O que é síncope e quais tipos existem?

A síncope se caracteriza por perda de consciência frequentemente acompanhada por pele fria, palidez e respiração superficial. Explicamos por que isso acontece e quais são os principais tipos.
O que é síncope e quais tipos existem?

Última atualização: 03 Julho, 2021

A síncope é uma situação muito comum. Consiste na perda temporária de consciência e do tônus ​​postural, ou seja, o paciente perde os sentidos de forma temporária. É causada por uma diminuição do fluxo sanguíneo para o cérebro.

Muitas pessoas usam o termo desmaio em vez de síncope. O fato de que o fluxo sanguíneo cerebral diminua pode se dever a vários motivos. É por isso que existem diferentes tipos com base na sua etiologia.

Sintomas gerais da síncope

A síncope, como vimos na introdução, é definida como a perda transitória da consciência e do tônus ​​postural. De acordo com um estudo publicado na Frontiers in Physiology, é um problema muito comum. Sua incidência é estimada entre 15 e 39% da população em geral.

Pode afetar pessoas de qualquer idade e sexo. No entanto, é verdade que conforme a pessoa envelhece, sua incidência aumenta. A partir dos 70 anos, esse problema se torna mais comum.

Geralmente, uma serie de sintomas muito característicos acompanham o desmaio. De acordo com o Manual do MSD, a pré-síncope se caracteriza pela percepção de tontura e desmaio iminente. No entanto, ainda não há perda real de consciência.

Uma pessoa que sofre de síncope perde totalmente a consciência. A pele geralmente se torna fria e úmida. O pulso enfraquece e a respiração fica muito superficial. Antes de perder a consciência, há tontura, visão turva, dor de cabeça e fraqueza.

Em alguns casos, podem ocorrer movimentos musculares involuntários, que se confundem com convulsões, embora não sejam. Este é um dos diagnósticos diferenciais mais relevantes a se realizar.

Quais tipos de síncope existem?

Já mencionamos anteriormente que a síncope é causada por uma diminuição do fluxo sanguíneo para o cérebro. Isso, por sua vez, pode ter várias causas. É por isso que podemos distinguir diferentes tipos, o que explicaremos a seguir.

Homem desmaiado
A síncope tem diferentes tipos de apresentação. Antes do evento em si, uma pré-síncope pode ocorrer.

Síncope neuromediada

Esse tipo também é conhecido como síncope reflexa. É a mais comum. O que acontece é que certos reflexos do sistema nervoso autônomo se desregulam. O sistema nervoso autônomo é o responsável ​​pela manutenção da pressão arterial e da frequência cardíaca.

Como consequência disso, o coração desacelera e a pressão arterial cai. Isso significa menos fluxo sanguíneo para o cérebro.

A variante vasovagal, conforme explicado por especialistas da Clínica Mayo, é aquela que ocorre quando o corpo reage desproporcionalmente a certos gatilhos. Por exemplo, diante da dor ou de emoções fortes.

Por outro lado, temos o desmaio relacionado ao seio carotídeo. Aparece quando há pressão na artéria carótida, que está localizada no pescoço. É comum em alguns homens ao fazer a barba ou ao usar gravatas muito justas.

Finalmente, a síncope neuromediada também pode ser situacional, e ocorre quando realizamos certas ações ou movimentos específicos, como por exemplo tossir ou rir.

Desmaios de origem cardíaca

A síncope cardíaca ou cardiogênica, como o nome sugere, é causada por um problema cardíaco. A causa mais comum são as arritmias, como taquicardias.

Também pode haver um problema estrutural, como distúrbios valvares ou cardiomiopatia isquêmica. Esses pacientes costumam sentir palpitações e dores no peito.

Síncope ortostática

A síncope ortostática é aquela que ocorre quando uma pessoa se levanta. De acordo com um estudo publicado na Offarm, a causa é que esse movimento provoca uma queda brusca da pressão arterial.

Às vezes, está relacionada a certas drogas consumidas, como os antidepressivos. Também pode estar associada ao consumo de álcool, desidratação e perda de sangue.

Síncope cerebrovascular

A síncope cerebrovascular está relacionada a um problema nos vasos sanguíneos responsáveis ​​pelo fornecimento de sangue oxigenado ao cérebro. É uma das menos frequentes e mais graves.

Pode ser devido à presença de aneurismas ou estar por trás de um acidente vascular cerebral. Na maioria dos casos, a causa é decorrente de um problema de aterosclerose que reduz o calibre das artérias e impede que o sangue flua normalmente.

Como lidar com os diferentes tipos de síncope?

Como vimos anteriormente, a síncope se caracteriza por uma série de sintomas e alguns deles funcionam como um alerta do que vai acontecer. É importante saber como agir para prevenir possíveis complicações relacionadas a quedas ou golpes provocados pela perda da consciência.

Como agir se você for desmaiar

Quando surgir a sensação de fraqueza ou desmaio iminente, é essencial encontrar um lugar para se sentar ou deitar. O ideal é deitar com as pernas levantadas para favorecer o fluxo de sangue até o cérebro.

Assim, além disso, podemos reduzir o risco de queda se ocorrer o desmaio. Quando se perde o tônus ​​postural e a pessoa cai, é possível bater a cabeça em qualquer objeto ou no próprio solo.

É importante permanecer deitado ou sentado até que a sensação de tontura desapareça. Da mesma forma, quando chegar a hora de se levantar, faça-o lenta e progressivamente.

Como ajudar os outros

Se vir alguém com tontura ou desmaio, tente ajudá-lo. A primeira coisa é verificar os batimentos cardíacos e se a pessoa está respirando. É importante lembrar que a dinâmica pulmonar geralmente é mais fraca e superficial, mas devemos senti-la.

Seja qual for o caso, também é fundamental pedir ajuda, especialmente se a pessoa não recuperar a consciência ou tiver um ferimento.

Ajudar pessoa que desmaiou
Ajudar alguém com síncope requer rapidez e ter um contato de emergência disponível.

Como fazer o diagnóstico diferencial?

O fato de haver tantos motivos pelos quais o desmaio pode ocorrer dificulta, às vezes, o diagnóstico diferencial. Embora seja verdade que a grande maioria dos casos seja benigna e transitória, quando o quadro se repete é fundamental encontrar o motivo.

É por isso que o médico deve conhecer o histórico clínico completo do paciente, principalmente se sofre de algum tipo de doença ou se toma algum medicamento. Além disso, é importante fazer um exame físico correto.

Os exames complementares mais utilizados são o eletrocardiograma e o ecocardiograma. O primeiro nos permite observar como é a atividade elétrica do coração. É um teste simples, inócuo e de baixo custo. O ecocardiograma, por sua vez, fornece uma imagem detalhada da morfologia cardíaca.

O profissional também pode pedir um teste de esforço. A massagem do seio carotídeo consiste em massagear a carótida para ver se, ao fazê-lo, ocorre a síncope. É complementado com ressonância magnética ou tomografia computadorizada.

Podemos evitar alguns tipos de síncope

A síncope geralmente ocorre devido a certos gatilhos que podem ser facilmente identificados. Por exemplo, é comum que apareçam quando há um baixo nível de açúcar no sangue ou desidratação.

Portanto, uma maneira fácil de evitar o desmaio é comer várias vezes ao dia, mesmo em quantidades menores. Da mesma forma, é importante beber bastante água. Evitar o álcool e outras drogas, como a maconha, também reduz o risco.

Cada vez que você tiver que se levantar, é recomendável fazê-lo lenta e progressivamente, ainda mais se você estiver deitado há muito tempo. No entanto, se os desmaios ocorrerem com frequência, consulte um médico.

Pode interessar a você...
Quais são as causas da lipotimia?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Quais são as causas da lipotimia?

As causas da lipotimia são, em sua maioria, explicáveis. Algumas são mais frequentes, enquanto outras se referem a problemas em órgãos vitais.