Por que a voz de uma mãe “desperta” o cérebro de seu filho?

27 de outubro de 2016
Um estudo demonstrou que a voz da mãe desperta o cérebro de seu filho para abrir novas vias de pesquisa na psicologia infantil.

“Mãe não há mais do que uma”, é uma frase que desde sempre esteve sujeita a discussões. Porém, a ciência está cada vez mais próxima de demonstrar que é assim para a mente das crianças.

Muitos meios têm divulgado um estudo desenvolvido pela Universidade da Colúmbia Britânica, onde assinala que escutar a voz da mãe ativa o cérebro do filho de forma surpreendente.

O autor do trabalho principal explica que, quando os pequenos escutam a voz de sua progenitora, inicia-se de forma automática uma sucessão de conexões neuronais que não ocorre com nenhum outro som.

Isso nem se quer acontece quando uma mulher com um timbre de voz parecido ao da mãe pronuncia a mesma palavra.

As regiões cerebrais que começam a se ativar são as emocionais, as sociais, as de reconhecimento de rosto e as que se encarregam de diferenciar o que é importante do que não é.

É surpreendente que um som tenha a capacidade de originar tamanha onda de reações.

Os escâneres demonstram que a voz da mãe desperta o cérebro do filho

Máe e filho

Para este estudo escolheram 24 crianças de idades compreendidas entre os 7 e os 12 anos, que tinham compartilhado a casa durante toda a vida com sua mãe e foi comprovado que o consciente intelectual dos mesmos esteve dentro dos limites normais.

O procedimento foi simples. Todas as crianças foram escanadas enquanto escutavam sua mãe e uma outra mulher articulando uma série de palavras sem sentido. O resultado não pôde ser mais clarividente.

Se deram conta de que quando a primeira começou a falar, 97% dos casos repetia o mesmo circuito biológico para confirmar que a voz da mãe desperta o cérebro do filho.

Quer saber mais? Leia: Alimente as crianças com amor e seus medos morrerão de fome

Porém, o descobrimento não fica aí, mas sim que o diretor afirma que tal resposta se traduz em uma melhora das habilidades sociais das crianças.

Isso explica por que durante a infância a presença da mãe é tão necessária, tendo em conta os benefícios cerebrais e emocionais que são gerados.

Uma descoberta para o futuro

 

Máe preparando seu filho para escola

Os benefícios dessa descoberta não se limitam a certificar a forte relação que existe entre mães e filhos, mas sim que abre todo um campo de pesquisas em torno do uso da voz materna na terapia de crianças com transtornos como o autismo.

Como sabemos, este problema se caracteriza pela dificuldade para se relacionar com outras pessoas como com si mesmo, assim como com a obsessão por organizar as coisas de uma forma determinada e a necessidade de ter seus dias programados.

Tudo isso se deve ao fato de que as pessoas com este problema recebem mais estímulos do que um cérebro pode gerir. Assim, se a voz da mãe desperta o cérebro do filho, poderia-se recorrer a gravações para centrar e relaxar aos afetados.

Assim, parece que o fenômeno descoberto poderia ser um excelente ponto de partida para experimentar tratamentos orientado a melhorar a intensidade do problema, já que apresenta a vantagem de atuar sobre sua origem e não sobre seus sintomas.

Não se esqueça de ler: Mahe, o cão e amigo que cuida de crianças com autismo

A importância de abordar o problema desde sua origem

Cèrebro de papel

Durante muitos anos a medicina tem necessitado se concentrar em diagnosticar e desenvolver tratamentos a partir dos sintomas.

Nas últimas décadas, os pesquisadores e a tecnologia facilitaram as buscas de soluções, permitindo que elas partam de onde a dificuldade se inicia.

Sem dúvidas, o avanço é enorme, porque multiplica de forma exponencial as possibilidades e sucesso. Por isso é tão importante a descoberta de que a voz da mãe desperta o cérebro do filho.

Como dizíamos, abre-se um leque enorme de esperanças para as terapias daqueles transtornos psicológicos que dificultam o desenvolvimento das crianças desde a primeira infância.

Inclusive, poderia acabar com os tratamentos farmacológicos e, portanto, com seus efeitos secundários, como acontece com as terapias ocupacionais.

Saber que a voz da mãe desperta as conexões cerebrais do filho através de todo um circuito estabelecido de sinapses nos encoraja a usar tais resultados no campo psicológico.

Ao mesmo tempo, nos impulsiona para continuar trabalhando no conhecimento de como funciona nosso organismo e por que ocorrem anomalias.

Recomendados para você