A síndrome da cadeira vazia

25 Setembro, 2020
Embora tenhamos o costume de sempre associá-la à morte, a verdade é que a síndrome da cadeira vazia também pode surgir como resultado de um término ou o distanciamento de um ente querido. Como lidar com isso? Aqui, vamos compartilhar algumas dicas úteis.

A síndrome da cadeira vazia se refere ao sentimento que surge após a perda de uma pessoa especial, como um familiar, um amigo ou um companheiro.

Pode ser confundida com a tristeza de perder alguém, mas é chamada de síndrome porque é um conjunto de sintomas que aparece com especial intensidade em épocas específicas, como o Natal, um aniversário ou alguma data especial.

Em outras palavras, essa síndrome é chamada de cadeira vazia porque, exatamente nos momentos em que se está cercado por outras pessoas, o sentimento de perda se acentua, e a ausência da pessoa e seu lugar vazio se tornam mais perceptíveis. A seguir, você vai encontrar mais informações sobre essa síndrome e algumas dicas que podem ajudar a superá-la.

Não se esqueça de ler: 4 conselhos para vencer o desânimo e a tristeza 

O luto e a cadeira vazia

A cadeira vazia se manifesta quando nos lembramos da pessoa que antes estava aqui e que agora já não está mais. Sua ausência é sentido principalmente quando estamos rodeados de várias pessoas.

Esse sentimento está muito relacionado com o processo de luto e é mais comum do que se pensa, pois, diante da perda de alguém, passamos por um período no qual temos que nos acostumar a viver come essa ausência, passando por uma época de intensa dor.

O luto pode se estender no tempo necessário até conseguirmos lidar com a perda e viver a vida de novo sem a sensação de vazio que sentimos no momento logo após esse acontecimento traumático.

É importante ressaltar que a síndrome da cadeira vazia pode ser sentida mesmo que a pessoa em questão não tenha falecido. Ou seja, isso quer dizer que pode ser transportada para outras situações, como a solidão após o término de um relacionamento.

De acordo com uma publicação do jornal El País da Espanha, depois de uma perda é muito normal e saudável que surjam dor, raiva, desespero, solidão e culpa. Esses sentimentos fazem parte do processo normal de desapego em um luto, e cada pessoa costuma expressá-los de maneiras diferentes.

Contudo, é importante lembrar que se forem muito intensos ou se sentirmos que não conseguimos controlá-los, é necessário buscar a ajuda de um profissional.

A síndrome da cadeira vazia se intensifica com a chegada de datas especiais como o Natal.

O que pode nos ajudar a superar essa síndrome?

Muitas vezes sentimos que a tristeza nos invade diante da ausência de um ente querido, principalmente naquelas festividades em que se mostra mais perceptível, como o Natal, um aniversário ou qualquer outra data especial.

A Dra. Marie Hartwell-Walker, psicóloga e conselheira matrimonial e familiar, sugere em uma publicação de Psych Central que existem algumas recomendações que podemos seguir para tentar superar a síndrome da cadeira vazia.

1. Permita-se sentir

Todos nós lidamos com a perda e o sofrimento de maneiras diferentes. É por isso que é importante deixar nossos sentimentos saírem e não nos forçarmos a melhorar em um determinado período de tempo.

Além disso, também é normal que durante esse período tenhamos vontade de nos afastar de algumas pessoas e acontecimentos em que o sentimento de solidão e vazio possa ser ainda mais forte.

2. Cuide de si mesmo

É muito provável que não tenhamos muita vontade de continuar com nossa rotina normal, mas é importante tentar descansar, dormir bem e manter uma alimentação balanceada. Isso pode nos ajudar a estar mais conscientes do que devemos fazer para lidar com a situação da melhor maneira.

Recomendamos a leitura: Como superar uma perda?

Passar por um processo de luto pode ser difícil. No entanto, é importante manter rotinas saudáveis ​​para cuidar da sua saúde.

3. Planeje com antecedência

Principalmente nas festividades, é conveniente planejar e pensar bem sobre o que é melhor para o nosso humor e escolher o que nos faz sentir melhor.

Portanto, o ideal é pensar se ficar só vai nos fazer sentir ainda mais a ausência daquele ente querido ou, pelo contrário, estar rodeado de pessoas vai nos ajudar a não sentir tanta saudade.

Por outro lado, existem eventos que são planejados com antecedência e, se você vai ser o anfitrião de algum, talvez seja melhor pensar duas vezes se estiver passando um processo de luto.

Enquanto há pessoas que gostam de ocupar suas mentes com várias atividades, como organizar eventos, há outras que acham isso sufocante quando estão passando por momentos difíceis.

4. Faça as coisas de maneira diferente

Muitas pessoas tendem a passar as datas comemorativas de forma semelhante ano após ano. Por isso, vale a pena pensar se fazer as coisas de uma forma um pouco diferente ou ir para um lugar novo pode nos ajudar a sair da rotina e enfrentar um pouco a ausência do ente querido.

Quando procurar ajuda?

Às vezes, tendemos a pensar que podemos aguentar tudo e que, se não consertarmos as coisas nós mesmos, ninguém vai. No entanto, às vezes precisamos de um impulso extra para nos ajudar a olhar para frente.

Embora seja necessário respeitar e aceitar o processo pelo qual estamos passando, também é bom que saibamos interpretar os sinais do nosso corpo e da nossa mente quando algo não está bem.

Se percebermos que já se passou um tempo considerável e que os sentimentos de tristeza, nostalgia, desesperança, entre outros, não desaparecem nem diminuem, é hora de consultar um especialista para buscar as medidas necessárias a fim de superar o luto.

  • Echeburúa, E., & Herrán, A. (2007). ¿Cuándo el duelo es patológico y cómo hay que tratarlo? Análisis y Modificación de Conducta33(147), 31–50.
  • Pelegrí, M., & Romeu Figuerola, M. (2011). El duelo, más allá del dolor. Desde El Jardín de Freud: Revista de Psicoanálisis, (11), 133–148. Retrieved from http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4554003&orden=1&info=link
  • El síndrome de la silla vacía. Diario El país de España. (2010). Recuperado el 24 de marzo de 2020.
  • Hartwell-Walker, M. (2018). The Empty Chair at the Holiday Table. Psych Central. Retrieved on March 24, 2020, from https://psychcentral.com/lib/the-empty-chair-at-the-holiday-table/