Nódulo hipoecoico: o que é e como identificá-lo?

A descoberta de um nódulo hipoecoico durante um estudo de ultrassom muitas vezes alarma as pessoas. Felizmente, a maioria deles é benigna.
Nódulo hipoecoico: o que é e como identificá-lo?

Última atualização: 03 agosto, 2022

A ecografia ou ultrassom é um estudo de imagem amplamente utilizado para a exploração do interior do corpo humano. Esta técnica permite a identificação de estruturas hipoecoicas, hiperecoicas, isoecoicas e anecoicas. Você está interessado em saber o que é e como identificar um nódulo hipoecoico? Continue lendo!

Em geral, são lesões arredondadas, semelhantes a uma protuberância, produzidas pelo acúmulo de líquidos e tecidos. Eles podem ocorrer fora ou dentro do corpo. As mamas, fígado, tireóide, útero e linfonodos são alguns dos locais mais comuns para a formação de nódulos.

Nesse sentido, a ultrassonografia permite a localização precoce de nódulos hipoecogênicos que podem estar em qualquer órgão. Com base nas características da imagem, é possível suspeitar se a lesão é benigna ou pode ter algum componente maligno.

Os profissionais de saúde são os únicos treinados para avaliar essas lesões.

O que é um nódulo hipoecoico?

O termo ecogenicidade expressa a capacidade de um órgão ou outra estrutura de refletir ou rebater sinais de ultrassom. Quanto menos denso o tecido, menor sua capacidade de reflexão; portanto, terá menos ecogenicidade.

Um nódulo hipoecoico é uma massa composta de tecido, gordura ou fluido de baixa densidade. Por esta razão, o sinal de ultrassom penetra mais facilmente, oferecendo uma imagem cinza escura que difere das estruturas circundantes.

Estudos definem uma estrutura hipoecoica como aquela que gera poucos ecos e apresenta baixa densidade. A hipoecogenicidade permite diferenciar lesões anormais que estão imersas em qualquer tecido.

Tipos de nódulos

Os nódulos podem se originar em qualquer parte do corpo. É possível classificar essas lesões levando em consideração sua composição e conteúdo:

  • Císticos: são aqueles nódulos de conteúdo líquido cobertos por uma cápsula. A maioria dos nódulos hipoecoicos são desse tipo.
  • Sólido: É uma massa celular densa e espessa.
  • Mistos: são nódulos que incluem estruturas sólidas e algumas áreas líquidas.
Nódulo hipoecoico da tireoide.
Nódulos da glândula tireóide são comuns na população feminina. Felizmente, as versões malignas têm menor incidência.

Que outros tipos de imagens o ultrassom oferece?

Este exame de imagem permite detectar diferentes formas de ecogenicidade, além de estruturas hipoecoicas. Nesse sentido, também podemos encontrar o seguinte:

  • Hiperecoica: é uma imagem branca altamente reflexiva, típica de calcificações e osso.
  • Isoecogênica: estrutura homogênea cinza claro, comum em tendões.
  • Anecoico: imagem sem capacidade de reflexão, preta no ultrassom. É típico de líquidos.

Quando um nódulo hipoecoico é maligno?

Os nódulos podem ser benignos ou malignos, dependendo de sua capacidade de penetrar no tecido circundante e se espalhar para outros órgãos. Na maioria dos casos, as lesões císticas têm menor risco de malignidade. No entanto, este não é o caso para todas as pessoas.

Os nódulos mais preocupantes são os hiperecoicos ou sólidos. Geralmente requerem vigilância médica contínua ou são removidos o mais rápido possível, devido ao risco aumentado de malignidade.

O médico especialista deve realizar um estudo detalhado da condição física da pessoa, seu histórico e hábitos de risco. Esses dados são correlacionados com a forma, tamanho e ecogenicidade do nódulo para determinar a possível malignidade da lesão. A biópsia é o método definitivo para diferenciar um nódulo benigno de um maligno.

3 formas comuns de nódulos hipoecoicos

Embora existam múltiplas formas e apresentações clínicas de nódulos hipoecoicos, existem 3 que se destacam das demais pela frequência.

1. Nódulo hipoecoico na tireoide

A tireoide é uma glândula endócrina localizada na face anterior do pescoço. Nódulos neste órgão são um problema comum com prevalência nos Estados Unidos de 4 a 7%, segundo estudos. Essas lesões podem ser detectadas pelo exame físico e por técnicas de imagem, como a ultrassonografia.

Em geral, um nódulo tireoidiano hipoecoico com realce posterior, padrões anecoicos e alguns casos de lesões hiperecogênicas tendem a ser benignos. Ao contrário, padrões hiperecogênicos sem realce posterior, lesões com margens irregulares e presença de microcalcificações são geralmente achados ultrassonográficos malignos.

2. Nódulo hipoecoico nas mamas

Nódulos mamários causam medo e ansiedade na maioria das mulheres. Essas lesões redondas são o resultado da proliferação celular acelerada. No entanto, nem todas as lesões mamárias são malignas ou devem ser classificadas como câncer.

Lesões hipoecoicas nas mamas estão associadas a cistos simples, cistos complicados ou fibroadenomas, de acordo com pesquisas. Nódulos sólidos, imagens hiperecogênicas, irregulares, com bordas mal definidas ou espiculadas e com microcalcificações, apresentam maior risco de malignidade. Neste último caso, a biópsia é o método de escolha para descartar um câncer de mama.

3. Nódulo hipoecoico no fígado

Os nódulos hepáticos estão associados a uma ampla variedade de condições. Estudos afirmam que, na doença hepática policística, é possível encontrar múltiplos nódulos císticos hipoecoicos que ocupam mais de 50% do parênquima do órgão.

No entanto, nem todas as lesões hipoecoicas são benignas, sendo necessários vários estudos para descartar malignidade. Nódulos com crescimento acelerado, alterações em sua forma e tamanho superior a 1 centímetro não devem passar despercebidos.

Fígado com nódulos hipoecoicos.
O fígado é outro órgão suscetível a apresentar cistos e nódulos com relativa frequência.

Qual é o tratamento para um nódulo hipoecoico?

O plano de tratamento no caso de apresentar um nódulo hipoecoico varia de acordo com o órgão afetado e suas características morfológicas. A maioria das lesões benignas requer supervisão médica a cada 6 meses para verificar seu progresso.

Por outro lado, aqueles nódulos suspeitos de malignidade com alterações em suas características ou acompanhados de dor ou sintomas compressivos requerem manejo mais agressivo. É necessário fazer uma biópsia e punção para estudo microscópico.

Em geral, as lesões malignas devem ser removidas por cirurgia para evitar possíveis complicações, como disseminação para órgãos vizinhos.

Um nódulo hipoecoico redondo que mostra baixa densidade no ultrassom pode ser sólido, cístico ou misto. De qualquer forma, os médicos especialistas são os únicos treinados para avaliar esse tipo de lesão e fornecer um tratamento oportuno.

Pode interessar a você...
Quais são as causas dos nódulos mamários?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Quais são as causas dos nódulos mamários?

Na maioria dos casos, os nódulos mamários são benignos. No entanto, são motivo de preocupação e exigem uma consulta ginecológica.



  • Díaz-Rodríguez N, Garrido-Chamorro R, Castellano-Alarcón J. Ecografía: principios físicos, ecógrafos y lenguaje ecográfico. SEMERGEN – Medicina de Familia. 2007;33(7):362-369.
  • Pavón-Hernández C, Villaseñor-Navarro Y, Cruz-Morales R, Aguilar-Cortázar L, et al. Nódulos, caracterización y categorización. Gaceta Médica de Oncología. 2012; 11(4):260-267.
  • López A, Martos J. Pérez M, Pérez I. Nódulo tiroideo. Un viejo problema ante un nuevo siglo. Cirugía Española. 2000; 67(1): 80-93.
  • Ramia J, de La Plaza R, Figueras J, García-Parreño J. Tumores hepáticos quísticos benignos no parasitarios. Cirugía Española. 2011;89(9):565-573.
  • Gallegos-Hernández JF. Aspectos fundamentales del nódulo tiroideo y el cáncer bien diferenciado de tiroides para los médicos general y familiar. Gac Med Mex. 2019;155(6):619-623.
  • Puglia CR. Incidental finding of hepatic nodule. What is its importance?. Rev Assoc Med Bras (1992). 2004 Apr-Jun;50(2):114.