Hábitos que criam desequilíbrios hormonais

31 de março de 2017
Existem muitas atividades cotidianas que parecem inofensivas mas que, sem nos darmos conta, podem estar causando desequilíbrios hormonais que afetam a saúde.

Os hormônios desempenham um papel muito importante em todo o nosso organismo, visto que são os encarregados de regular a maioria das funções dos sistemas principais. Por isso, é preciso ficar atento aos desequilíbrios hormonais.

São transmissores químicos secretados pelas glândulas endócrinas, cuja atividade estimula o desenvolvimento das células e alguns processos cognitivos.

Inclusive, participam de forma direta no metabolismo, no crescimento e nas funções sexuais, por isso mantê-los em equilíbrio é essencial para o bem-estar.

O problema é que tendem a apresentar algumas alterações, visto que alguns fatores interrompem sua produção ou atividade.

Por conseguinte, são desencadeadas reações negativas no corpo que, se não forem controladas, podem originar muitas doenças.

O mais preocupante é que muitos não sabem que alguns hábitos cotidianos e aparentemente “inocentes” estão relacionados ao risco deste tipo de desequilíbrios.

Descubra-os a seguir!

Fatores que podem levar a desequilíbrios hormonais

1. Dormir mal

mulher-com-insonia

Ter algum tipo de transtorno de sono ou dormir menos do que as horas adequadas aumenta de forma considerável o risco de problemas hormonais.

Está comprovado que há uma estreita relação entre o ciclo do sono e a secreção de alguns hormônios importantes, especialmente nas mulheres.

Os desequilíbrios relacionados com este problema podem inclusive afetar o humor, os níveis de açúcar no sangue e o peso corporal.

Veja também: As melhores plantas para dormir a noite inteira

2. Manter uma dieta pobre em gorduras

Eliminar todas as fontes de gordura da dieta é um dos piores erros que podemos cometer quando estamos buscando perder peso.

Apesar das gorduras oferecerem uma quantidade significativa de calorias, não é correto pensar que todas prejudicam o corpo.

As gorduras saudáveis, como os ácidos graxos ômega 3, controlam os processos inflamatórios e facilitam a regulação dos hormônios como o estrogênio e a progesterona.

Limitar seu consumo aumenta o risco de sobrepeso, além de transtornos como os períodos menstruais irregulares e os cistos.

Este tipo de nutriente pode ser obtido em:

  • Peixes azuis
  • Abacate
  • Azeite de oliva
  • Oleaginosas
  • Sementes

3. Ser uma pessoa sedentária

sedentarismo

A inatividade física ou sedentarismo tem muito a ver com os desequilíbrios hormonais que afetam tanto os homens quanto as mulheres.

O exercício físico estimula a liberação de endorfina, um tipo de substância química liberada no cérebro para promover a sensação de bem-estar e aumentar os níveis de energia.

Além disso, tem muito a ver com o controle dos hormônios sexuais, já que favorece sua atividade para manter o desejo sexual.

4. Abusar dos alimentos processados

As carnes processadas e outros alimentos industrializados são deliciosos e podem dar um toque muito especial a algumas refeições.

O inconveniente é que estão cheios de substâncias químicas adicionadas que, com o tempo, causam desequilíbrios hormonais, assim como problemas metabólicos e câncer.

Seu consumo se relaciona com o aumento dos níveis de cortisol, uma substância química associada ao estresse, à depressão e à irritabilidade.

5. Usar muito desinfetante para as mãos

desinfetante-para-maos

Parece exagerado, mas está comprovado que o uso excessivo de desinfetantes para as mãos pode causar reações adversas.

Enquanto muitos pensam que é um hábito saudável de higiene, este altera o equilíbrio entre as bactérias saudáveis e as ruins, e debilita o sistema imunológico.

Por outro lado, seus compostos químicos estão relacionados com o risco de inflamação e descontrole da atividade de alguns hormônios.

Principalmente compostos como o triclosan desequilibram os níveis de estrogênio e afetam a função dos hormônios da tireoide.

6. Fazer atividade física em excesso

Todos os extremos são prejudiciais; e a prática excessiva de exercício físico não é uma exceção.

Enquanto o sedentarismo causa estragos na saúde, a atividade física excessiva também traz consequências negativas.

Passar muitas horas na academia ou fazer atividades de alto impacto físico aumenta os níveis de cortisol; o hormônio vinculado ao estresse.

Além disso, com o passar do tempo isso interfere nos hormônios que regulam o ciclo menstrual e a fertilidade.

Recomendamos ler: Rotina de exercícios simples para aliviar o estresse e melhorar o humor

7. Consumir alimentos enlatados

alimentos-enlatados

Os alimentos enlatados parecem ser uma opção de alimentação rápida e saudável, mas na realidade não são.

Em suas embalagens foram encontradas substâncias químicas como o BPA, relacionadas com vários tipos de descontroles hormonais e doenças.

Além disso, são produtos ricos em substâncias químicas como os conservantes que, consumidos em quantidades excessivas, também causam consequências negativas.

Evitar ao máximo estes hábitos é fundamental para diminuir o risco de desenvolver doenças associadas aos problemas hormonais.

É conveniente consultar um médico em caso de qualquer anormalidade.

Visto que sua detecção precoce é importante para evitar maiores complicações.

  • Beserra, M. R., de Araújo Schiavini, J., Rodrigues, W. C., & Pereira, C. D. S. S. (2012). O Bisfenol A: sua utilização e a atual polêmica em relação aos possíveis danos à saúde humana. Revista Eletrônica TECCEN5(1), 37-46.
  • González, G. L., Pérez, R. L. T., Hernández-Sánchez, C., Armendáriz, C. R., Gironés, C. R., Fernández, A. G., … & de la Torre, A. H. (2011). Toxicidad del Bisfenol A (BPA): migración desde los envases a los alimentos. Aula de la farmacia: revista profesional de formación continuada7(87), 58-65.
  • Peluso, M. A. M. (2003). Alterações de humor associadas a atividade física intensa (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).
  • Campos, H. H. D., Bittencourt, L. R. A., Haidar, M. A., Tufik, S., & Baracat, E. C. (2005). Prevalência de distúrbios do sono na pós-menopausa. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia.