Conheça alguns usos medicinais do gengibre

· 31 de maio de 2014
O gengibre dá um toque muito especial a todos os pratos. Por ser um pouco forte, devemos ter cuidado para não exagerar na quantidade.

O gengibre é uma planta de origem indo-chinesa, que atualmente se cultiva em regiões tropicais. Há diversas espécies, sendo as melhores as que provêm da Índia, Jamaica e Austrália. Mas, para muito além disso, são inúmeros os usos medicinais do gengibre.

Há centenas de anos ele é usado não apenas na gastronomia, mas também para tratar diversos problemas. Conheça algumas vantagens de consumir gengibre, a planta “do jardim do Éden”.

Usos medicinais do gengibre internamente

Favorece as funções do aparelho digestivo

Essa é uma das funções mais populares do gengibre. Ele estimula o pâncreas, aumentando a produção de enzimas que intervêm na digestão, evitando a má digestão e a má absorção dos alimentos.

Ajuda a prevenir problemas intestinais

Devido ao seu poder antibacteriano evita alterações na flora intestinais.

É um anti-histamínico muito eficaz

Dentre os usos medicinais do gengibre o encontramos como um dos melhores remédios para combater as náuseas com diferentes causas.

Por exemplo, para as náuseas durante uma viagem (barco, ônibus etc.) e trajetos longos; para os enjoos que ocorrem depois da quimioterapia; para as mulheres grávidas em seus primeiros meses de gestação (não é um tratamento que deve ser muito prolongado neste caso) e para os vômitos pós-operatórios.

Leia também:7 anti-histamínicos naturais para aliviar as alergias

são muitos os usos medicniais do gengibre

Tratar úlceras

Além de tratá-las, também as previne. Devido ao seu poder antibacteriano, elimina a bactéria Helicobacter Pylori que segrega amoníaco. O gengibre é um excelente remédio natural para a gastrite  e para neutralizar o excesso de ácido gástrico.

Reduz a diarreia e a prisão de ventre

Elimina bactérias ou microrganismos prejudiciais como a E. Coli que causa diarreia em crianças, assim como também a gastroenterite. Aumenta, por sua vez, o peristaltismo intestinal, por isso favorece a expulsão das fezes, em casos de prisão de ventre.

Previne doenças cardíacas

Como os ataques cardíacos, trombose, angina de peito e coágulos.

Favorece a boa circulação nas extremidades

Eliminando a dor nas pernas, principalmente os sintomas nos dedos da mão causados pela doença de Raynaurd.

Não deixe de conferir: 13 razões para usar gengibre diariamente

Um dos usos medicinais do gengibre é no favorecimento da circulação sanguínea

Ajuda na regeneração dos tecidos

Em caso de congelamento dos membros ou feridas.

É útil contra os sintomas da gripe

O gengibre serve para baixar a febre, melhorar a congestão nasal e, além disso, as dores nas articulações causados pelo estado gripal.

No caso dos resfriados, elimina a pressão no peito pelo acúmulo de mucosidade. O mesmo ocorre para os que sofrem com a sinusite ou nariz congestionado.

Trata a fadiga crônica

Outro dos usos medicinais do gengibre pode ser para tratar um problema muito frequente: a Síndrome da Fadiga Crônica, onde a pessoa sempre está cansada ou sem forças, mesmo que descanse bastante.

É um potente anti-inflamatório e analgésico

Serve nos casos de artrite, artrose ou dores nas articulações, assim como as inflamações por colisões. Ameniza a dor e desinflama. Além disso, também serve para os que sofrem com a síndrome do túnel do carpo.

Usos externos do gengibre

Para a dor de dentes

Se aplica diretamente sobre a mandíbula um pouco do líquido do chá de gengibre ou, ainda, se mastiga uma rodela bem fina.

Elimina o mau hálito

Para tratar a halitose, há muito tempo se usa o gengibre. Esta técnica oriental refresca a boca depois da comida e como aumenta a produção da saliva pode servir para os que têm sempre a boca seca.

jengibre5

É um potente afrodisíaco

É capaz, segundo dizem, de estimular o desejo sexual e aumentar os níveis de libido, tanto em homens como mulheres. Pode ajuda quem tem problemas de ereção.

Como consumir o gengibre?

Para aproveitar todas estas propriedades medicinais do gengibre, é preciso saber as diferentes maneiras de consumi-lo. Ainda que alguns tratamentos requeiram um consumo específico, na maioria das vezes pode-se fazer como cada pessoa prefere, mais simples ou mais elaborada.

Dependendo da doença podem ser feitas, por exemplo, infusões do tubérculo fresco ou seco, cataplasmas, batidas, fricções, óleo essencial etc.

Também pode-se usar com outras plantas medicinais para poder potencializar suas vantagens e conseguir melhores resultados.

jengibre6

No caso da raiz do gengibre se consome fresca acompanhando os seguintes passos:

  • Primeiramente, lave bem e descasque.
  • Em seguida, rale ou pique a polpa para poder adicionar a ensopados, molhos, sopas (geralmente se usa nestas receitas).
  • Você também pode molhar a raiz seca na água, caldo ou suco e adicioná-la em receitas.

Outras formas de consumo

Se você gosta, o gengibre pode acompanhar o sushi ou outros pratos orientais.

O vinagre é usado para deixar a raiz de molho. Também em conserva, tratado com açúcar, sal e vinagre ou azeite.

Além disso, você também pode consumir a raiz do gengibre, por exemplo, moída com doces, curry, cozidos, sobremesas e molhos. E, por fim, cristalizada, cozinhando por 30 minutos em água. Para isso:

  • Escorra e em uma panela coloque para ferver com três colheres de água e açúcar em quantidades iguais.
  • Cozinhe até que o líquido evapore.

Uma das alternativas mais frequentes para consumir o gengibre é em infusão. Seu sabor é um pouco picante. Você precisará de aproximadamente 8/5 gramas desta planta, 700 ml de água e um adoçante a gosto (como por exempo a stévia, mel, xarope de agave ou açúcar mascavo).

  • Primeiramente, lave e escorra bem;
  • Em seguida, descasque e corte em rodelas finas;
  • Por fim, coloque a água para ferver e coloque o gengibre por alguns minutos.

Outra opção é colocar a raiz em um recipiente e depois colocar a água fervente e cobrir, deixando por 5 minutos.

Em quaisquer dos casos, você deverá coar depois. Muitos adicionam rodelas ou suco de limão nos casos de resfriados. E, por fim, para casos pontuais, pode-se usar o gengibre cru ou macerado.    

Imagens cortesia de Crystal, Delphine Ménard, Tony Hisgett, Scot Nelson, Stan Dalone & Miran Rijavec, Chandrika Nair e Mararie.

  • Dabague, I. C. M., Deschamps, C., Mógor, A. F., Scheer, A. P., & Côcco, L. (2011). Teor e composição de óleo essencial de rizomas de gengibre (Zingiber officinale Roscoe) após diferentes períodos de secagem. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, 13(1), 79-84.
  • Lima, A., SERRA, L., CAMPOS, T., & CAVALCANTE, N. (2014). Gengibre (Zingiber officinale roscoe), propriedades bioativas e seu possível efeito no diabetes tipo 2: estudo de revisão. Saúde em Foco, 1(2), 15-25.
  • Lima, E. D. O., Farias, N. M. P., Souza, E. L., & Santos, B. H. C. (2003). Propriedades antibacterianas de óleos essenciais de plantas medicinais. Rev. bras. ciênc. Saúde, 7(3), 251-258.