A síndrome da cadeira vazia

· 7 de fevereiro de 2019
Mesmo que costumemos a relacioná-la sempre com o falecimento, o certo é que a síndrome da cadeira vazia também pode aparecer em vida, fruto de um abandono ou da solidão.

A síndrome da cadeira vazia se refere ao sentimento que aparece ante a perda de uma pessoa especial para nós. Pode ser um familiar, um amigo ou irmão, por exemplo.

Pode ser confundida com a tristeza de perder alguém, mas se denomina síndrome, pois causa uma intensidade especial naqueles momentos no quais, supõe-se, que deveriam ser comemorados com alegria e grande alvoroço.

A síndrome da cadeira vazia costuma se manifestar em determinadas épocas, como o Natal, um aniversário ou alguma festividade que consideremos especial.

Observamos a cadeira em meio a tantas outras que se encontram ocupadas e sentimos um vazio enorme, uma angústia que nos leva a sofrer desta terrível síndrome.

Não se esqueça de ler: 4 conselhos para vencer o desânimo e a tristeza 

A cadeira vazia é um testemunho silencioso

A cadeira vazia não deixa de ser a manifestação dessa pessoa que antes estava e que agora já não está. Principalmente se nos encontrarmos rodeados de várias pessoas, observamos que existe alguém faltando.

Mulher sentindo a síndrome da cadeira vazia

Este sentimento tão forte está muito relacionado com o processo de luto pelo qual talvez você já tenha passado.

Ante a perda de alguém, passamos por um período no qual temos que nos acostumar a viver sem essa pessoa, experimentando uma época de intensa dor.

O luto pode se estender no tempo necessário até conseguirmos lidar com a perda e conseguirmos viver a vida de novo, sem a sensação de vazio que sentimos no momento recente a perda.

É importante indicar que a síndrome da cadeira vazia pode ser sofrida ainda quando a pessoa em questão não tenha falecido. Ou seja, isso quer dizer que pode ser transportada para outras situações, como a solidão.

Quando alguém nos abandona, quando alguém vai embora para longe, também podemos padecer desta síndrome, que não necessariamente está conectada com a morte, mesmo que seja a causa mais comum.

Quando nos sentimos sozinhos, quando experimentamos a solidão, não importa quanta gente esteja ao nosso lado. Mesmo assim, nos encontraremos sozinhos ante tudo e ante todos.

Pode-se passar por tudo, mas também pode-se vencer

Mesmo que vejamos tudo com olhos de tristeza e que, principalmente, o sentimento apareça naquelas festividades mais notórias, como o Natal ou qualquer outra, existem formas de afastar esta síndrome.

Mulher escapando da síndrome da cadeira vazia

Para começar, você deve colocar em prática as indicações que mostraremos a seguir, pois muitas vezes elas podem funcionar:

Não se isole, não se cale

Quando nos encontramos sofrendo da síndrome da cadeira vazia, provavelmente não teremos vontade de falar e nos afastaremos das pessoas que mais gostamos. Tudo isso para sofrer em solidão.

Isso é muito negativo para você. Esforce-se para interagir, mesmo que não seja legal, fale mesmo que não queira e busque ajuda se necessário. Às vezes, só precisamos de alguém que nos escute e preste atenção.

Recomendamos a leitura: Como superar uma perda?

Mude o significado da cadeira vazia

As coisas sempre irão significar o que nós queiramos que signifiquem. Sendo assim, se a cadeira vazia é sinônimo de tristeza e perda, por que não adotar um novo significado para ela?

Reinterprete, tente eliminar a característica negativa que você adotou para a cadeira. Em outras palavras, faça com que ela seja sua amiga, não sua inimiga.

Se for necessário, peça ajuda

Acreditamos que podemos enfrentar tudo e que, se não solucionarmos as coisas nós mesmos, ninguém o fará. No entanto, às vezes, precisamos de um empurrão e um pouco de ajuda extra que nos faça ir para frente.

Nunca tente se automedicar para aliviar a dor que está em seu interior e, se for fazê-lo, que seja somente por recomendação médica. Mesmo assim, tente buscar outra maneira.

Por que não consultar um psicólogo, por exemplo? Eles são especialistas, grandes profissionais da nossa mente. Dessa forma, eles ajudarão melhor do que ninguém. Não tenha medo!

Homem com borboletas tentando superar a síndrome da cadeira vazia

 

É importante aceitar a ideia de que as pessoas irão embora, de uma forma ou de outra.

Alguns morrerão, outros desaparecerão, em certos casos nos abandonarão e nos machucarão. E temos que aceitar tudo isso.

Não permita que uma cadeira vazia elimine do seu rosto a felicidade que um dia fez você se sentir vivo.

É claro que estas situações irão machucar, pois somos humanos e temos emoções! Mas devemos aprender a aceitar o fato de que são coisas que inevitavelmente acontecem e que escapam do nosso controle.

  • Echeburúa, E., & Herrán, A. (2007). ¿Cuándo el duelo es patológico y cómo hay que tratarlo? Análisis y Modificación de Conducta33(147), 31–50.
  • Pelegrí, M., & Romeu Figuerola, M. (2011). El duelo, más allá del dolor. Desde El Jardín de Freud: Revista de Psicoanálisis, (11), 133–148. Retrieved from http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4554003&;orden=1&info=link