Paciente tratado com acupuntura auricular permanente

16 Maio, 2020
"O Parkinson havia roubado a minha capacidade de criar histórias", diz o paciente tratado com acupuntura auricular permanente.

José A. foi diagnosticado com o mal de Parkinson aos 65 anos de idade. Em vez de desanimar ou se dar por vencido, decidiu experimentar a acupuntura auricular permanente, como havia feito anos antes para tratar a sua lombalgia. Felizmente, o resultado foi muito positivo.

O mal de Parkinson demonstrou como as doenças neurodegenerativas afetam a qualidade de vida daqueles que sofrem com elas. No seu caso, José A. não hesitou em se colocar nas mãos da acupuntura para lidar com esta terrível doença.

O Centro de Medicina Neuro-Regenerativa recebe diariamente pacientes de todo o mundo, que trata com a sua terapia baseada em acupuntura permanente.

Acupuntura auricular permanente

A acupuntura auricular permanente é um tratamento que se aplica no pavilhão auricular e age – como outras técnicas de reflexologia – estimulando nosso organismo a partir de vários pontos reflexos.

Acupuntura no pavilhão auricular

Na orelha, assim como na sola do pé, vários pontos representam todo o nosso corpo. Assim, através dela, podemos agir sobre o Parkinson ou sobre qualquer outro distúrbio ou condição.

O Centro de Medicina Neuro-Regenerativa, patrocinado pelo criador da auriculoterapia, Dr. Ulrich Werth, oferece esse serviço há vários anos. Para realizá-lo, são utilizadas pequenas agulhas de titânio que, implantadas de forma subcutânea na cartilagem da orelha, atuam continuamente contra a doença e/ou a dor.

Doenças que não têm cura 

Doenças neurodegenerativas como o Parkinson, o Alzheimer e a Síndrome das Pernas Inquietas não têm cura – infelizmente – mas o fato de mitigar os sintomas é um avanço quando se trata de proporcionar bem-estar e independência aos afetados.

José A. é um dos pacientes de referência do Centro de Medicina Neuro-Regenerativa que compartilha de maneira otimista o seu testemunho de vida.

No caso dele, após a implantação das pequenas agulhas – que são completamente indolores ​​- a melhora foi instantânea: “Quando saí da clínica, estava andando com um passo firme. Até a minha voz mudou. Na verdade, liguei para minha esposa e ela ficou surpresa com a força que eu transmitia”.

“Eu adoro escrever, e o Parkinson havia me tirado a capacidade de criar histórias. Agora, graças à acupuntura permanente, também pude voltar a fazer isso”.

Se quiser obter mais informações sobre o tema, visite o site www.parkinsonysalud.com.