5 dados sobre os miomas uterinos

· 3 de junho de 2017
Mesmo que possam não ser perigosos, sempre é bom procurar realizar revisões ginecológicas frequentes para obter um diagnóstico precoce, assim como um tratamento adequado para os miomas uterinos

Os miomas uterinos são massas anormais de tecido muscular que se formam na superfície da matriz e, raramente, no colo do útero.

Sua presença costuma ser alarmante para as mulheres diagnosticadas, mas somente 0,5% chegam a desenvolver-se por células cancerígenas. 

Isso quer dizer que, mesmo que possam ocasionar incômodos ginecológicos, raramente representam um risco de câncer no sistema.

No entanto, é uma condição na qual se deve prestar muita atenção, dado que pode interferir na saúde reprodutiva e hormonal.

Sociedade Espanhola de Ginecologia e Obstetrícia (SEGO) assegura que cerca de 70% das mulheres podem ter este problema em algum momento de suas vidas. 

Some a isso, o fato das mulheres não costumarem se informar a respeito e de apenas descobrirem a doença quando já tenha passado muito tempo.

Por esta razão, no artigo de hoje queremos compartilhar 5 dados relevantes que toda mulher deve conhecer sobre seu desenvolvimento.

Descubra-os!

1.  O que é um mioma uterino?

Mioma uterino

Os miomas uterinos são um tipo de tumor benigno que aparece, principalmente, depois dos 20 anos de idade.

Conhecidos também como leiomiomas ou fibromiomas, são pequenas massas de tecido, de aspecto redondo, cujo tamanho pode ser microscópico, mas também grande.

Seu aparecimento está relacionado com fatores genéticos e hormonais e, infelizmente, é uma das causas de infertilidade na mulher.

Leia também: 7 hábitos “inocentes” que te causam desequilíbrios hormonais

2. Quais são os tipos de miomas uterinos?

Os miomas se classificam em quatro tipos, de acordo com a localização que tenham na matriz.

Mioma submucoso

  • São aqueles que se formam justo abaixo do miométrio, ou seja, do revestimento que protege a parede interior do útero.
  • Pode se estender até a parte interna da cavidade uterina e, quando aumenta de volume, chega a ocupar grande parte desta.

Mioma subseroso

  • Este tipo de massa se forma justo abaixo da serosa, uma capa que recobre a parte externa do útero.
  • Seu aparecimento faz com o útero adquira um aspecto nodular.

Mioma pediculado

  • Estes miomas são do tipo subserosos, mas, diferentemente dos anteriores, crescem e acabam se desprendendo da matriz, ficando presos em um fino cordão conhecido como pedículo.
  • Este tipo de tumor pode crescer para dentro da cavidade uterina ou para fora.

Mioma intramural

  • São massas que se formam dentro da parede muscular do útero e, quando aumentam de volume, podem distorcer tanto a parede externa como a interna deste órgão. 

3. Quais são os sintomas dos miomas uterinos?

Mulher com dor abdominal por causa de miomas

Mesmo que, em muitos dos casos, seja uma doença de difícil detecção pela falta de sintomas, mais da metade das mulheres afetadas pode experimentar mudanças que alertam sua presença. 

Entre eles cabem destacar:

  • Sangramentos menstruais abundantes e irregulares.
  • Inflamação e dor na parte baixa do ventre.
  • Aumento repentino de peso.
  • Dificuldades para engravidar.
  • Gravidez e partos de alto risco.
  • Dor durante o coito.
  • Mudanças nos hábitos de urina.
  • Lombalgias.

4. Como os miomas uterinos afetam à fertilidade?

Uma das principais preocupações entre as mulheres diagnosticadas com esta condição são as consequências que trazem para a sua saúde reprodutiva.

Quando os tumores alcançam um tamanho significativo, é provável que afetem a fertilidade, ou mesmo, compliquem a gravidez.

O risco de ficar infértil varia em cada caso, quase sempre de acordo com a quantidade, o tamanho e a localização que tenham no útero.

Os miomas aumentam de tamanho pela atividade dos estrogênios e, dado que durante a gravidez predomina a progesterona, é possível realizar um tratamento para conceber.

No entanto, saiba que sua presença aumenta o risco de aborto no primeiro trimestre de gestação e pode adiantar o parto quando a gravidez já está avançada.

Hoje, a miomectomia é uma das opções mais válidas para aquelas que, em sua idade reprodutiva, querem engravidar.

5. Quais são os tratamentos para os miomas uterinos?

Moça consultando sobre mioma uterino

Muitas das mulheres que são diagnosticas com esta condição pensam que a única solução para combater os miomas são as intervenções cirúrgicas.

No entanto, é importante saber que não é o único tratamento e, de fato, quando são muito pequenos, a cirurgia não é necessária.

  • Em geral, as massas pequenas são tratadas com um tratamento farmacológico receitado pelo profissional médico.
  • Se estes não responderem e os miomas aumentarem de tamanho, a cirurgia se faz necessária.
  • Nestes casos realiza-se uma miomectomia, a qual foca-se na eliminação dos fibromas sem afetar o útero.
  • Quando existem complicações, pratica-se uma histerectomia, no qual se faz uma extirpação parcial ou total do útero.
  • Muitos especialistas recomendam um tratamento com acetato de ulipristal (AUP), um modulador de progesterona que reduz a presença destes tumores no útero.

A atenção aos sintomas e as contínuas revisões ginecológicas são determinantes para conseguir um diagnóstico oportuno desta doença.

Mesmo que não seja sempre grave, é bom consultar o médico para analisar de forma detalhada.