Pleurite: sintomas, causas e tratamento

24 de dezembro de 2019
Na pleurisia ou pleurite, a membrana chamada pleura está inflamada. Essa membrana cobre os pulmões e, quando sofre alterações, seu principal sintoma é a dor. Neste artigo, mostramos quais são as causas da pleurisia e seus tratamentos.

A pleurite também é chamada de pleurisia. Ambos os termos designam a mesma situação: uma inflamação da membrana torácica conhecida como pleura.

A pleura é um tecido fino que reveste os pulmões e os separa da parede torácica. Na verdade, a pleura tem duas partes; uma delas está ligada ao pulmão e a outra à própria parede do tórax.

Entre as duas placas da pleura existe um espaço minúsculo. Esse espaço é conhecido como virtual porque não existe ou é evidente, a menos que algo o ocupe. O ar pode ocupar esse espaço, constituindo um pneumotórax. Da mesma forma, isso pode ser feito por uma substância líquida, constituindo derrame pleural.

Não é incomum que a pleurite esteja associada ao derrame pleural. Quando a pleura está inflamada, pode produzir líquido inflamatório que é depositado no espaço pleural. Isso indica que diferentes distúrbios da pleura podem responder à mesma causa.

Causas de pleurite

As causas da pleurisia são diferentes. Estes são alguns dos distúrbios que podem causar a inflamação da pleura:

  • Doenças autoimunes: algumas patologias autoimunes são capazes de atacar a pleura. É o caso da artrite reumatoide, por exemplo, que é causa de pleurisia.
  • Câncer de pulmão: a doença oncológica do sistema respiratório pode atacar a pleura. Às vezes, as membranas pleurais ficam inflamadas devido à proximidade do tumor primário e outras vezes porque as metástases do câncer de pulmão se alojam na pleura.
  • Pneumonia: a pneumonia, de origem bacteriana ou viral, causa a inflamação da pleura pelo mesmo processo infeccioso.
  • Micose: existem fungos que infectam seres humanos, precisamente em seus órgãos internos, e que podem tomar a pleura como ponto de assentamento. A pleurisia fúngica é difícil de tratar porque os antifúngicos precisam de muito tempo para começar a agir e porque o acesso de medicamentos à pleura não é tão rápido quanto com outros órgãos.
  • Trauma no tórax: o trauma no peito e na lateral da parede torácica, mais precisamente nas costelas, está associado à pleurite. A inflamação ocorre por proximidade com as estruturas vizinhas.

Quer saber mais? Então leia: Dor no peito ao tossir: quais são suas causas?

Dor no peito ocasionada por pleurite

Leia também: 8 sintomas da pneumonia que você não pode ignorar

Sintomas de pleurite

O sinal característico da pleurisia é dor no peito. Em geral, é uma dor intensa, mas intermitente, que é exacerbada ao tossir ou ao respirar fundo.

Juntamente com a dor aparece a dispneia. A dispneia é a falta de ar percebida pelo paciente, por inalação ou expiração. Como em um círculo vicioso, pode acontecer que o esforço excessivo para respirar piore a dor no peito. Outra sintomatologia dependerá da causa que origine a pleurisia.

  • No caso de pneumonia, haverá febre e tosse adicionada.
  • No câncer de pulmão, haverá perda de peso, anemia ou alterações na cor da pele.
  • Quando ocorre uma doença autoimune, geralmente as articulações são afetadas, por exemplo.

Se a pleurisia for acompanhada de derrame pleural, a dor característica variará levemente. O líquido acumulado no derrame aumenta a dor em certas posturas e posições corporais. A dispneia também é mais evidente devido à pressão do derrame no pulmão.

Radiografia de pulmão para diagnóstico

O médico procurará todas as alternativas de diagnóstico à pleurisia para determinar o que a ocasiona.

Tratamentos

O tratamento da pleurite dependerá em grande parte da causa que a gerou. Entretanto, lembre-se de que não é uma doença em si mesma, mas é uma situação derivada de outra patologia.

A dor da pleurisia é tratada com anti-inflamatórios, independentemente da causa que a origine. Um medicamento comumente usado para o controle da dor, por exemplo, é o ibuprofeno. Em casos mais graves, pode ser utilizada a morfina e seus derivados.

Quando a dor for aumentada pela tosse, será avaliado o uso de supressores da tosse. No entanto, nem sempre são recomendados, porque a tosse é um mecanismo de defesa utilizado pelo organismo para solucionar uma situação atípica.

Para infecções, o tratamento será o antimicrobiano que funciona contra o agente invasor. Aliás, existem protocolos para pneumonia, infecção fúngica e condições de estados gripais que determinam quais etapas devem ser seguidas em cada estágio.

Se o derrame pleural estiver associado à pleurisia, o médico avaliará a necessidade de drenagem. O líquido contido na pleura pode ser extraído com certos procedimentos. Entretanto, nem todos os derramamentos exigem drenagem.

A existência de pleurite sempre obriga a encontrar a causa. Sendo assim, os profissionais de saúde solicitarão os métodos complementares que considerem adequados para alcançar um diagnóstico. Assim, depois que a causa for estabelecida, um tratamento que resolva a situação subjacente pode ser executado.

  • Porcel, José M. “Advances in the diagnosis of tuberculous pleuritis.” Annals of translational medicine 4.15 (2016).
  • Porfyridis, Ilias, et al. “Outcome of patients with non specific pleuritis after medical thoracoscopy.” (2016): PA3392.
  • Lafitte, Juan Pablo. “Tratamiento de la pleuresía con derrame.” (2015).
  • Crisafulli E, Aredano I, Valzano I, Burgazzi B, Andrani F, Chetta A. Pleuritis with pleural effusion due to a Bacillus megaterium infection. Respirol Case Rep. 2018;7(1):e00381. Published 2018 Nov 28. doi:10.1002/rcr2.381
  • Sharma JK, Marrie TJ. Explosive pleuritis. Can J Infect Dis. 2001;12(2):104–107. doi:10.1155/2001/656097