O que é endodontia?

12 de agosto de 2019
Você sabe o que é endodontia? Este procedimento é decisivo no tratamento da cárie em estágio avançado. Saiba mais sobre isso.

Endodontia ou tratamento de canal é um procedimento odontológico que é realizado quando a cárie avança o suficiente para não poder ser tratada com preenchimento ou obturação, pois está muito próxima da polpa ou do nervo dentário.

No momento em que a cárie é muito profunda, causa necrose da peça ou inflamação do nervo, chamada pulpite. Outras razões para a realização deste tratamento são, por exemplo, traumatismo dentário, fraturas, abrasão ou erosão dos dentes, ou patologias como o bruxismo.

A polpa dental, embora erroneamente, é chamada de nervo do dente. Está em sua parte mais interna, proporcionando vascularização e inervação à peça. Quando começa a ser afetada por qualquer motivo, produz dores ocasionais ou contínuas.

Normalmente começa a se manifestar com desconforto ao morder e sensibilidade ao frio ou calor, chamado de “pulpite reversível”. Agora, quando a dor é contínua, prolongada ou aumenta à noite, ela é conhecida como “pulpite irreversível”.

Métodos antes da endodontia

Antes de realizar uma endodontia, ou tratamento de canal, devemos sempre tentar salvar a peça dentária com métodos menos agressivos que incluam:

  • Proteção da polpa: trata-se de um tratamento realizado com algo semelhante a um preenchimento provisório que nos permite recuperar a peça de forma conservadora, corrigindo os danos da polpa ainda reversíveis.
  • Revestimento da polpa: é uma maneira de isolar a polpa exposta mediante a limpeza da cárie sob o preenchimento, usando uma camada de um medicamento.
  • Pulpotomia: é um tratamento que consiste em eliminar parcialmente a  polpa, cobrindo posteriormente a polpa remanente com substâncias medicinais.

Não deixe de ler: 5 hábitos que ajudam a cuidar da saúde dental

Como é realizado um tratamento de canal?

Dentista começando um tratamento de canal

A endodontia é um procedimento em que todo o nervo dentário é removido do dente afetado. Para a sua realização, é usada anestesia local. Remove-se o tecido nervoso dos canais radiculares através de limas dentárias.

As limas dentárias podem ser tanto manuais, realizando-se movimentos giratórios com a mão, como rotatórias, unidas a um motor endodôntico que gira as limas em baixas rotações.

As etapas seguintes para a endodontia são:

  • Anestesia local da peça a ser tratada.
  • Abertura da peça até atingir a polpa.
  • Remoção do nervo dos canais e desinfecção dos mesmos.
  • Preenchimento dos canais com material plástico.
  • Controle através de radiografia para verificar se o tratamento foi bem sucedido.
  • Reconstrução da peça.

Existe endodontia em crianças?

Nas crianças, antes de realizar o tratamento de canal, sempre tenta-se realizar a pulpotomia. Se isso não for possível, um tratamento chamado “pulpectomia” é realizado, o que equivale à endodontia, mas em dentes decíduos ou de leite.

A pulpectomia é também a remoção total da polpa, seguida da desinfecção, instrumentação e preenchimento do canal radicular.

A diferença é que nos dentes de leite não é possível eliminar toda a polpa do canal, deixando aproximadamente 4 mm no final do mesmo.

Desta forma, evitamos possíveis danos ao germe do dente permanente que está se formando acima do dente de leite.

Leia também: Remédios para evitar a cárie: as melhores opções

Desvantagens deste procedimento

Como em todos os tipos de tratamentos médicos, existem efeitos colaterais ou sequelas na peça dentária, entre eles encontramos por exemplo:

  • Fragilidade e maior risco de fratura.
  • Uma certa mudança na tonalidade e translucidez do dente.
  • Ocasionalmente, uma pequena cicatriz radiolúcida, que se assemelha à inflamação permanente na ponta da raiz dental

O que pode acontecer depois da endodontia?

Depois da endodontia o paciente pode sentir incômodo

Depois de um tratamento de canal, a dor deve desaparecer, já que removemos o nervo do dente. No entanto, é muito comum continuar com algum desconforto porque a área tratada pode ficar inflamada pelo procedimento. Isso pode durar aproximadamente dois ou três dias após a sua conclusão.

No entanto, existem alguns casos em que a endodontia não funciona, seja devido a uma falha no procedimento, à anatomia de cada dente, infecções, etc. Se assim for, o tratamento deve ser repetido.

No retratamento endodôntico, remove-se a obturação da cavidade endodôntica, limpa-se novamente, desinfeta-se e depois volta a ser obturado para selar o canal. Desta forma evitamos a extração da peça.

Em conclusão, este tratamento nos permite manter a peça na boca mesmo quando ela já estiver muito danificada. Mas o importante é ir ao dentista regularmente porque assim evitamos que a cárie avance e necessitemos o tratamento de canal, ou pior ainda, a extração do dente.

  • Abbott PV. Endodontics – Current and future. J Conserv Dent. 2012;15(3):202–205. doi:10.4103/0972-0707.97935
  • Tabassum S, Khan FR. Failure of endodontic treatment: The usual suspects. Eur J Dent. 2016;10(1):144–147. doi:10.4103/1305-7456.175682
  • Kishen A, Peters OA, Zehnder M, Diogenes AR, Nair MK. Advances in endodontics: Potential applications in clinical practice. J Conserv Dent. 2016;19(3):199–206. doi:10.4103/0972-0707.181925