Quais tipos de sapatos são ruins para a saúde?

· 2 de março de 2014
Recomenda-se utilizar um calçado que tenha uns 2 cm de altura, para que o peso possa ser repartido entre a parte dianteira e traseira do pé. O salto não deve superar os 3 cm.

Uma coisa é certa, sapatos, principalmente femininos, são lindos! Porém, isso não significa que não possam ser prejudiciais. Ficar na moda às vezes pode ser doloroso e todas as mulheres sabem disso.

No entanto, não há necessidade de sofrer devido ao uso inadequado de um sapato (ou do sapato inadequado).

A seguir, conheça mais sobre os sapatos aconselhados, segundo cada atividade desenvolvida e por quanto tempo é permitido utilizar aqueles que são muito altos.

Os piores sapatos para as mulheres

Um estudo recente da Associação de Ortopedia de Nova York demonstrou que os piores sapatos para as mulheres são os de salto muito alto e fino (conhecidos como “salto agulha”).

Isso porque o peso do corpo recai no metatarso, ou seja, onde estão localizados os dedos, exercendo uma grande pressão neste ponto.

Além disso, os joelhos e a cintura se inclinam para frente e afetam o equilíbrio geral do corpo, comprometendo a saúde das pernas e das costas.

Usar com frequência este tipo de sapato danifica desde os tornozelos até a região lombar. No caso dos sapatos plataforma, que estão tão na moda, também existem problemas; mesmo que muita gente pense que o peso do corpo estará equilibrado em todo o pé, essa não é a realidade.

Assim como os saltos agulha, a pressão continua sendo exercida nos dedos, mesmo que realmente um sapato mais espesso proteja um pouco mais os pés, coluna, etc.

Os sapatos de plataforma também podem causar calos, joanetes, dores nos tornozelos e nas costas.

salto2

Outros sapatos ruins para as mulheres

As botas de salto alto podem ser um pouco mais seguras, mas também é preciso ter cuidado. O estudo que mencionamos no início do artigo também indicou que 25% do peso de nosso corpo recai nos dedos, conforme aumentamos o tamanho do salto. Isso quer dizer que, quanto mais alto for o sapato, maior será o dano.

As sandálias, tão utilizadas por sua versatilidade, também podem representar riscos, caso sejam muito baixas, sem nenhum salto, o que não proporciona a inclinação adequada para o pé, obrigando-o a trabalhar o dobro.

Por isto, seu uso inadequado pode gerar inflamações, dor nas costas e calcanhares e até fraturas.

Por último, o tênis, frequentemente utilizado para praticar esportes ou fazer caminhadas. Este é o que oferece o melhor suporte aos pés. Porém, seu uso frequente pode provocar fungos, principalmente se não utilizarmos meias de algodão.

Leia também: É bom usar sapatos planos diariamente?

salto3

Mais dados sobre o uso de sapatos de salto alto

As estatísticas demonstram que as mulheres sofrem quatro vezes mais de problemas nos pés do que os homens; e isso está intimamente associado ao tipo de calçado que utilizam, dando ênfase aos de salto alto.

Quando apoiamos os pés descalços no chão, a parte da frente (metatarso) suporta 43% do peso em cada passo que damos e o restante (57%) é absorvido pelo calcanhar.

Se o salto do sapato possui 4 cm de altura, essa porcentagem se inverte. Quando o salto é de 6 cm, a pressão maior é exercida nos dedos (geralmente em 75%) e quando é maior do que 10 cm, 90% do peso recai sobre o metatarso.

salto4

Com certeza isso desequilibra a distribuição do peso e faz com que mudemos nossa postura normal. A primeira articulação que sofre é a do tornozelo.

Por isso, as mulheres apresentam mais possibilidades de sofrerem torções ao utilizarem salto alto.

Como a parte posterior da perna deve compensar o peso redistribuído para frente, se contrai e se encurta; o que causa incômodos e contraturas na panturrilha.

Leia mais: Escolha os saltos para cada tipo de vestido

Mais danos pelo uso do salto alto

Seguindo pela perna, o joelho é outra articulação que se sobrecarrega quando se usa salto alto, porque a tensão aumenta desde a sola do pé até em cima.

A flexão que se faz é maior do que quando estamos descalços, desequilibrando o quadríceps e o reto anterior da perna.

E a lista continua: desajuste da articulação do quadril, aumentando as dores lombares e nas costas. Toda a postura é modificada. Surgem joanetes nos pés, calosidades e deformidade nos dedos, bem como inchaço e dor depois de um dia inteiro usando salto alto.

Sapatos de salto alto

Como evitar os problemas relacionados ao uso dos sapatos de salto alto

Agora já sabe quais são os riscos que se corre ao usar sapatos de salto alto. Porém, não é necessário deixar de gostar desse modelo de sapato, já que sempre caem bem para trabalhar ou para ficar mais elegante (e mais altas, às vezes).

Muitos podem julgar que a decisão mais correta é deixar de usá-los, numa atitude drástica. Mas a verdade é que também não é bom utilizar apenas sapatos sem salto, como já explicamos anteriormente.

O melhor a se fazer é usar sapatos com salto de aproximadamente 2 cm, para que o suporte do metatarso e do calcâneo seja equitativo; 50% para cada região.

A altura não deve ser superior a 3 cm; e caso goste de saltos mais altos opte pelas plataformas que não danificam tanto o pé.

Sapatos que fazem mal: saltos altos

Dicas para uso do salto alto

O uso ocasional do salto para sair ou para alguma ocasião especial, não tem problema. O que não é aconselhado é usá-los todos os dias durante muitas horas, como, por exemplo, para trabalhar.

Para essa finalidade, opte por outro tipo de calçado; uma boa ideia é levar sempre outro par de sapatos na bolsa, um para usar no trabalho e outro para ir.

Dessa forma, use um sapato mais cômodo no caminho e, quando chegar ao trabalho, troque-o pelos de salto.

É bom saber também que quanto mais ajustado o calçado, menores os danos que causará. No que diz respeito ao material, é aconselhável os de couro (se possível sintético). Os dedos ficarão mais bem alocados e não se moverão com liberdade.

Imagens oferecidas por Mervi Eskelinen, Jocelyn Saurini, Larry Johnson, Heather Dow, Maria Morri Thomas R Koll, Alison Here

  • Iunes, D. H., Monte-Raso, V. V., Santos, C. B. A., Castro, F. A., & Salgado, H. S. (2008). A influência postural do salto alto em mulheres adultas: análise por biofotogrametria computadorizada. Rev Bras Fisioter12(6), 441-6.
  • Pezzan, P. A., Sacco, I. C., & João, S. M. (2009). Postura do pé e classificação do arco plantar de adolescentes usuárias e não usuárias de calçados de salto alto. Revista Brasileira de Fisioterapia13(5), 398-404.
  • Minossi, C. E. D. S., Candotti, C. T., Bacchi, C. D. A., Noll, M., & Casal, M. Z. (2012). Avaliação da coluna lombar e torácica nas situações com salto alto e com os pés descalços com o instrumento arcômetro. Fisioterapia e pesquisa. São Paulo. Vol. 19, n. 3 (jul./set. 2012), p. 196-203.