabilidade pelos nossos próprios atos e impor a culpa dos mesmos aos demais não é assumir os erros e nem aprender com eles.

Errar não é negativo. De fato, podemos aprender com nossos erros. Por isso, é importante não escapar deles, mas sim acolhê-los e tomá-los como um impulso para fazer melhor da próxima vez. Não poderemos alcançar a maturidade emocional se não assumirmos a responsabilidade por todos e cada um de nossos fracassos.

3. Tenha um diário de emoções

Pense bem no que vai escrever!

Conhecermos a nós mesmos é muito importante, mas parece que nunca temos tempo. Por isso, é melhor ter um diário de emoções! O ideal é que cada noite, antes de deitar, você dedique um tempo a escrever nesse diário tudo que experimentou durante o dia.

O que aconteceu que fez com que você se sentisse tão feliz? Como você se sentiu quando lhe deram aquela notícia? De que maneira você respondeu a aquele insulto? Refletir sobre estas perguntas e outras mais irá ajudá-lo a se conhecer melhor.

4. Contar até 5 antes de agir

Ainda que pareça uma besteira, o diário de emoções pode nos ajudar a ser conscientes de que devemos pôr este exercício em prática. Não importa a situação na qual nos encontremos, muito menos se as emoções que surgem são positivas ou negativas.

No momento em que pensamos antes de agir, muitas coisas mudam.

5. Pratique o desapego para alcançar a maturidade emocional

Às vezes nos apegamos a coisas, pessoas, ideias ou situações que não são boas e nos prejudicam. Isso não é maturidade emocional, muito pelo contrário.

No entanto, ninguém nos ensina a praticar o desapego, algo que é muito saudável, mas que não é fácil. É importante não se apegar e comeceçar a soltar.

6. Para que serve a reclamação?

hábitos para alcançar a maturidade emocional

A reclamação se instalou em nossa sociedade como se fosse um vírus. A maturidade emocional nos ensina que temos que ser consequentes, mas também aceitar aquilo que vem e que não podemos mudar.

O passado, por exemplo, é algo que trazemos constantemente ao nosso presente, mas, isso ajuda em algo? Muito pelo contrário: causa uma grande infelicidade.

Como você pode observar alcançar a maturidade emocional é possível. Se você seguir esses passos, será mais provável que tenha sucesso, mas em qualquer caso, recomendamos consultar um terapeuta ou psicólogo se achar que precisa de ajuda externa.

Pode interessar a você...
5 sinais de maturidade emocional
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
5 sinais de maturidade emocional

Em termos práticos, em que se destacam as pessoas emocionalmente maduras? A seguir contaremos os 5 sinais de maturidade emocional que as caracteriz...



  • Moore, D. (2010). 7 Steps to emotional maturity. https://doi.org/10.1080/10610278.2015.10986397
  • Hyatt, L. L., Hyatt, C. B., & Hyatt, J. C. (2007). Effective leadership through emotional maturity. Academic Leadership. https://doi.org/10.1207/s15326985ep4104
  • Saxenian, H. (1958). Criterion for emotional maturity. Harvard Business Review. https://doi.org/http://web.b.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/pdfviewer?sid=f8286263-d098-40b0-84e0-83554ec3701d%40sessionmgr111&vid=1&hid=117, retrieved on 14 April 2014
  • Keng, S. L., & Tong, E. M. (2016). Riding the tide of emotions with mindfulness: Mindfulness, affect dynamics, and the mediating role of coping. Emotion, 16(5), 706.