Os 7 tipos de infidelidade que você deve conhecer

17 de dezembro de 2017
Existem diferentes tipos de infidelidade. Desde o momento em que a confiança do casal fica vulnerável, prevalece um tipo de engano, uma traição.

Por mais curioso que possa parecer, existem na realidade diferentes tipos de infidelidade.

Quando pensamos neste tipo de dimensão tão impactante ao mesmo tempo tão disfuncional no equilíbrio de um relacionamento afetivo; vêm à mente o clássico membro de um relacionamento que engana o outro com uma terceira pessoa.

No entanto, é necessário saber que existem muitos modos de trair o companheiro.

Fidelidade é algo mais do que um compromisso mútuo no qual se acorda não ter relações sexuais com outras pessoas.

Fidelidade é um vínculo baseado no respeito, na intimidade, no reconhecimento pessoal e emocional, na dedicação, no interesse e no cuidado.

São pequenos laços que conferem resistência e solvência ao relacionamento; os quais, às vezes, basta com que algum aspecto falhe para que no mesmo instante surjam os medos, a desconfiança…

Além disso, saiba que a infidelidade aparece tanto nos homens quanto nas mulheres. Ainda que nem sempre exista o componente “sexual” que caracteriza os enganos mais comuns.

No entanto, existem outros tipos de infidelidade que também deixam o foco essencial de uma relação vulnerável: a confiança.

Os 7 tipos de infidelidade

1. Infidelidade emocional

Mulher sozinha com o fantasma do seu parceiro

Começaremos esta lista com um dos tipos de infidelidade mais comuns e, ao mesmo tempo, mais dramáticos.

Somos conscientes de que uma aventura por parte do outro com uma terceira pessoa dói e é motivo de ruptura em grande parte dos casos.
No entanto, o que acontece quando nosso companheiro se conecta emocionalmente com alguém de uma forma mais intensa do que conosco?

Aqui não há contato físico, porém, aquele vínculo baseado na cumplicidade, na confiança e na intimidade, pode ser muito revelador;  tanto que podemos considerá-lo como “uma aventura emocional” e como uma infidelidade em toda regra.

Descubra também: O mais importante na hora de buscar um parceiro

2. Relacionamento através das novas tecnologias (Cyber affair)

Muito comum hoje em dia, sem dúvida. Os relacionamentos virtuais ou estabelecidos online através de páginas de contatos ou os clássicos app dos celulares proporcionam um universo no qual é possível ter uma ou várias relações paralelas.

Nesse sentido, também não é necessário que exista contato físico ou relação sexual. O mero fato de manter comportamentos de cortejo, de troca de fotos, de conversas e interações carregadas de paquera ou inclusive tensão sexual implica em uma infidelidade.

3. Segredos e falta de honestidade

Homem preocupado porque sua mulher esteja sendo infiel

Podemos considerar a falta de honestidade como um dos tipos de infidelidade? Claro que sim! Já o mencionamos no início, desde o momento que a confiança do casal fica vulnerável, prevalece um tipo de engano, uma traição.

Se nosso companheiro é acostumado a mentir para nós, a esconder (omitir a verdade) e pratica, além disso, uma desonestidade constante devemos saber que estamos claramente diante de uma pessoa infiel.

Leia também: 5 hábitos de pessoas honestas

4. O parceiro ausente

O parceiro ausente é, como o termo bem diz, a pessoa que não está quando precisamos dela, a que investe seu tempo e seu interesse em aspectos que vão mais além do círculo do próprio casal.

Aqui, por exemplo, estamos diante daquela pessoa que trabalha demais e o faz porque gosta do status que sua posição de trabalho lhe confere; assim, coloca seu trabalho sempre à frente de sua própria parceira.

Temos também o exemplo daquelas pessoas com falta de lealdade que não estão quando precisamos de apoio, que não estão no dia a dia.

5. Infidelidade no vínculo

Mulher sendo infiel com outro homem

Seguimos nesse tipo de infidelidade no qual não há encontro sexual com outras pessoas, aprofundando em um tipo de traição que por mais que seja surpreendente, pode minar por completo o conceito de relacionamento amoroso.

Nesse sentido, teríamos um relacionamento no qual algum dos membros não ama o outro. Mantém o relacionamento por costume, por medo da solidão ou mera indecisão na hora de dar o passo para ser sincero consigo mesmo e com o outro.

São situações carregadas de falsidade que supõem, como se pode imaginar, um alto custo emocional.

6. Infidelidade baseada no desprezo

Há pessoas que têm como costume criticar ou desprezar o parceiro quando estão com terceiros.

Seja em uma reunião de amigos ou no trabalho, quem fala mal de seu parceiro sempre causa certa inquietude e repulsa. Não é adequado, nem lógico e nem respeitoso.

Se amamos, respeitamos. Se queremos alguém, defendemos e valorizamos, esteja ou não essa pessoa presente. Não fazê-lo desse modo também é uma infidelidade ao próprio compromisso estabelecido.

7. Infidelidade baseada em uma aventura amorosa

Mulher que se separou por causa da infidelidade do parceiro

Agora chegamos à mais clássica, essa que separa muitos casais, a que leva aos maiores desgastes emocionais, que fazem com que os terapeutas sejam necessários, aquela que precisa de tempo para pensar e de dores para gerenciar e superar.

Os enganos criados depois de manter uma longa aventura amorosa com alguém ou depois de viver um encontro sexual determinado, supõe esses tipos de infidelidade que muitos temem sofrer alguma vez na vida.

Muitos são deliberados e planejados. Outros, por outro lado, são casuais e não previsíveis. Porém, seja como for, a pessoa sempre é consciente de que o que está fazendo é trair, enganar seu parceiro.

A resposta sobre o que fazer ou o que não fazer é só nossa. De mais ninguém.

  • Castro, M. G., Poeschl, G., & Coimbra, J. L. (2010). Fidelidade e infedilidade nas relações amorosas: padrões discursivos. Actas do VII simpósio nacional de investigação em psicologia.
  • Pasqualini, L. Z., & Zacharias, D. G. TERAPIA DE CASAL E RELAÇÕES EXTRACONJUGAIS. Anais do Salão de Ensino e de Extensão, 77.
  • Salvino, S. C. A. (2016). A desculpa perfeita: percepção da infidelidade para homens e mulheres (Bachelor’s thesis, Universidade Federal do Rio Grande do Norte).