Pólipos no útero, o que você deveria saber?

Na maioria dos casos os pólipos no útero não geram nenhum sintoma. Eles são quase sempre de caráter benigno, embora em aproximadamente 1% dos casos possam se tornar uma patologia maligna. Quer saber mais sobre isso? 

Última atualização: 12 Setembro, 2019

Os pólipos no útero é um crescimento excessivo de tecido na parede interna desse órgão. Eles têm tamanhos variados, variando de alguns milímetros a vários centímetros. Alguns atingem o volume de uma bola de golfe, ou até mais.

O mais comum é que apareçam em mulheres entre 40 e 65 anos. Apesar disso, também foram encontrados pólipos no útero de meninas de 12 anos e mulheres de 81 anos. Portanto, podem aparecer em qualquer idade.

O que são pólipos no útero? 

Os pólipos no útero são pequenos nódulos em forma de dedo que crescem na parede interna do útero. Essa parede é chamada endométrio, e por isso, também se fala de “pólipos endometriais”. Eles ocorrem pela proliferação de células, e o consequente crescimento do endométrio.

Uma mulher pode ter um ou vários pólipos no útero. Que geralmente permanecem dentro deste órgão, embora às vezes se deslize pelo colo do útero até a vagina. Eles são mais frequentes em mulheres que estão na menopausa, ou que já passaram por esse estágio.

A grande maioria dos pólipos no útero é benigna. Apenas uma porcentagem de 0,5 a 1% tem malignidade. Geralmente, os pólipos malignos são aqueles que ocorrem após a menopausa, têm um tamanho superior a 2 cm, e geram sangramento na pós-menopausa.

Você pode estar interessado em ler também: Água de semente de chia: remédio para a síndrome do ovário policístico

Sintomas e diagnóstico dos pólipos uterinos

A maioria dos pólipos uterinos não apresenta sintomas. E geralmente são detectados durante um exame de rotina. Nos casos em que há sintomas, geralmente incluem as seguintes manifestações:

  • Em primeiro lugar, sangramento anormal. Pode compreender um sangramento muito intenso durante o período menstrual (menorragia); sangramento não relacionado à menstruação, ou seja, aquele que ocorre após a menopausa (metrorragia); ou um sangramento depois de ter relações sexuais.
  • Também pode provocar infertilidade. A dificuldade ou incapacidade de conceber pode estar relacionada aos pólipos uterinos.
  • Além disso, podem ocorrer abortos.
  • Certamente, a paciente sente dor. Ocorre quando os pólipos se movem para a vagina.

O diagnóstico dos pólipos uterinos é realizado através de diferentes testes, tais como:

  • Ecografia transvaginal. É realizada através da introdução de um dispositivo em forma de bastonete, dentro da vagina. Que cria uma imagem através de ondas sonoras.
  • Histeroscopia. Um telescópio flexível, fino e brilhante é inserido na vagina e no colo do útero. Este permite observar o interior do órgão.
  • Biópsia endometrial. É realizada por um cateter de sucção. Uma amostra é coletada e examinada em laboratório. Não possui cem por cento de confiabilidade.

Leia também: 7 fatores que podem influenciar o surgimento do câncer do colo do útero

Causas dos pólipos no útero 

A ciência não sabe a razão pela qual os pólipos são gerados no útero. Hipóteses sobre suas possíveis origens genéticas, hormonais e outras foram propostas. No entanto não há resultados conclusivos até o momento.

O que foi detectado é que existem alguns fatores de risco. São os seguintes:

  • Primeiramente, altos níveis de estrogênio.
  • Por outro lado, o uso de tamoxifeno. É um medicamento usado no tratamento do câncer de mama. Aumenta o risco de formação de pólipos uterinos.
  • Além disso, tratamentos hormonais na pós-menopausa.
  • Também, pacientes com obesidade.
  • Hipertensão.
  • Finalmente, outras doenças. A síndrome de Lynch, a síndrome de Cowden, e outras doenças raras estão associadas ao desenvolvimento de pólipos uterinos.

Outros dados interessantes 

Sem dúvida alguma, o tratamento geralmente dado aos pólipos no útero é a remoção cirúrgica ou polipectomia. Este procedimento é realizado por curetagem ou raspagem uterina, ou mediante ressecção por histeroscopia. Em suma, este último procedimento é o mais seguro e mais eficaz.

A cirurgia é especialmente indicada nos seguintes casos:

  • Em primeiro lugar, mulheres pré-menopáusicas.
  • Por outro lado, mulheres pré-menopáusicas assintomáticas, com pólipos maiores que 1,5 cm de diâmetro.
  • Finalmente, mulheres pós-menopáusicas sintomáticas e assintomáticas.

Em conclusão, nos casos em que surgem pólipos como resultado da ingestão de tamoxifeno, deve ser feito um estudo cuidadoso de cada situação específica. Além disso, é recomendável que todas as mulheres façam exames regulares com o ginecologista, para detectar qualquer problema a tempo.

Pode interessar a você...
Mejor con SaludLeerlo en Mejor con Salud
Primeiros sintomas hormonais do câncer de pâncreas

O câncer de pâncreas é uma doença que afeta pacientes do sexo masculino e feminino, em qualquer idade. A seguir, mais detalhes

 



  • Ralph, C., Zajer, C., De Petris, V., Gejman, R., & Cuello, M. (2014). Pólipo endometrial, una causa infrecuente de sangrado genital anormal en la adolescencia. Revista chilena de obstetricia y ginecología, 79(4), 305-310.
  • Kent A. Endometrial polyp investigation. Rev Obstet Gynecol. 2009;2(3):201.
  • Nijkang NP, Anderson L, Markham R, Manconi F. Endometrial polyps: Pathogenesis, sequelae and treatment. SAGE Open Med. 2019;7:2050312119848247. Published 2019 May 2. doi:10.1177/2050312119848247
  • Kanthi JM, Remadevi C, Sumathy S, Sharma D, Sreedhar S, Jose A. Clinical Study of Endometrial Polyp and Role of Diagnostic Hysteroscopy and Blind Avulsion of Polyp. J Clin Diagn Res. 2016;10(6):QC01–QC4. doi:10.7860/JCDR/2016/18173.7983
  • Lieng M, Istre O, Qvigstad E. Treatment of endometrial polyps: a systematic review. 2010. In: Database of Abstracts of Reviews of Effects (DARE): Quality-assessed Reviews [Internet]. York (UK): Centre for Reviews and Dissemination (UK); 1995-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK79302/