Tratamento da síndrome de Tourette

14 Novembro, 2020
A síndrome de Tourette é uma patologia complexa que causa movimentos ou sons involuntários e repetitivos. Não há cura, mas existem diferentes formas de tratamento. Vamos explicá-las a seguir.

O tratamento para a síndrome de Tourette não é um tema comum, pois esse distúrbio neurológico afeta 1 em cada 100 pessoas. É caracterizada pelo aparecimento de tiques (distúrbios involuntários compulsivos) que evoluem para movimentos repetitivos ou sons indesejados.

Esta doença tem um grande impacto na vida de quem a sofre, podendo influenciar os aspectos sociais e laborais. Infelizmente, ainda não há cura. No entanto, existem diferentes métodos e abordagens que melhoram a situação. Nós vamos explicá-los a seguir.

O que é a síndrome de Tourette?

A síndrome de Tourette, como acabamos de mencionar, consiste no aparecimento de movimentos ou sons involuntários que não podem ser controlados. Na maioria dos casos, essa patologia começa a se manifestar na infância ou na adolescência, antes dos 15 anos.

A causa desse distúrbio é desconhecida. Acredita-se que fatores genéticos e ambientais desempenhem um papel. Na verdade, é mais comum em pessoas com um histórico familiar, e aparece mais em homens do que em mulheres.

Os tiques são movimentos ou sons curtos e repentinos. Eles são classificados como simples ou complexos. Os primeiros são aqueles que envolvem pequenos grupos musculares, como piscar. Os complexos, por outro lado, incluem mais grupos musculares.

Muitas pessoas identificam a síndrome de Tourette como a condição que desperta palavrões ou xingamentos em horários inadequados e não controlados. No entanto, as manifestações podem ser muito variadas e não precisam incluir esse sintoma.

O que é a síndrome de Tourette?
Os movimentos involuntários dos tiques são o sinal clássico da síndrome de Tourette.

Tratamento médico para a síndrome de Tourette

Muitas pessoas não necessitam de tratamento para essa patologia, pois em alguns casos os sintomas são leves e não influenciam o dia a dia. No entanto, eles também podem ser incapacitantes, portanto, diferentes maneiras de aliviar os tiques foram descobertas. Uma delas é por meio de medicamentos.

Um artigo de revisão publicado no National Institute of Neurological Disorders and Stroke afirma que certos neurotransmissores, como a dopamina, estão envolvidos no desenvolvimento desta patologia. Portanto, um tratamento médico para a síndrome de Tourette envolve medicamentos que bloqueiam ou reduzem a dopamina.

Por exemplo, o haloperidol e a risperidona são medicamentos que costumam ser prescritos. Eles parecem ajudar a reduzir os tiques, embora representem um alto risco de efeitos colaterais, como ganho de peso.

Outra opção é injetar Botox no músculo que está causando o tique. Atualmente, pesquisas também estão sendo feitas sobre o uso de medicamentos anticonvulsivantes, como o topiramato.

Por outro lado, é importante observar que a síndrome de Tourette costuma ser acompanhada por outras patologias. Algumas delas são ansiedade, depressão e transtorno obsessivo-compulsivo. Consequentemente, medicamentos antidepressivos e ansiolíticos são usados com frequência para aliviar esses sintomas.

Terapia comportamental como tratamento para a síndrome de Tourette

A terapia comportamental é um tipo de terapia psicológica que visa reeducar o paciente para aprender a controlar os tiques. A ideia é que, ao identificar os sintomas anteriores ao gesto involuntário, outra resposta possa ser gerada para neutralizá-los.

Esse tipo de terapia consiste em diferentes estratégias. Embora seja verdade que ajude a reduzir o número e a gravidade dos tiques, não é uma cura definitiva para a síndrome de Tourette. Além disso, não é eficaz para todas as pessoas.

Reversão do hábito

Uma das técnicas incluídas na terapia comportamental é a reversão de hábitos. De acordo com um estudo publicado pela Universidade de Miguel Hernández, é uma possibilidade de tratamento eficaz que não requer medicamentos.

Este método consiste em diferentes etapas. Baseia-se no aumento da conscientização sobre os tiques para identificá-los. A partir daí, essa pessoa é treinada para produzir uma resposta incompatível a ele.

Por exemplo, se o tique consiste em tocar a cabeça com as mãos, a primeira coisa seria ficar atento a esse movimento e quando ele vai ocorrer. O novo comportamento seria colocar as mãos em outro lugar, como nos joelhos, para evitar fazer o gesto.

Sessão de terapia
O apoio psicológico é uma forma de tratamento que tem como objetivo minimizar a prescrição de medicamentos.

Intervenções integrais para os tiques (CBIT)

Outro tipo de terapia comportamental é o CBIT. Inclui reversão de hábitos, relaxamento e educação sobre os próprios tiques para reduzir os sintomas da síndrome de Tourette.

Nesse tipo de estratégia, não apenas a pessoa afetada é abordada, mas outras pessoas do ambiente são envolvidas para promover melhorias. Por exemplo, se for uma criança em idade escolar, os professores são convidados a colaborar.

O que lembrar sobre o tratamento da síndrome de Tourette

O tratamento da síndrome de Tourette é complexo. A doença tem um grande impacto no paciente. Não há cura para esta patologia, mas diferentes estratégias foram desenvolvidas para melhorar os sintomas.

A terapia comportamental representa uma frente promissora para melhorar a qualidade de vida dessas pessoas sem a necessidade de medicamentos. É muito importante ressaltar que o apoio psicológico é fundamental para o enfrentamento da patologia. 

  • ¿Qué es el síndrome de Tourette? – Tourette Association of America. (n.d.). Retrieved August 29, 2020, from https://tourette.org/about-tourette/overview/espanol/medicos/que-es-el-sindrome-de-tourette/
  • Tratamientos | Síndrome de Tourette (ST) | NCBDDD | CDC. (n.d.). Retrieved August 29, 2020, from https://www.cdc.gov/ncbddd/spanish/tourette/treatments.html
  • Síndrome de Tourette : National Institute of Neurological Disorders and Stroke (NINDS). (n.d.). Retrieved August 29, 2020, from https://espanol.ninds.nih.gov/trastornos/sindrome_de_tourette.htm
  • Síndrome de Gilles de la Tourette: espectro clínico y tratamiento – Dialnet. (n.d.). Retrieved August 29, 2020, from https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=326433
  • Gonzálvez, M. T. (2016). Tratamiento cognitivo-conductual de un niño con Síndrome de Tourette. Revista de Psicología Clínica con Niños y Adolescentes (Vol. 3). Retrieved from www.revistapcna.com
  • Yang, C. S., Zhang, L. L., Zeng, L. N., Huang, L., & Liu, Y. T. (2013). Topiramate for Tourette’s syndrome in children: A meta-analysis. Pediatric Neurology, 49(5), 344–350. https://doi.org/10.1016/j.pediatrneurol.2013.05.002
  • Valdés King, Mónica, and Omoruyi Ayodeji Uwagboe. “Síndrome de Gilles de la Tourette.” Revista Cubana de Medicina General Integral 34.1 (2018): 63-70.
  • Ríos-Flórez, Jorge Alexander, and Claudia Rocío López-Gutiérrez. “Enfoque clínico y neurofuncional del Síndrome Gilles de la Tourette.” Psicoespacios 10.17 (2016): 155-167.
  • García-Acero, Mary, and Eugenia Espinosa. “Síndrome De Tourette Familiar: Reporte De Caso Y Revisión De La Literatura.” Revista Ecuatoriana de Neurología 27.2 (2018): 87-91.
  • García, D. Macías. “Otros trastornos del movimiento: tics y síndrome de Tourette, temblor, mioclonías y síndrome de piernas inquietas.” Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado 12.73 (2019): 4285-4299.