Os problemas causados pela retenção urinária

· 27 de outubro de 2013
A necessidade de ir ao banheiro várias vezes é natural. Não é saudável a interrupção dessa necessidade. Veja a seguir as consequências da retenção urinária.

A necessidade de ir ao banheiro várias vezes ao dia é natural e fundamental, pois o corpo precisa expulsar impurezas. Assim, não é saudável a interrupção dessa necessidade. Veja a seguir as consequências da retenção urinária.

O costume de segurar a urina pode ter consequências graves. Estes períodos de retenção podem causar infecções urinárias, que são infecções bacterianas graves que geralmente afetam o trato urinário.

Isto acontece porque os micro-organismos contidos na urina permanecem por muito tempo (mais do que o habitual) na bexiga.

Com o passar do tempo, essas infecções podem afetar os rins e então serem a causa de doenças muito mais graves, como veremos a seguir.

Leia também: Combata as infecções das vias urinárias com estes 5 remédios naturais

Cálculos renais (pedras nos rins) causados pela retenção urinária

As pessoas que são propensas a desenvolverem cálculos renais e que retenham a urina por qualquer motivo, devem ficar atentas, pois as consequências podem ser graves.

Os cálculos renais são pequenas pedras que cristalizam nos rins devido ao acúmulo de sódio ou cálcio.

Se não urinarmos regularmente, em algum momento os cálculos se formarão e terão de sair através do trato urinário. Isso então provocará uma das piores dores conhecidas na medicina.

Problemas causados pela retenção urinária
Os cálculos renais provocam uma das piores dores reconhecidas pela medicina.

Reter a urina por muito tempo, pode causar problemas graves e principalmente dolorosos.

Cistite causada pela retenção urinária

A cistite é a inflamação da parede da bexiga, e é um problema muito recorrente em mulheres. Seus principais sintomas são:

– dor pélvica;

– queimação e dor ao urinar.

As quantidades de urina são mínimas, assim, as visitas ao banheiro são mais frequentes.

Alargamento da bexiga

A capacidade média de uma bexiga normal de um adulto é de 700 a 800 ml. No entanto, se toma oito copos de água por dia, equivalente a cerca de 1,6 litros, a bexiga pode armazenar em excesso a quarta parte de copos de água que você ingeriu.

Sendo assim, não adianta seguir à risca as orientações de consumir a água necessária para o bom funcionamento do organismo diariamente, se você não vai ao banheiro quando sente a necessidade de urinar.

Um dos principais motivos para nos aconselharem a ingerir bastante água é justamente o de limpar os rins.

No entanto, só conseguimos limpa-lo de fato, evacuando a urina através da água que bebemos.

Dessa maneira, as impurezas que o corpo não necessita e o excesso de água serão eliminados. Não eliminar este excesso de água pode causar inúmeros problemas, um deles é o alargamento da bexiga.

Saiba mais: Frutas adequadas para tratar a infecção urinária

Efeitos adversos da retenção urinária

Como já mencionado, reter a urina pode causar efeitos secundários, tais como:

  • Dor constante e severa ao urinar
  • Febre, que é causada pelo efeito de bactérias que não tenham sido expulsas do corpo pela urina
  • Calafrios
  • Dor de estômago
  • Cólicas
  • Ansiedade
  • Dificuldade em concentrar-se em algo que não seja a vontade de urinar

Sendo assim, percebemos que há muitos problemas de saúde que poderíamos evitar obedecendo aos apelos do corpo e prestando atenção às nossas necessidades.

Esperamos que, depois de saber essas recomendações, nossos leitores se preocupem mais em manter suas bexigas livres de resíduos perigosos e os rins em bom estado.

Lembrem-se que estes são alguns dos principais órgãos do nosso corpo. Seria irresponsável de nossa parte deixar que a preguiça de parar para ir ao banheiro nos provoque um grave problema de saúde.

  • Jorge, B., Mazzo, A., Martins, J., Henriques, F., & Cassini, M. (2017). The person with urinary retention: student perception and scientific evidence on the use of portable ultrasound scanners. Revista de Enfermagem Referência. http://doi.org/10.12707/RIV16078