O que é a dor torácica?

28 de dezembro de 2019
É considerada dor torácica toda aquela dor localizada entre o pescoço e o abdômen. Suas causas são muito variadas e, basicamente, podem ser cardiológicas ou não. Neste artigo descreveremos suas características e causas.

A dor torácica, para ser catalogada como tal, deve se localizar na zona anterior do tronco do corpo humano. Precisamente, deve ser sentida em alguma área entre o pescoço e o abdômen. Além disso, alguns a descrevem como dor, outros como incômodo. Também pode ser interpretada como uma pressão no peito.

Esta dor pode ser surgir de qualquer estrutura que se encontre no tórax. Pode ser uma dor originada em um órgão, como o esôfago, ou na parede torácica, desde os músculos, costelas ou nervos. Ademais, é possível que se irradie, espalhando a dor para o pescoço, para os membros superiores ou, até mesmo, para o rosto.

Às vezes, a dor torácica começa com uma dor na coluna e é sentida primeiramente na parte posterior. Isso dependerá da origem pontual da doença que gera a dor. De todas as maneiras, para ser considerada do tórax, deve se manifestar na frente do corpo.

É uma dor que as pessoas temem muito. Inconscientemente, sempre é associada a um problema cardíaco; logo, o temor. Aproximadamente 5% das consultas nos serviços de urgências são atribuídas à dor torácica. Na pediatria é menos frequente, constituindo menos de 1% das consultas de urgência nessa idade.

Causas orgânicas da dor torácica

A dor torácica costuma ser dividida em dois grandes grupos: o de origem cardíaca e o de origem não cardíaca. Isso permite que os médicos possam diferenciar rapidamente entre aquela dor que requer atenção urgente, daquela que pode ser manejada com menos rapidez.

Nesse sentido, enumeraremos primeiros as causas de dor torácica cardíaca e depois alguns grupos de estruturas que podem provocar a dor não cardíaca.

Origem cardiovascular

  • Doença isquêmica: a dor no tórax é o sinal fundamental das anginas de peito e do infarto do miocárdio. É uma dor muito intensa, incapacitante, com sensação de pressão. Ademais, localiza-se na área cardíaca e se irradia para os membros superiores e pescoço. Representa uma urgência absoluta.
  • Ruptura aórtica: ainda que a artéria aorta tenha uma parede grossa que suporta altas pressões, pode se romper. Ainda, é uma situação clínica não frequente denominada dissecção aórtica e provoca dor intensa. Também requer atenção de urgência.
  • Pericardite: a membrana que recobre o coração se chama pericárdio. Por diversas circunstâncias, pode acumular líquido e se inflamar, produzindo pericardite. Além disso, a pericardite se manifesta por uma dor torácica que pode ser intermitente e costuma mudar conforme a posição.

Dor torácica pulmonar

  • Pneumonia: a infecção dos pulmões com agentes microbianos é causa de dor no tórax. A dor pode ser contínua e se intensificar com a tosse ou com o movimento respiratório. Ainda, costuma ser uma dor de um lado, coincidindo com a área infectada.
  • Embolia pulmonar:as artérias e veias do sistema respiratório podem ficar obstruídas com coágulos em um quadro denominado embolia pulmonar. Em suma, esses coágulos podem ser formados no próprio pulmão ou vir, por meio da circulação, de outras partes do corpo. É uma situação de extrema urgência também.
  • Pneumotórax: assim como o coração está rodeado pelo pericárdio, os pulmões estão rodeados pela pleura. Se o espaço virtual que forma a pleura se enche de ar, denomina-se pneumotórax. É muito dolorosa, além de vir acompanhada de sintomas como a dispneia.
  • Pleurite: a pleura é susceptível à inflamação, denominada pleurite. Como na pericardite, a dor é intermitente e pode variar com as mudanças de postura.
Mulher com dor no peito

A dor torácica de origem esofágica costuma ocorrer no centro do peito, às vezes como uma gravata.

Siga lendo: Conheça o tratamento da pneumonia

Dor originada no aparelho digestivo

  • Espasmo esofágico: o esôfago percorre o centro do tórax para realizar a comunicação entre a boca e o estômago. Como se trata de um órgão oco, cuja parede é muscular, pode sofrer espasmos. No espasmo, o esôfago se fecha sobre si mesmo produzindo dor no tórax, bem como impedindo a passagem dos alimentos.
  • Gastrite: ainda que o estômago se localize mais abaixo, algumas vezes a gastrite e a dispepsia manifestam a dor acima, no tórax. A gastrite não apresenta somente dor, assim como costuma acompanhar sinais digestivos, como arrotos, refluxo e náuseas. A dor no tórax do refluxo gastroesofágico é sentida como uma gravata dolorosa no centro do peito.
  • Litíase biliar: se a vesícula biliar apresentar cálculos, ainda que a dor normal seja abdominal, pode repercutir no tórax. De acordo com a posição anatômica da vesícula e a posição das pedras biliares, alguns pacientes percebem a dor de cólica na região pulmonar direita e até o ombro direito.
Médico lendo eletrocardiograma

O eletrocardiograma é um dos exames realizados ante uma dor no tórax.

Confira: 7 passos para interpretar um eletrocardiograma

Outras causas de dor no tórax

Como dizíamos anteriormente, além dos órgãos do tórax e do abdômen, outras estruturas e outras situações podem gerar a dor no tórax. Sempre será necessário descartar as origens mais graves da dor, antes de passar para o diagnóstico das outras causas que podem ser tratadas com menor urgência.

Entre estas causas temos, por exemplo:

  • Causas de origem psicogênica: o ataque de pânico, por exemplo, em que a dor tem origem psicológica e não anatômica. Existe uma sensação de pressão e incômodo no tórax que não se origina de nenhum órgão nem ao seu mau funcionamento.
  • Costocondrite: é a inflamação da cartilagem que une as costelas ao esterno. Pode surgir de um esforço ou um traumatismo, ainda que nem sempre. Contudo, seu tratamento é muito fácil com anti-inflamatórios e colocação de gelo local.
  • Mialgias: os músculos intercostais que formam a parede torácica podem doer, seja por distensões, estiramentos, hematomas de um traumatismo, bem como inflamações. No geral, o tratamento também é conduzido basicamente com anti-inflamatórios.
  • Neurites: os nervos que percorrem as costelas podem se inflamar e originar dor no tórax. Um exemplo clássico é a herpes zoster, na qual a infecção viral se manifesta como uma dor intensa e ardente que percorre o trajeto do nervo afetado.
  • Amsterdam EA, Wenger NK, Brindis RG, et al. 2014 AHA/ACC guideline for the management of patients with non-ST-elevation acute coronary syndromes: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines. J Am Coll Cardiol. 2014;64(24):e139-e228.
  • Bonica JJ, Graney DO. General considerations of pain in the chest. En: Loeser. Bonica’s management of pain. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2001. p. 1114-48.
  • López Bescos L, Fernandez Ortiz A, Bueno Zamora H, Coma Canella I, Lindon Gorbi RM, Cequier Fillat A, et al. Guías de práctica clínica de la Sociedad española de Cardiología en la angina inestable /Infarto sin elevación ST. Rev Esp Cardiol 2000; 53:838-50.