O demônio de Laplace: o destino já está escrito?

O demônio de Laplace é um argumento filosófico que postula que todos os eventos no universo são determinados pela cadeia inquebrável de causa e efeito. Vejamos em que consiste a hipótese.
O demônio de Laplace: o destino já está escrito?

Última atualização: 30 junho, 2022

O demônio de Laplace é um personagem imaginário que tem a capacidade de conhecer com precisão a localização e o tempo de cada partícula no universo. A partir daí, deduz-se o passado e o futuro do mesmo.

Em outras palavras, é uma entidade fora do universo que, com base nas informações que possui sobre o momento presente, pode não apenas prever o que acontecerá no futuro, mas também é capaz de conhecer o início de tudo o que existe.

Essa abordagem é baseada na visão determinista do universo, que sustenta que todos os eventos físicos – incluindo o pensamento e a ação humanos – são determinados causalmente pela cadeia inquebrável de causa e efeito. Portanto, o estado atual do mesmo “determina” em certo sentido o futuro.

Vejamos essa abordagem com mais detalhes.

Determinismo causal

O determinismo casual é uma corrente filosófica que defende que tudo o que acontece tem uma causa que o precede. Portanto, os eventos do presente são o resultado de uma série de eventos no passado e, por sua vez, são a causa de eventos futuros.

Para entender melhor, imagine que os eventos do universo são uma série infinita de dominós colocados verticalmente para cair um após o outro e não podem ser interrompidos. Nesse sentido, a queda de cada peça se dará pela queda daquela que a precede, formando assim a inquebrável cadeia de causa e efeito.

A partir daí, acredita-se que tudo foi predestinado desde o início dos tempos. E, portanto, o destino já está escrito.

Da mesma forma, aceitar o determinismo implicaria rejeitar o livre arbítrio. Pois tudo o que fazemos já é determinado pela cadeia causa-efeito.

O passado causa o presente e o presente causa o futuro.
Efeito dominó.
A teoria determinista pode ser exemplificada por uma cadeia dominó de causa e efeito.

Demônio de Laplace

Agora, Pierre-Simon Laplace (1749 – 1826) foi um astrônomo, físico e matemático francês, lembrado como um dos maiores cientistas de todos os tempos. Na verdade, ele às vezes é referido como o Newton da França.

Laplace dedicou-se a analisar a mecânica celeste, aperfeiçoando o modelo proposto por Newton. Além disso, participou do estudo de algumas moléculas de gás e partículas atômicas. A partir de seus conhecimentos de mecânica clássica, imaginou a possibilidade de prever todos os eventos através da ciência.

Se o futuro do universo é determinado por seu estado passado e presente, então se uma entidade tem informações suficientes, as leis da física podem ser usadas para determinar toda a história do universo.

~ Pierre-Simon Laplace ~

A partir daí ele cria o personagem imaginário conhecido como demônio de Laplace. Este ser tem a capacidade de saber tudo sobre o universo (incluindo todos os detalhes das partículas subatômicas que o compõem). A partir disso, aplica as leis da física para prever com precisão o futuro e descrever o passado.

Este argumento é válido se o determinismo for aceito como premissa. Como já analisamos, considera que o estado atual dos acontecimentos é efeito de seu estado anterior e, por sua vez, é a causa do que se segue.

Argumentos contra o demônio de Laplace

A perspectiva determinista foi particularmente bem sucedida enquanto o universo foi concebido apenas em termos de mecânica clássica e sistemas lineares de causa e efeito. No entanto, a ascensão subsequente da mecânica quântica, da entropia e da teoria do caos desafiou a tendência de aplicar a lógica da previsão a tudo o que conhecemos.

Mecânica quântica

A mecânica quântica apresenta um modelo indeterminístico do universo. As partículas subatômicas realmente não obedecem às leis da mecânica clássica.

Portanto, seu comportamento não pode ser previsto, mas apenas probabilidades podem ser estabelecidas. Assim, o demônio de Laplace não poderia identificar eventos futuros.

Teoria do caos

Um dos componentes mais populares da teoria do caos é o efeito borboleta, que é mais citado para representar os grandes impactos de pequenas ações.

No entanto, esse efeito lida com a imprevisibilidade dos eventos. Assim, o bater das asas de uma borboleta pode causar um tornado, mas também pode produzir um vento fraco em outro lugar. Não poderemos ter certeza disso.

De fato, mesmo que todas as variáveis de um sistema fossem conhecidas, com iterações suficientes, o sistema pode se comportar de forma imprevisível.

Borboleta.
O “efeito borboleta” representou muitas histórias na imaginação popular e na ficção científica.

Entropia

Entropia é desordem e a entropia do universo está sempre aumentando. Portanto, com o tempo, ficará cada vez mais confuso e será mais difícil prever o que acontecerá com precisão.

Além disso, o demônio de Laplace deve decifrar o passado por engenharia reversa do presente. Mas o conceito de irreversibilidade termodinâmica complica isso. Bem, algumas coisas não podem ser restauradas ao estado inicial em que estavam, então torna-se impossível saber qual era o estado inicial do que foi examinado.

Não é uma teoria obsoleta

Como vimos, a mecânica quântica, a termodinâmica e a teoria do caos lançam as bases para refutar a existência do demônio de Laplace.

No entanto, devemos ter em mente que o determinismo teve e continua tendo um valor inegável no desenvolvimento das ciências. Na verdade, elas basearam muitas de suas descobertas no princípio de causa e efeito.

Assim, a presença de determinismo e indeterminismo no universo nos lembra de sua vastidão e quão pouco sabemos sobre ele.

Pode interessar a você...
9 livros de filosofia que você deveria ler
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
9 livros de filosofia que você deveria ler

Você quer ler textos filosóficos? Aqui apresentamos uma lista de livros de filosofia essenciais para todos os gostos.