Pólipos no útero, o que você deveria saber?

12 de setembro de 2019
Na maioria dos casos os pólipos no útero não geram nenhum sintoma. Eles são quase sempre de caráter benigno, embora em aproximadamente 1% dos casos possam se tornar uma patologia maligna. Quer saber mais sobre isso? 

Os pólipos no útero é um crescimento excessivo de tecido na parede interna desse órgão. Eles têm tamanhos variados, variando de alguns milímetros a vários centímetros. Alguns atingem o volume de uma bola de golfe, ou até mais.

O mais comum é que apareçam em mulheres entre 40 e 65 anos. Apesar disso, também foram encontrados pólipos no útero de meninas de 12 anos e mulheres de 81 anos. Portanto, podem aparecer em qualquer idade.

O que são pólipos no útero? 

Mulher explicando onde se desenvolvem os pólipos no útero

Os pólipos no útero são pequenos nódulos em forma de dedo que crescem na parede interna do útero. Essa parede é chamada endométrio, e por isso, também se fala de “pólipos endometriais”. Eles ocorrem pela proliferação de células, e o consequente crescimento do endométrio.

Uma mulher pode ter um ou vários pólipos no útero. Que geralmente permanecem dentro deste órgão, embora às vezes se deslize pelo colo do útero até a vagina. Eles são mais frequentes em mulheres que estão na menopausa, ou que já passaram por esse estágio.

A grande maioria dos pólipos no útero é benigna. Apenas uma porcentagem de 0,5 a 1% tem malignidade. Geralmente, os pólipos malignos são aqueles que ocorrem após a menopausa, têm um tamanho superior a 2 cm, e geram sangramento na pós-menopausa.

Você pode estar interessado em ler também: Água de semente de chia: remédio para a síndrome do ovário policístico

Sintomas e diagnóstico dos pólipos uterinos

A maioria dos pólipos uterinos não apresenta sintomas. E geralmente são detectados durante um exame de rotina. Nos casos em que há sintomas, geralmente incluem as seguintes manifestações:

  • Em primeiro lugar, sangramento anormal. Pode compreender um sangramento muito intenso durante o período menstrual (menorragia); sangramento não relacionado à menstruação, ou seja, aquele que ocorre após a menopausa (metrorragia); ou um sangramento depois de ter relações sexuais.
  • Também pode provocar infertilidade. A dificuldade ou incapacidade de conceber pode estar relacionada aos pólipos uterinos.
  • Além disso, podem ocorrer abortos.
  • Certamente, a paciente sente dor. Ocorre quando os pólipos se movem para a vagina.

O diagnóstico dos pólipos uterinos é realizado através de diferentes testes, tais como:

  • Ecografia transvaginal. É realizada através da introdução de um dispositivo em forma de bastonete, dentro da vagina. Que cria uma imagem através de ondas sonoras.
  • Histeroscopia. Um telescópio flexível, fino e brilhante é inserido na vagina e no colo do útero. Este permite observar o interior do órgão.
  • Biópsia endometrial. É realizada por um cateter de sucção. Uma amostra é coletada e examinada em laboratório. Não possui cem por cento de confiabilidade.

Leia também: 7 fatores que podem influenciar o surgimento do câncer do colo do útero

Causas dos pólipos no útero 

Tamanho do pólipo

A ciência não sabe a razão pela qual os pólipos são gerados no útero. Hipóteses sobre suas possíveis origens genéticas, hormonais e outras foram propostas. No entanto não há resultados conclusivos até o momento.

O que foi detectado é que existem alguns fatores de risco. São os seguintes:

  • Primeiramente, altos níveis de estrogênio.
  • Por outro lado, o uso de tamoxifeno. É um medicamento usado no tratamento do câncer de mama. Aumenta o risco de formação de pólipos uterinos.
  • Além disso, tratamentos hormonais na pós-menopausa.
  • Também, pacientes com obesidade.
  • Hipertensão.
  • Finalmente, outras doenças. A síndrome de Lynch, a síndrome de Cowden, e outras doenças raras estão associadas ao desenvolvimento de pólipos uterinos.

Outros dados interessantes 

Sem dúvida alguma, o tratamento geralmente dado aos pólipos no útero é a remoção cirúrgica ou polipectomia. Este procedimento é realizado por curetagem ou raspagem uterina, ou mediante ressecção por histeroscopia. Em suma, este último procedimento é o mais seguro e mais eficaz.

A cirurgia é especialmente indicada nos seguintes casos:

  • Em primeiro lugar, mulheres pré-menopáusicas.
  • Por outro lado, mulheres pré-menopáusicas assintomáticas, com pólipos maiores que 1,5 cm de diâmetro.
  • Finalmente, mulheres pós-menopáusicas sintomáticas e assintomáticas.

Em conclusão, nos casos em que surgem pólipos como resultado da ingestão de tamoxifeno, deve ser feito um estudo cuidadoso de cada situação específica. Além disso, é recomendável que todas as mulheres façam exames regulares com o ginecologista, para detectar qualquer problema a tempo.

 

  • Ralph, C., Zajer, C., De Petris, V., Gejman, R., & Cuello, M. (2014). Pólipo endometrial, una causa infrecuente de sangrado genital anormal en la adolescencia. Revista chilena de obstetricia y ginecología, 79(4), 305-310.
  • Kent A. Endometrial polyp investigation. Rev Obstet Gynecol. 2009;2(3):201.
  • Nijkang NP, Anderson L, Markham R, Manconi F. Endometrial polyps: Pathogenesis, sequelae and treatment. SAGE Open Med. 2019;7:2050312119848247. Published 2019 May 2. doi:10.1177/2050312119848247
  • Kanthi JM, Remadevi C, Sumathy S, Sharma D, Sreedhar S, Jose A. Clinical Study of Endometrial Polyp and Role of Diagnostic Hysteroscopy and Blind Avulsion of Polyp. J Clin Diagn Res. 2016;10(6):QC01–QC4. doi:10.7860/JCDR/2016/18173.7983
  • Lieng M, Istre O, Qvigstad E. Treatment of endometrial polyps: a systematic review. 2010. In: Database of Abstracts of Reviews of Effects (DARE): Quality-assessed Reviews [Internet]. York (UK): Centre for Reviews and Dissemination (UK); 1995-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK79302/