Mudanças no nível do cérebro devido ao estilo de vida sedentário

Na sociedade atual, com o aumento do conforto doméstico, transporte, tecnologia ou longas jornadas de trabalho, cada vez mais pessoas levam um estilo de vida sedentário que pode ser prejudicial à saúde.
Mudanças no nível do cérebro devido ao estilo de vida sedentário

Última atualização: 20 fevereiro, 2022

Para saber se existem alterações ao nível do cérebro devido a um estilo de vida sedentário, devemos primeiro saber o que é um estilo de vida sedentário. Um estilo de vida sedentário é um modo de vida em que as pessoa quase não praticam exercícios físicos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a inatividade física e o sedentarismo são importantes fatores de risco para mortalidade em todo o mundo. Eles aumentam o risco de sofrer de doenças não transmissíveis, como doenças cardiovasculares, diabetes ou câncer.

Estima-se que um em cada quatro adultos no mundo não tenha um nível suficiente de atividade física. Da mesma forma, pelo menos 60% da população não pratica atividade física para obter benefícios à saúde.

Existem vários estudos que afirmam que a prática de exercício físico produz mudanças positivas a nível cerebral a curto e longo prazo. Mas, a inatividade física pode causar alterações no nível cerebral? Você encontrará todas as respostas para suas dúvidas neste espaço.

Que mudanças ocorrem no nível cerebral devido ao estilo de vida sedentário?

Até duas décadas atrás, muitos cientistas acreditavam que a estrutura do cérebro era moldada na idade adulta e que não era possível criar novas células cerebrais ou alterar a estrutura das células existentes. Agora, foi demonstrado que o exercício pode moldar o cérebro ao estimular a criação de novas células.

O exercício é um dos fatores que mais muda o cérebro. A falta de atividade também pode causar mudanças. Ficar sentado por longas horas causa um afinamento do lobo temporal medial, uma área do nosso cérebro relacionada à formação da memória.

Nosso cérebro possui múltiplas conexões para controlar todas as funções vitais do organismo. Estas são, por exemplo, respiração, pressão arterial, memória, função cardíaca e muitas outras atividades que são realizadas inconscientemente.

Se desenvolvermos um estilo de vida sedentário, podem ocorrer mudanças nas estruturas neurais que fazem parte dessas conexões. Por esse motivo, a inatividade física tem uma influência negativa em nossa saúde.

O exemplo que nos fez entender as mudanças a nível cerebral devido ao sedentarismo

Isso foi comprovado recentemente em um estudo realizado pela Escola de Psicologia da Universidade Estadual Wayne, que fez observações da atividade cerebral em ratos sedentários e ratos fisicamente ativos.

Após 3 meses, os ratos sedentários apresentavam mais ramificações do que o normal em neurônios que controlam a respiração, a pressão arterial e muitas outras funções que realizamos inconscientemente. Esta parte do cérebro está intimamente relacionada com o desenvolvimento de doenças cardíacas e hipertensão.

Para melhor compreensão: no cérebro de pessoas sedentárias há uma hiperatividade da área que controla as funções vitais em relação às pessoas que se exercitam, que mantêm o mesmo número de ramificações nessa área.

Por esse motivo, no cérebro de pessoas sedentárias, a área relacionada ao desenvolvimento de doenças cardíacas e hipertensão é mais ativada. Portanto, elas estão mais em risco de sofrer dessas doenças.

Então, o que ser sedentário significa para a saúde do nosso cérebro?

alterações cerebrais

A longo prazo, também pode levar a vários problemas de comprometimento cognitivo, como a demência. Isso ocorre porque muitas das conexões neurais ocorrem na substância branca do cérebro.

A substância branca é responsável por realizar a comunicação entre as diferentes partes do nosso sistema nervoso. Se sua carga de trabalho for aumentada, chegará o momento em que nossas células ficarão saturadas e perderão atividade ou morrerão.

O caso mencionado dos ratos pode ser aplicado a todas as células do nosso organismo. A inatividade de algumas células faz com que outras células do nosso corpo tenham que trabalhar mais, chegando a se esgotar.

Deve haver um ponto intermediário, em que todo o nosso corpo colabore no correto funcionamento das funções vitais que nos permitem estar saudáveis e vivos.

Finalmente, como mencionamos anteriormente, um estilo de vida sedentário pode estar relacionado a uma deterioração das fibras nervosas cerebrais. Isso se deve ao fato de nosso corpo não gastar energia externamente e aumentar a carga de trabalho de nossas células cerebrais.

Assim, isso pode fazer com que, a curto prazo, possamos sofrer problemas como:

Em conclusão

É importante manter hábitos diários de exercícios físicos para melhorar nossa saúde, tanto física quanto psicológica. Desta forma, seremos capazes de permanecer saudáveis em todos os aspectos de nossas vidas.

Pode interessar a você...
Curiosidades sobre o cérebro feminino
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Curiosidades sobre o cérebro feminino

O cérebro feminino tem algumas pequenas diferenças em relação ao cérebro masculino. Você quer saber quais são? Descubra-as neste artigo!



  • Gallego JG. Editorial 74 Arch Med Deporte 2013;30(2):74-75.
  • Actividad física [Internet]. [citado 15 de abril de 2020]. Disponible en: https://www.who.int/es/news-room/fact-sheets/detail/physical-activity
  • Estilos de vida saludable – ¿Qué es el sedentarismo? . [citado 15 de abril de 2020]. Disponible en: http://www.estilosdevidasaludable.mscbs.gob.es/actividadFisica/sedentarismo/queEs/home.htm
  • Salinas Martínez F, Cocca A, Mohamed Jesús Viciana Ramírez K. Actividad Física y sedentarismo: Repercusiones sobre la salud y calidad de vida de las personas mayores Physical activity and sedentary lifestyle: Impact on health and quality of life of older people. 2010 [citado 15 de abril de 2020];17:126–9. Disponible en: www.retos.org
  • Mischel NA, Llewellyn-Smith IJ, Mueller PJ. Physical (in)activity-dependent structural plasticity in bulbospinal catecholaminergic neurons of rat rostral ventrolateral medulla. J Comp Neurol [Internet]. 15 de febrero de 2014 [citado 15 de abril de 2020];522(3):499–513. Disponible en: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24114875