Placentofagia: é seguro comer a placenta da gravidez?

A placentofagia é uma prática que é promovida nas redes sociais e em alguns programas de televisão. A ciência adverte sobre sua inutilidade e também sobre os perigos que acarreta.
Placentofagia: é seguro comer a placenta da gravidez?

Última atualização: 01 agosto, 2022

Placentofagia é a prática controversa de comer a placenta após o parto. Tornou-se moda e seus principais promotores têm sido várias celebridades.

Deve-se notar que a placentofagia não é um conceito novo, mas se tornou popular há alguns anos, quando se espalhou o boato de que o ator Tom Cruise havia comido a placenta e o cordão umbilical de uma de suas filhas.

A partir de então, a prática foi associada a celebridades como Jennifer Lopez, Kim Kardashian e Alicia Silverstone, entre outras. Os defensores dizem que comer a placenta fornece vigor e previne a depressão pós-parto. É assim?

O que é placentofagia?

A placenta é um órgão fundamental durante a gravidez. Ele cumpre o papel de trazer nutrientes e oxigênio para o bebê, enquanto filtra os resíduos através do cordão umbilical. Depois que o bebê nasce, ocorre o parto, que é a expulsão da placenta para o exterior.

Os defensores da placentofagia afirmam que esta é uma prática saudável. Eles baseiam essa afirmação a partir de que os mamíferos que comem a placenta depois que seus filhotes nascem.

Embora isso seja verdade, a intenção dos animais não é deixar rastros para predadores.

A placentofagia é entendida como um costume antigo pela cultura popular. No entanto, não há evidências históricas convincentes de que isso seja verdade. Mesmo em comunidades submetidas à fome, não há relatos de que a placenta seja consumida como alimento.

O que há são referências ao uso de partes da placenta para diversos fins; às vezes mágico e outras vezes cosmético. As cápsulas são atualmente fabricadas com este órgão. Também é cozida ou comida cru.

Feto com sua placenta.
A placenta é um órgão chave da gravidez. 

Os supostos benefícios da placentofagia

A placentofagia ganhou força porque, supostamente, comer o órgão traz benefícios, tanto físicos quanto psicológicos. A fonte de nutrição para o feto está associada à ideia de que ele permanece nutritivo após o parto.

Entre os aparentes benefícios de comer a placenta , diz-se que é uma importante fonte de ferro, elemento requerido pelas mulheres após o parto. No entanto, uma investigação de 2016 provou que isso não é verdade. Não houve grande diferença entre comer cápsulas de placenta versus cápsulas de carne.

Também foi dito que é uma ótima fonte de vitamina K e um poderoso anti-hemorrágico, que seria muito valioso para lidar com alguns desconfortos após o parto. Até agora, não há evidências científicas de que tenha essas propriedades.

Um dos principais impulsionadores da placentofagia é seu suposto efeito benéfico contra a depressão pós-parto. Diz-se que traz vigor e reduz a fadiga, gerando um equilíbrio hormonal que melhora o humor. Nada disso foi comprovado.

Outros benefícios aparentes seriam os seguintes:

  • Alívio da dor.
  • Aumento da produção de leite materno.
  • Melhorar na contração do músculo uterino.
  • Aumentar a elasticidade da pele.

Os riscos da placentofagia

A placentofagia nada mais seria do que uma prática anedótica, mas na verdade acarreta riscos significativos. Via de regra, as placentas são colonizadas por bactérias em contato com o ambiente externo.

Várias dessas bactérias podem causar doenças.

No mercado, a placenta é submetida a um processo e depois encapsulada para ser ingerida. No entanto, esses tipos de procedimentos não são regulamentados e não há garantia de que os riscos biológicos serão eliminados.

Nos Estados Unidos há relatos de casos em que mães tomaram pílulas de placenta e continham estreptococos do grupo B. Ao dar leite aos filhos, os filhos se infectaram.

Um estudo publicado em 2018 observou que nenhum benefício real foi encontrado na placentofagia e, em vez disso, os riscos podem ser muito altos. Portanto, é uma prática que não é recomendada em hipótese alguma.

Outros riscos possíveis

Um risco subnotificado de placentofagia é o fato de que a placenta pode conter quantidades relativamente grandes de dois hormônios: estradiol e progesterona. Existe a possibilidade de que isso possa ter um efeito clínico, reduzindo a produção de leite e aumentando a formação de coágulos.

Da mesma forma, vestígios de elementos como arsênico, mercúrio e chumbo foram encontrados em muitas placentas. Não está claro se a quantidade em que são encontrados torna-se prejudicial à mãe e ao bebê.

Tromboembolismo por placentofagia.
Há suspeita de que a ingestão de placenta aumenta o risco de coagulação excessiva no corpo da mulher.

As modas nem sempre são saudáveis

A placentofagia não é apenas uma prática inútil, mas também potencialmente perigosa para a mãe e o bebê. Portanto, não é recomendado. As consequências podem ser fatais.

É verdade que existem vários desconfortos após o parto. No entanto, existem formas seguras de reduzi-los, sem incorrer em riscos. O que é indicado é atender o que a ciência diz e não seguir recomendações de celebridades nem influencers.

Pode interessar a você...
Meu bebê se mexe muito no útero: devo me preocupar?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Meu bebê se mexe muito no útero: devo me preocupar?

Se o bebê se mexe muito no útero, não é preciso se preocupar. A intensidade desses movimentos significa bem-estar no neurodesenvolvimento dele. Ent...



  • Gryder, L. K., Young, S. M., Zava, D., Norris, W., Cross, C. L., & Benyshek, D. C. (2017). Effects of human maternal placentophagy on maternal postpartum iron status: A randomized, double‐blind, placebo‐controlled pilot study. Journal of Midwifery & Women’s Health, 62(1), 68-79.
  • Alex Farr, Frank A. Chervenak, Laurence B. McCullough, Rebecca N. Baergen, Amos Grünebaum, Human placentophagy: a review, American Journal of Obstetrics and Gynecology, Volume 218, Issue 4, 2018, Pages 401.e1-401.e11, ISSN 0002-9378, https://doi.org/10.1016/j.ajog.2017.08.016.
  • Callupe Pardave, S. M. (2019). La placentofagia, en las gestantes atendidas en el Hospital de la Comunidad Urbana Autogestionaria de Huaycán-distrito de Ate, agosto 2018.