5 remédios caseiros com hortelã que você vai gostar de conhecer

A hortelã se tornou popular como complemento de ervas para melhorar alguns problemas de saúde. No entanto, não deve ser considerado um tratamento de primeira linha para doenças.
5 remédios caseiros com hortelã que você vai gostar de conhecer

Última atualização: 05 Novembro, 2020

A hortelã é uma planta originária da Ásia Central e do Mediterrâneo que, por suas propriedades, é utilizada com fins culinários e medicinais. Caracteriza-se por um aroma agradável e, além disso, é valorizada por seu alto teor de compostos digestivos, antiespasmódicos e antissépticos.

Embora seja muito utilizada para dar um toque especial a drinques e sobremesas, também tem sido um ingrediente base para a elaboração de remédios naturais. Tanto seus extratos quanto suas folhas e óleos essenciais são utilizados no tratamento de problemas de saúde internos e externos.

Graças aos seus compostos sedativos, serve como complemento para tratar o estresse e outros distúrbios emocionais que afetam o bem-estar mental. Tendo em conta que muitos ainda não conhecem seus benefícios, queremos compartilhar neste artigo 5 remédios caseiros com hortelã.

Confira!

1. Remédio para aliviar as digestões lentas

Como indica uma publicação em Ancient Science of life, graças às suas propriedades digestivas, carminativas e anti-inflamatórias, as folhas de hortelã são úteis para tratar digestões lentas e o excesso de gases.

Seus compostos otimizam o processo de decomposição e o aproveitamento dos alimentos, e também facilitam a passagem dos resíduos através do intestino.

Ingredientes

  • Água (250 ml).
  • Hortelã (10 g).
  • Suco de limão (10 ml).

Preparo

  • Leve uma xícara de água ao fogo e, quando ferver, adicione as folhas de hortelã.
  • Tampe a bebida e deixe-a repousar durante 10 minutos.
  • Em seguida, coe com uma peneira e adicione uma colher de sopa de suco de limão.

Modo de consumo

  • Beba 2 ou 3 copos do chá de hortelã e limão ao dia.
  • Consuma depois de comer alimentos pesados.

Veja também: Como aliviar a indigestão naturalmente com plantas medicinais

2. Remédio para queimaduras superficiais

Os antioxidantes, as vitaminas e os minerais contidos nas folhas de hortelã são ideais para promover o processo de regeneração da pele no caso de queimaduras superficiais.

Os óleos naturais da planta refrescam a área afetada, reduzindo a irritação e a ardência. Uma pesquisa publicada em Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine destaca que a hortelã em particular ajuda a tratar queimaduras solares.

Ingredientes

  • Água (10 ml).
  • Mel (25 g).
  • Folhas de hortelã frescas (10 g).

Preparo

  • Triture as folhas de hortelã em um pilão e, em seguida, misture-as com a água e uma colher de sopa de mel.

Modo de consumo

  • Aplique a pasta sobre a área da queimadura e deixe agir por 15 minutos.
  • Enxágue e repita seu uso duas vezes ao dia.

3. Remédio de hortelã para a tosse

Os óleos essenciais das folhas de hortelã ajudam a descongestionar o sistema respiratório e, graças a isso, são úteis para o tratamento da tosse e dos resfriados.

Entre outras coisas, como aponta uma revisão publicada em Phytotherapy Research, a hortelã contém mentol e exibe propriedades antibacterianas e antivirais.

Ingredientes

  • Água (250 ml).
  • Folhas de hortelã (10 g).
  • Suco de limão (5 ml).
  • Mel (25 g).

Preparo

  • Coloque as folhas de hortelã em uma xícara de água fervente e tampe.
  • Deixe a bebida repousar durante 10 minutos e, em seguida, coe.
  • Adicione o suco de limão e o mel, mexendo até dissolver.

Modo de consumo

  • Beba o chá em jejum, repetindo seu consumo no meio da tarde e antes de dormir.
  • Tome esse remédio natural até aliviar por completo a tosse.

4. Remédio para amenizar o estresse

Uma pesquisa publicada na Phytotherapy Research destaca que os extratos de hortelã causam efeitos no sistema nervoso central. Por esse motivo, costuma ser recomendado como remédio para combater o estresse e a insônia.

Nesse caso, potencializamos seus efeitos com outras plantas sedativas, portanto, é conveniente tomá-lo apenas à noite.

Ingredientes

  • Mel (25 g).
  • Valeriana (5 g).
  • Água (250 ml).
  • Flores de tília (5 g).
  • Folhas de hortelã (10 g).

Preparo

  • Coloque as plantas em uma xícara de água fervente, tampe e deixe repousar durante 10 minutos.
  • Após esse tempo, coe a infusão e adoce com uma colher de sopa de mel.

Modo de consumo

  • Beba o chá 30-60 minutos antes de deitar.
  • Tome 2 ou 3 vezes por semana.

Você sabia?: 7 sintomas do estresse que você não deve ignorar

5. Remédio para melhorar a síndrome do intestino irritável

A hortelã contém uma substância chamada mentol que, de acordo com alguns estudos, ajuda a melhorar os sintomas da síndrome do intestino irritável por meio de seus efeitos relaxantes nos músculos do trato digestivo.

Ingredientes

  • Folhas de hortelã (10 g).
  • Água (250 ml).

Preparo

  • Coloque as folhas de hortelã em um xícara de água fervente.
  • Tampe da bebida, deixe repousar por 10 minutos e coe.

Modo de consumo

  • Beba uma xícara do remédio em jejum e, para obter melhores resultados, repita seu consumo no meio da tarde.
  • Beba o chá durante 2 ou 3 semanas.

Para considerar!

Os remédios com hortelã, como qualquer outro suplemento de ervas, não substituem os tratamentos médicos e não são a primeira opção terapêutica contra doenças. Portanto, se você tiver algum problema de saúde, consulte o médico e siga suas recomendações.

Além disso, se você estiver grávida ou amamentando, ou tiver uma doença, verifique se você pode tomar esse tipo de remédio. Lembre-se de que eles são apenas um coadjuvante e você não deve consumi-los em excesso.

Pode interessar a você...
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 benefícios de consumir hortelã

Calmante mas vigorante, a hortelã é uma das muitas variedades da família da bem conhecida menta. Conheças aqui os benefícios de consumir hortelã.



  • Moloudizargari, M., Aghajanshakeri, S., Mikaili, P., & Mojaverrostami, S. (2013). Pharmacological and therapeutic effects of Mentha Longifolia L. and its main constituent, menthol. Ancient Science of Life. https://doi.org/10.4103/0257-7941.139059
  • Tian, W., Akanda, M. R., Islam, A., Yang, H. D., Lee, S. C., Lee, J. H., … Park, B. Y. (2018). The anti-stress effect of mentha arvensis in immobilized rats. International Journal of Molecular Sciences. https://doi.org/10.3390/ijms19020355
  • Mikaili P, Mojaverrostami S, Moloudizargari M, Aghajanshakeri S. Pharmacological and therapeutic effects of Mentha Longifolia L. and its main constituent, menthol. Anc Sci Life. 2013;33(2):131–138. doi:10.4103/0257-7941.139059
  • Taneja, S. C., & Chandra, S. (2012). Mint. In Handbook of Herbs and Spices: Second Edition. https://doi.org/10.1533/9780857095671.366
  • Lawrence, B. M. (2007). Mint The genus Mentha. CRC Press. https://doi.org/10.1007/s13398-014-0173-7.2
  • Sazhina, N. N., Misin, V. M., & Korotkova, E. I. (2014). Antioxidant activity of mint. In Food Composition and Analysis: Methods and Strategies. https://doi.org/10.1201/b16843
  • Sivropoulou, A., Kokkini, S., Lanaras, T., & Arsenakis, M. (1995). Antimicrobial Activity of Mint Essential Oils. Journal of Agricultural and Food Chemistry. https://doi.org/10.1021/jf00057a013
  • Ben-Arye E, Dudai N, Eini A, Torem M, Schiff E, Rakover Y. Treatment of upper respiratory tract infections in primary care: a randomized study using aromatic herbs. Evid Based Complement Alternat Med. 2011;2011:690346. doi:10.1155/2011/690346
  • McKay, D. L., & Blumberg, J. B. (2006). A review of the bioactivity and potential health benefits of peppermint tea (Mentha piperita L.). Phytotherapy Research. https://doi.org/10.1002/ptr.1936
  • López, V., Martín, S., Gómez-Serranillos, M. P., Carretero, M. E., Jäger, A. K., & Calvo, M. I. (2010). Neuroprotective and neurochemical properties of mint extracts. Phytotherapy Research. https://doi.org/10.1002/ptr.3037
  • Merat, S., Khalili, S., Mostajabi, P., Ghorbani, A., Ansari, R., & Malekzadeh, R. (2010). The effect of enteric-coated, delayed-release peppermint oil on irritable bowel syndrome. Digestive Diseases and Sciences. https://doi.org/10.1007/s10620-009-0854-9