Síndrome do impacto do tornozelo

29 Junho, 2020
Você já teve uma entorse? Vá ao médico para evitar a síndrome do impacto do tornozelo, uma lesão que pode ter a cirurgia como única solução.
 

A síndrome do impacto do tornozelo costuma ocorrer em pessoas que praticam atividade física. Por esse motivo, é comum que os atletas a sofram em algum momento. Neste artigo, descobriremos como podemos detectá-la, os sintomas que ela apresenta e qual é a melhor maneira de tratar essa lesão.

De acordo com o artigo Ligamentos y tendones del tobillo: anatomía y afecciones más frecuentes analizadas mediante resonancia magnética, o tornozelo é uma articulação que desempenha um papel importante na posição e na distribuição do peso corporal.

Por esse motivo, é necessário, diante de qualquer desconforto ou dor na área, procurar um profissional para fazer os exames apropriados e obter um diagnóstico. Como descobriremos a seguir, diante de uma síndrome do impacto do tornozelo, a vida do paciente pode ficar limitada.

A síndrome do impacto do tornozelo é uma entorse?

Muitos confundem a síndrome do impacto do tornozelo com uma entorse. No entanto, embora estejam relacionados, não são a mesma coisa.

Uma entorse pode levar a um estiramento excessivo dos ligamentos, causando microrrupturas ou até uma ruptura parcial ou completa dos ligamentos, conforme explicado no artigo Abordaje del esguince de tobillo para el médico general.

Lesão no tornozelo
 

O que acontece quando a entorse não se cura ou você não vai ao médico para tratá-la? Pode surgir a síndrome do impacto do tornozelo. A razão é que a ruptura dos ligamentos começa a se curar, formando um tecido, conhecido como sinóvia, que fica preso com o movimento.

Como a pessoa não descansa e não enfaixa o pé, o tecido cicatricial costuma ficar grande, porque o pé não permanece imóvel.

Sintomatologia

Os sintomas da síndrome do impacto do tornozelo são progressivos em termos de dor. Se não procurarmos um especialista para fazer uma série de exames para diagnosticar essa lesão e iniciar o tratamento, a dor se tornará cada vez mais insuportável e afetará a qualidade de vida.

  • Se você é um atleta jogador de futebol, a dor age como um alerta da síndrome do impacto do tornozelo toda vez que você chuta a bola.
  • Se você pratica balé, as posições de dança que exigem ficar “na ponta dos pés” causarão uma dor intensa que aumentará gradualmente.

A dor também pode se manifestar em quem pratica pilates e é instruído a colocar o pé na posição de “ponta”.

Qualquer movimento que envolva o trabalho da parte frontal do tornozelo fará com que a dor apareça. Além disso, também pode haver uma inflamação na área.

Tratamentos

Aplicar gelo no tornozelo
 

Como podemos ver, a dor pode nos limitar se praticarmos algum dos esportes acima mencionados.

Por esse motivo, é necessário nos colocarmos nas mãos de um profissional que fará uma ressonância magnética para verificar se realmente há a síndrome do impacto do tornozelo. Depois que o problema for diagnosticado, o procedimento será o seguinte:

  • Anti-inflamatório: pode ser na forma de uma pomada, através de medicamentos orais ou de uma maneira muito mais natural, como a aplicação de gelo. O objetivo é reduzir a inflamação e a dor.
  • Corticosteroides: se a dor for intensa o suficiente, os corticosteroides podem ser outra opção.
  • Cirurgia: caso o tecido sinovial seja muito grande e, portanto, os métodos acima não forem completamente eficazes, será necessário realizar uma cirurgia.

Em todos os casos, o médico recomendará descansar ou fazer atividades físicas de baixo impacto. Recomendamos que, diante do menor sintoma de dor ou desconforto na frente do tornozelo, você vá ao médico. Somente assim será possível impedir o crescimento do tecido sinovial antes que a única solução seja se submeter a uma cirurgia.

Você já sofreu uma entorse e não descansou para se recuperar? Você já foi diagnosticado com a síndrome do impacto do tornozelo? Esperamos que este artigo tenha lhe dado um pouco de conhecimento sobre esse tipo de lesão. Se você pratica futebol ou balé, entre outros esportes, pode sofrê-la em algum momento da sua vida.

 
  • Cuéllar-Avaroma, A, King-Hayata, MA, Martínez-de Anda, MC, King-Martínez, M, & King-Martínez, AC. (2017). Tratamiento endoscópico del pinzamiento posterior del tobillo. Acta ortopédica mexicana31(1), 24-29. Recuperado en 07 de marzo de 2019, de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2306-41022017000100024&lng=es&tlng=es.
  • Inzulza C, Alonso, & Robertson C, Winston. (2002). PINZAMIENTO ANTEROLATERAL DEL TOBILLO: EVALUACION ECOTOMOGRAFICA. Revista chilena de radiología8(1), 28-32. https://dx.doi.org/10.4067/S0717-93082002000100007
  • Márquez Arabia, Jorge Jaime, Márquez Arabia, William Henry, & Gómez Hoyos, Juan Carlos. (2013). Lesiones en bailarines de ballet. Revista Cubana de Ortopedia y Traumatología27(1), 109-122. Recuperado en 07 de marzo de 2019, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0864-215X2013000100011&lng=es&tlng=es.
  • OSORIO CIRO, J., & CLAVIJO RODRÍGUEZ, M., & ARANGO V., E., & PATIÑO GIRALDO, S., & GALLEGO CHING, I. (2007). Lesiones deportivas. Iatreia, 20 (2), 167-177.