O que é o sorriso gengival e como é tratado?

O sorriso gengival pode ser desconfortável para quem sofre com ele. Embora não seja um problema de saúde, pode ser considerado fora do padrão estético. A seguir, vamos explicar por que isso pode ocorrer e como resolver.
O que é o sorriso gengival e como é tratado?

Última atualização: 17 Abril, 2021

Sorrir é um ato saudável, uma demonstração de alegria e conexão com outras pessoas. No entanto, para alguns, essa simples ação pode ser afetada pela presença de um sorriso gengival.

Esta é uma condição em que mais tecido gengival é exibido do que o normal ao sorrir. Aqueles que sofrem com isso pensam que suas gengivas são muito grandes, que seus dentes são muito pequenos, ou que seus lábios se movem muito para cima ao sorrirem.

A seguir, contaremos em que consiste essa alteração e por que ela acontece. Também falaremos sobre as soluções que existem para conseguir um belo sorriso.

O que é considerado um sorriso gengival?

O sorriso gengival é uma condição em que há evidências de um predomínio do tecido gengival em relação aos dentes. A percepção depende de cada paciente e das características do rosto, mas em termos gerais, é quando mais de 3 ou 4 milímetros de gengiva são exibidos ao sorrir.

A falta de proporção dente-gengiva pode produzir efeitos visuais, como gengivas muito grandes, dentes muito pequenos ou lábios pequenos. Embora não represente um problema de saúde, é uma questão estética que pode afetar o bem-estar de quem a sofre.

Mulher sorrindo para homem
O sorriso é um importante ato social, por isso gera preocupação em algumas pessoas quanto à sua aparência.

O que causa o sorriso gengival?

A origem de um sorriso gengival pode ser dentária, óssea ou muscularTambém pode ser devido à presença de patologias oclusais ou esqueléticas. A seguir, falaremos sobre as causas mais comuns.

Excesso de tecido gengival

Trata-se da presença excessiva de tecido gengival. As gengivas parecem longas e os dentes, embora de tamanho normal, são percebidos como pequenos devido à falta de proporção entre os dois tecidos.

Alguns pacientes apresentam aumento do crescimento do tecido gengival idiopático (isso significa que não se sabe por que esse é o caso). No entanto, o aumento das gengivas também pode ser devido à inflamação das mesmas ou gengivite, e ao uso de alguns medicamentos.

Medicamentos para prevenir convulsões, anti-hipertensivos ou supressores do sistema imunológico causam hiperplasia gengival. A gengiva cresce muito ao redor dos dentes e é necessário iniciar um tratamento, pois elas podem cobrir completamente os elementos dentários e causar problemas periodontais.

Lábio curto ou com maior mobilidade

Se o lábio for menor, ele não será largo o suficiente para cobrir as gengivas quando a pessoa sorrir. No caso dos lábios hipertônicos ou hiperativos, por serem mais móveis, alongam-se e sobem muito, revelando a gengiva que deveria estar coberta.

Diferenças no crescimento do dente

Às vezes, o sorriso gengival se deve à forma como os dentes permanentes surgem. Nestes casos, geralmente existe um fator familiar hereditário associado.

A erupção passiva alterada ocorre quando a gengiva cobre uma superfície dentária maior do que o normal quando os dentes eclodem, deixando parte da coroa do dente coberta pela gengiva. Isso cria um sorriso gengival.

A erupção dentária é a extrusão excessiva de um dente. Em geral, ocorre quando um elemento dentário busca contato com seu antagonista que baixou seu nível devido ao desgaste excessivo, ou não está mais lá porque foi extraído. A gengiva acompanha esse movimento dentário, aumentando a sua espessura, mostrando-se durante o sorriso.

Problemas oclusais

Nos casos em que os dentes superiores cobrem quase completamente os dentes inferiores durante a oclusão, estamos falando de uma mordida coberta ou profunda. Nestes casos, pode aparecer um sorriso gengival, uma vez que a altura dos dentes superiores e gengivas está abaixo do normal e eles são visualizados ao sorrir.

Uma mordida aberta também pode ser a fonte de um sorriso gengival. Ao aumentar a altura do setor anterior e não conseguir eclodir, os lábios não cobrem a gengiva, deixando-a exposta.

Causas ósseas

Quando a mandíbula superior cresce mais do que o normal, ocorre uma condição chamada excesso maxilar verticalO nível das gengivas e dos dentes superiores é mais baixo do que o resto do rosto, fazendo com que apareçam mais ao sorrir.

Tratamentos disponíveis para o sorriso gengival

Existem várias alternativas para resolver essa condição e melhorar a aparência de quem a sofre. A escolha do tratamento vai depender das causas que estão provocando o sorriso gengival.

Aqui estão algumas das opções para resolver esse problema estético:

Cirurgia de gengiva

A gengivectomia é uma cirurgia oral que consiste em contornar as gengivas removendo o excesso de tecido. É uma intervenção simples sob anestesia local que o periodontista realiza no consultório odontológico.

Com bisturi ou laser, as margens da gengiva são aparadas, eliminando o excesso de tecido. Uma maior área de superfície dos elementos dentais é deixada descoberta. O corte do osso também pode ser necessário.

Suas gengivas podem sangrar e doer após a cirurgia. No entanto, a recuperação é rápida, fácil e não deixa cicatrizes.

Cirurgia de reposicionamento labial

Quando a causa do sorriso gengival é labial, pode ser necessária uma intervenção cirúrgica para alterar a posição dos lábios em relação aos dentes. Consiste em retirar uma porção do tecido conjuntivo da parte inferior do lábio superior para evitar que os músculos envolvidos no sorriso o levantem muito.

É realizada sob anestesia local. São feitos cortes no lábio para a retirada do tecido conjuntivo. A recuperação costuma ser rápida e os resultados permanentes, embora haja casos de recorrência.

Cirurgia ortognática para tratar o sorriso gengival

É utilizada nos casos em que a origem do sorriso gengival é o crescimento ósseo. Por meio da cirurgia da mandíbula, a altura dos maxilares pode ser equilibrada.

Esses casos devem ser abordados de forma interdisciplinar, requerem muito planejamento prévio e são acompanhados por um tratamento ortodôntico. A mudança no rosto do paciente é muito perceptível.

É realizado sob anestesia geral na sala de cirurgia. O cirurgião corta uma fração do osso da mandíbula superior ou inferior, e os extremos são reunidos com placas ou parafusos.

A hospitalização dura vários dias e a recuperação é lenta. Elásticos e aparelhos são usados ​​para manter a mandíbula imóvel durante a cicatrização. Este procedimento deve ser complementado com tratamento ortodôntico. Trata-se de um processo lento e que leva vários anos.

Ortodontia

O uso de aparelhos fixos ou móveis ajuda a alinhar os elementos dentários na posição correta. É usado para realocar dentes com erupção excessiva, por exemplo.

Também é útil no tratamento de problemas oclusais, como mordida aberta e mordida coberta, que produzem o efeito visual de um sorriso gengival.

Mulher no dentista
A ortodontia pode ser usada para tratar esse tipo de sorriso em casos específicos.

Toxina botulínica

As injeções com toxina botulínica podem ser a solução para os casos em que a gengiva aparece demais devido ao movimento excessivo dos lábios para cima durante o sorriso.

As injeções são aplicadas na base do nariz. Elas paralisam os músculos elevadores do lábio, deixando-os com menos força para levantar totalmente ao sorrir.

A desvantagem desse tratamento é a necessidade de repeti-lo a cada 3 ou 4 meses para manter os efeitos. Se a quantidade injetada for excessiva, o sorriso pode ficar distorcido.

Ácido hialurônico para tratar o sorriso gengival

Esta substância também é útil para sorrisos gengivais causados ​​por lábios hipermóveis. Consiste na aplicação de injeções de preenchimento nos lábios. Isso restringe o movimento das fibras musculares.

Seu efeito pode durar até 8 meses. Embora as doses geralmente sejam pequenas e as complicações decorrentes do seu uso sejam raras, é importante conhecer os efeitos adversos dessa substância.

Sorria sem complexos

O sorriso gengival, em geral, não se deve a um problema de saúde bucal, mas pode ser incômodo para quem o possui. Complexos, constrangimento e hábitos como cobrir a boca ao sorrir são comuns nessas pessoas.

É importante reconhecer a sua origem para chegar a um diagnóstico e, assim, escolher uma solução adequada. Os tratamentos são variados, por isso consultar um dentista é o primeiro passo para resolver este problema.

Sorrir deve ser agradável para todos. Se o sorriso gengival for um impedimento para fazê-lo livremente, é preciso procurar ajuda profissional. Como mencionamos, são muitas as possibilidades de conseguir um sorriso que se adapte à personalidade e aos interesses de cada paciente.

Pode interessar a você...
Nunca deixe de sorrir
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Nunca deixe de sorrir

Ainda que no começo tenhamos que forçar o sorriso, em momentos de depressão e ansiedade sorrir pode nos ajudar a nos sentirmos melhor.



  • Ogando, Mónica González, Nuno Gustavo d’Oliveira, and Josep Mª Ustrell Torrent. “Protocolo diagnóstico de la sonrisa gingival.” Revista Española de Ortodoncia 47.3 (2017): 136-145.
  • Pintado Barros, Ángela María. Diagnòstico y tratamiento para la corrección de la sonrisa gingival. BS thesis. Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología, 2018.
  • Del Rey, Sulay Fonseca. “Sonrisa gingival. CaracterÃsticas, etiologÃa y opciones de tratamiento.” Revista de Medicina Isla de la Juventud 19.1 (2018).
  • Briones Manzo, Scarlett. Efectividad estética del alargamiento de corona en casos de sonrisa Gingival. BS thesis. 2020.
  • Guaranda Acuña, Karen Michelle. Tratamiento quirúrgico para la sonrisa gingival. BS thesis. Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología, 2019.
  • Falcón-Guerrero, Britto. “Tratamiento de la sonrisa gingival excesiva mediante reposicionamiento labial.” Revista de la Asociación Dental Mexicana 75.2 (2018): 112-116.
  • Gregnanin Pedron, Irineu, and Patricia Verónica Aulestia-Viera. “La toxina botulínica como adyuvante en el tratamiento de la sonrisa gingival.” Revista clínica de periodoncia, implantología y rehabilitación oral 10.2 (2017): 87-89.
  • Álvarez Romero, Cristina. “Papel de la toxina botulímica en el tratamiento de la sonrisa gingival.” (2018).
  • Mancheno Gálvez, Davis Nicolas. Gingivectomía en paciente con sonrisa gingival a causa de erupción pasiva alterada en dientes anterosuperiores. BS thesis. Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología, 2020.
  • Díaz, Deysi Desirée Domínguez, and Ana Isabel López Flores. “Tratamiento multidisciplinario mínimamente invasivo de la sonrisa gingival.” Revista Científica Odontológica 8.2 (2020): e008-e008.