Ortopantomografia: o que é e para que serve?

A ortopantomografia é um método de diagnóstico odontológico que oferece ao profissional uma imagem geral da parte inferior da face. Descubra a seguir quando ela é necessária e como isso é feito.
Ortopantomografia: o que é e para que serve?

Última atualização: 27 maio, 2022

Atualmente a ortopantomografia é uma ferramenta diagnóstica comum na odontologia. Trata-se da execução de um raio-X que fornece uma visão detalhada da parte inferior do rosto do paciente.

Este estudo radiográfico ajuda o dentista a complementar as informações obtidas no exame clínico, além de permitir a detecção de patologias que não podem ser vistas a olho nu e o planejamento dos tratamentos de forma adequada.

Por fornecer informações relevantes sobre os maxilares e dentes seu uso está se tornando cada vez mais frequente. Continue lendo e aprenda mais sobre esse importante método de diagnóstico no atendimento odontológico.

O que é uma ortopantomografia?

A ortopantomografia é uma técnica radiográfica extrabucal que permite a obtenção de uma imagem da porção inferior da face. Ela tem a particularidade de o filme receptor e a fonte de raios X ficarem fora da boca do paciente.

O aparelho radiográfico realiza um movimento síncrono ao redor da cabeça do paciente, registrando as informações em várias radiografias. Essas placas sobrepostas capturam as estruturas tridimensionais do rosto em uma única imagem 2D.

A ortopantomografia também é conhecida como radiografia panorâmica, já que em uma única imagem geral podem ser visualizados o maxilar superior, a mandíbula e a dentição. Também é possível visualizar os dentes que ainda não nasceram e as estruturas que compõem a articulação temporomandibular.

Dessa forma a ortopantomografia significa um método diagnóstico complementar que fornece informações valiosas ao profissional na prática odontológica. Ela é muito útil para detectar lesões nos elementos dentários, condições ósseas, problemas de erupção e distúrbios da articulação temporomandibular.

Essas imagens também permitem o planejamento de determinados tratamentos como cirurgias, terapias periodontais e ortodônticas. Atualmente é possível realizar esse tipo de procedimento com equipamentos digitais que reduzem a dose de radiação utilizada.

Características da ortopantomografia

Uma das principais características da ortopantomografia é o fato de ela ser uma radiografia extrabucal. Ao contrário das outras placas dentais convencionais, neste caso o filme radiográfico é colocado fora da boca do paciente.

Para a realização desse tipo de exame é utilizado um aparelho radiográfico especial que possui um braço ancorado em uma coluna vertical. O dispositivo gira em torno da cabeça do paciente, e o tubo e a placa realizam um movimento síncrono que permite registrar todas as estruturas faciais que serão escaneadas conforme o dispositivo rodeia a pessoa.

Outro aspecto particular da ortopantomografia é a inclusão de várias estruturas orais e faciais importantes na mesma imagem radiográfica. É possível visualizar as duas arcadas dentárias, os seios maxilares, as articulações temporomandibulares de ambos lados e, embora com menos clareza, algumas estruturas moles.

Radiografia odontológica e ortopantomografia.
Embora o uso de radiação com esse método seja maior do que com as placas dentais convencionais, essa quantidade ainda é desprezível.

Para que servem as radiografias panorâmicas?

As informações fornecidas pelas radiografias panorâmicas são tão completas que seus usos são variados. A seguir mostramos as situações mais comuns em que uma ortopantomografia pode ser útil. Elas são as seguintes:

  • Cárie dentária: é possível observar manchas escuras que indicam a perda da estrutura dentária devido à cárie. Esse método ajuda a identificar lesões que são difíceis de visualizar no exame clínico ou que estão escondidas abaixo das restaurações. Ela também determina a extensão e a profundidade do dano, e a proximidade com a polpa.
  • Estrutura óssea: com a ortopantomografia é possível saber a quantidade e a qualidade da estrutura óssea. Assim, é possível observar por exemplo a perda de altura alveolar quando há periodontite ou analisar o remanescente de osso que permanece após a extração de um dente e a espessura das cristas para colocação de implantes.
  • Processos infecciosos: pode-se observar a presença de infecções ao redor do dente ou no osso.
  • Dentes não erupcionados: na ortopantomografia não são vistos apenas os dentes presentes na boca, mas também aqueles que ainda não nasceram e estão localizados dentro do osso. É possível observar o germe dentário, o grau de formação do dente e sua orientação e posição. Essas informações são muito úteis no agendamento de cirurgias para dentes retidos.
  • Cronologia dentária: observando os dentes irrompidos e o grau de formação dos que ainda não nasceram é possível determinar a idade dentária do paciente, sendo este um dado importante durante a infância. Além disso, é possível monitorar o processo eruptivo para analisar se ele está se desenvolvendo adequadamente.
  • Problemas da articulação temporomandibular.
  • Presença de lesões patológicas.

A importância da ortopantomografia no planejamento do tratamento

Além da importância dessa técnica radiográfica para o diagnóstico de diversas patologias, ela também é de extrema importância no planejamento de determinados procedimentos. Ter informações precisas sobre as estruturas bucais permite ao dentista decidir sobre os tratamentos a serem feitos.

No caso das cáries, detectar lesões ocultas e observar a gravidade da lesão ajudará o dentista a escolher uma obturação ou outro tipo de restauração. Muitas vezes será necessário remover correções com infiltração. Além disso, caso seja observado o comprometimento da polpa será inevitável a escolha de um canal radicular.

Em pacientes com gengivite e doença periodontal, a radiografia panorâmica permite verificar se existem infecções subgengivais. Também podem ser detectadas bolsas periodontais e abscessos dentários, além de analisar a perda de altura do osso alveolar.

O uso da ortopantomografia é essencial para a colocação de implantes dentários. Este estudo radiográfico permite analisar a espessura e qualidade do osso onde serão colocados os dispositivos, a relação com importantes marcos anatómicos e planejar a intervenção de forma precisa e segura.

As radiografias panorâmicas também são úteis em pacientes pediátricos. Ser capaz de monitorar o processo eruptivo e analisar as características das mandíbulas à medida em que elas se desenvolvem ajuda a detectar os problemas de forma precoce. Conhecer as características anatômicas da boca da criança é de extrema importância no planejamento dos tratamentos ortodônticos.

Como a ortopantomografia é realizada?

Como já mencionamos, a ortopantomografia é realizada com um equipamento radiográfico especial que gira em torno da cabeça do paciente. A realização deste exame é simples, segura e confortável para qualquer pessoa.

Em geral o procedimento é realizado com o paciente em pé, mas caso seja necessário ele pode ser adaptado para a realização em uma pessoa sentada. O paciente colocará um avental de chumbo para proteção e o dentista lhe mostrará como se posicionar para que os resultados sejam otimizados.

No momento do exame o paciente ficará de frente para o aparelho, e o dentista pedirá que ele morda uma peça plástica descartável que mantém a boca na posição correta e as arcadas dentárias separadas. A mandíbula ficará apoiada sobre uma projeção do dispositivo e as mãos segurando duas alças que ajudarão a pessoa a ficar o mais imóvel e ereta possível.

A máquina irá girar em torno da cabeça do paciente, registrando as estruturas faciais. Atualmente são utilizados dispositivos digitais que reduzem a quantidade de radiação utilizada e permitem que a imagem obtida seja visualizada em uma tela incorporada ao equipamento.

A duração do exame é de apenas alguns minutos e ele não requer nenhuma preparação prévia. Durante o procedimento o paciente não sente nenhum desconforto, e logo poderá voltar à sua rotina diária normal.

Colocação de suporte planejada com uma ortopantomografia.
O exame permite planejar tratamentos de longo prazo, como a ortodontia.

Esclarecimentos importantes

Caso a mulher saiba ou suspeite que está grávida, é necessário informar esse fato ao profissional que executa o exame, bem como o tempo da gestação. A radiação pode ser perigosa para o feto especialmente no início da gravidez e ao receber altas doses.

A quantidade de radiação usada na ortopantomogramas é mínima. No entanto, seu uso em mulheres grávidas deve ser limitado apenas para casos indispensáveis.

Se a necessidade desse método diagnóstico justificar a realização de exames radiográficos em uma gestante, este deve ser feito com todo o cuidado. A barriga e o pescoço da paciente devem ser cobertos com um avental de chumbo para proteger essas áreas sensíveis.

Idealmente a realização de radiografias deve ser evitada durante a gravidez,  especialmente no primeiro trimestre. Isso se deve ao fato de que neste período os órgãos vitais do bebê estão se desenvolvendo, e os riscos são maiores.

Em relação ao uso da ortopantomografia em pacientes pediátricos, também é conveniente que o profissional analise o custo-benefício da realização do procedimento. Embora seja preferível não expor as crianças à radiação, muitas vezes as informações fornecidas por esses estudos permitem o tratamento precoce de problemas que podem sofrer complicações se não for feita nenhuma intervenção.

Considerando a baixa quantidade de radiação utilizada pelos novos equipamentos e caso seja utilizada proteção adequada, a radiografia panorâmica pode oferecer informações valiosas para as consultas odontopediátricas. Diagnosticar e corrigir os problemas orais precocemente pode evitar problemas mais sérios no futuro.

Será sempre o dentista quem avaliará a real necessidade da aplicação desses exames em crianças. Além disso ele também precisará considerar a possibilidade de que a criança colabore para realizar o exame sem inconvenientes.

Também pode te interessar: Primeira visita da criança ao dentista

As imagens valiosas da ortopantomografia

Como você pode ver, a ortopantomografia é um exame rápido, confortável e seguro. Ela fornece informações valiosas em pouco tempo e de forma simples, para que o profissional possa fazer uma melhor abordagem no atendimento odontológico.

Além disso, os novos equipamentos exigem uma radiação mínima para obter imagens digitais de boa qualidade e de forma imediata. Mesmo com uma baixa exposição aos raios X, as estruturas maxilofaciais do paciente podem ser observadas de forma geral.

Portanto, se o seu dentista recomendar que você faça esse tipo de radiografia durante as consultas odontológicas, tenha em mente que você certamente obterá benefícios. Esse é um método confortável para você como paciente e que ajudará o profissional a oferecer o melhor atendimento possível.

Pode interessar a você...
O que são selantes dentais e para que eles servem?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
O que são selantes dentais e para que eles servem?

O uso de selantes dentais é um método preventivo que os dentistas aplicam para prevenir cáries. Descubra a seguir do que se trata.



  • Rodney Alberto, D. M., Elizabeth, V. B., & Ismara, Z. L. (2021, July). LA ORTOPANTOMOGRAFÍA COMO MEDIO ÚTIL EN LAS AFECCIONES DENTOMAXILOFACIALES. In cibamanz2021.
  • Santos, B. F. D. (2020). Ortopantomografia digital e CBCT na avaliação do paciente com DTM (Doctoral dissertation).
  • Rodríguez Peinado, N. (2017). Aplicación de la ortopantomografía digital al estudio del tamaño del área apical anterior y media en una población infantil con mordida cruzada unilateral.
  • Maldonado de Aquino, C. E. (2001). Ortopantomografía valoración e interpretación en ortodoncia. In Ortopantomografía valoración e interpretación en ortodoncia (pp. 40-40).
  • Martínez, M. T. V. (1989). La ortopantomografía, vínculo entre el ortodoncista y el odontopediatra. Ortodoncia española: Boletín de la Sociedad Española de Ortodoncia30(3), 167-173.
  • Carvalho, T. D. D. (2017). Precisão da ortopantomografia na medição do comprimento de implantes, numa clínica universitária (Doctoral dissertation).
  • Oliveira, L. C. S. D. (2018). A radiografia digital na Medicina Dentária (Doctoral dissertation).
  • Castillo Alcoser, C. M., Crespo Mora, V. I., Castelo Reyna, M. A., & León Velastegui, M. A. (2020). Análisis ortopantomográfico en la determinación de la posición recurrente de terceros molares. Revista Eugenio Espejo14(1), 8-17.
  • Macías, M. D. M., Muñoz-Macías, N. V., & Jimbo-Mendoza, J. C. (2017). Algunas consideraciones acerca de la radiografía panorámica. Polo del Conocimiento2(3), 103-111.
  • Fuentes, R., Arias, A., & Borie-Echevarría, E. (2021). Radiografía Panorámica: Una Herramienta Invaluable para el Estudio del Componente Óseo y Dental del Territorio Maxilofacial. International Journal of Morphology39(1), 268-273.