6 formas de saber se há placas na garganta

19 Dezembro, 2019
Você já teve alguma vez incômodos na garganta e não soube com segurança se se tratava de placas? A seguir comentaremos mais a respeito.
 

Um dos sintomas mais comuns de infecção na garganta é a presença de placas. Agora, como podemos detectá-las e o que podemos fazer em casa para eliminá-las?

Em alguns casos, a placa na garganta pode aparecer como resultado de faringite aguda, de acordo com este estudo realizado em um documento de consenso médico na revista Primary Care. Nesses casos, é purulenta e pode ocorrer com vários desconfortos, como febre, dificuldade para engolir, dor de garganta, entre outros.

É essencial consultar um médico para uma avaliação e diagnóstico. Então, uma vez que você tenha conhecimento do tratamento mais adequado, será essencial segui-lo e, ao mesmo tempo, melhorar os hábitos de vida. Assim, a placa desaparecerá.

Possíveis sinais de que há placas na garganta

Vejamos quais são os sintomas que geralmente indicam a presença de placa na garganta.

1. Dor e dificuldade para engolir

Dor de garganta pode ser sintoma de placa

A dor pode ser intensa e costuma ser mais incômoda no momento da deglutição. Começa com uma leve coceira e vai aumentando até dificultar para comer, beber ou engolir saliva.

Caso se trate de uma infecção bacteriana, as placas serão muito numerosas e a dor penetrante e incômoda. Neste caso, é necessário seguir um tratamento com antibióticos receitados pelo médico.

 

Veja também: 5 melhores remédios caseiros que te ajudarão a desinflamar as amigdalas.

2. Dor de ouvido

No caso de uma infecção viral, você poderá sentir dor na mandíbula e na cabeça, devido à inflamação dos ouvidos , conforme afirma este estudo feito pela Clínica Las Condes (Chile). Para tratá-la, os antibióticos não serão eficientes. Portanto, antes de medicar, é importante consultar um médico para que ele prescreva o medicamento mais adequado.

Mulher com mau hálito

3. Mau hálito

O mau hálito também pode ser um sinal de que há placas na garganta. Normalmente não ocorre em todos os casos, mas é comum nos casos de infecção por estreptococos. Isso é afirmado por esta pesquisa realizada pelo Centro de Saúde Coronel de Palma em Móstoles (Madri).

4. Examine os gânglios do seu pescoço

Os gânglios linfáticos prendem e destroem os germes que se localizam na área da garganta. Se você tiver faringite estreptocócica, doerão ao contato quando estiverem inflamados, de acordo com este estudo realizado pelo Instituto Nacional de Pediatria.

Use a ponta dos seus dedos para explorar a área em frente a sua orelha e mova os dedos com movimentos circulares atrás da orelha. Examine a área do seu pescoço debaixo do queixo, assim é comum encontrar gânglios linfáticos inflamados.

 

Examine também debaixo da mandíbula, no meio do caminho entre o queixo e a orelha. Mova os dedos do centro do pescoço até atrás e em direção à orelha. Toda a área dos gânglios linfáticos pode estar inflamada devido à infecção e à placa na garganta.

5. Pontos vermelhos na língua

Mulher com placa na garganta

As pessoas com faringite estreptocócica frequentemente têm uma cobertura granulosa de pequenos pontos vermelhos na língua, próxima à garganta. Podem ser de cor vermelho-claro ou escuro e podem estar inflamados, de acordo com esta informação obtida da Clínica Mayo.

6. Examine as suas amídalas

Geralmente causa uma inflamação nas amídalas. Estas terão uma cor vermelha mais viva do que a habitual e estarão maiores. Também poderão estar cobertas de manchas brancas ou amarelas.

A placa na garganta pode ter uma origem viral. Você deve consultar o seu médico assim que notar o primeiro desconforto durante dois ou três dias seguidos e se a dor não melhorar.

Leia também: Bebidas quentes e frias para aliviar a dor de garganta.

O que podemos fazer?

Além de seguir as instruções do seu médico, será essencial que você mantenha bons hábitos em casa para se curar.

 
  • Mantenha uma boa higiene bucal.
  • Use enxaguatório bucal e faça gargarejos para aliviar o desconforto.
  • Evite compartilhar instrumentos de higiene pessoal, copos, utensílios de cozinha etc.
  • Ventile a sua casa diariamente por pelo menos 10 minutos.
  • Evite o uso de remédios caseiros sem a autorização do médico.
  • Font, E. (2001). Faringitis y amigdalitis . Tratamiento etiológico y sintomático. Ambito Farmaceutico.
  • Couloigner, V. (2010). Amigdalitis. EMC – Tratado de Medicina. https://doi.org/10.1016/S1636-5410(10)70503-1
  • Wahba, N. M., Ahmed, A. S., & Ebraheim, Z. Z. (2010). Antimicrobial Effects of Pepper, Parsley, and Dill and Their Roles in the Microbiological Quality Enhancement of Traditional Egyptian Kareish Cheese. Foodborne Pathogens and Disease. https://doi.org/10.1089/fpd.2009.0412
  • Longaray Delamare, A. P., Moschen-Pistorello, I. T., Artico, L., Atti-Serafini, L., & Echeverrigaray, S. (2007). Antibacterial activity of the essential oils of Salvia officinalis L. and Salvia triloba L. cultivated in South Brazil. Food Chemistry. https://doi.org/10.1016/j.foodchem.2005.09.078