Meu namorado é machista

O machismo é um problema social atual que atinge um grande número de mulheres. Pelo contrário, o feminismo luta pela igualdade de oportunidades e direitos para todas as pessoas.
Meu namorado é machista

Última atualização: 14 Maio, 2021

O machismo é uma tendência cultural baseada na desigualdade entre homens e mulheres. Baseia-se no fato de que o homem, por natureza, adquire um papel superior ao da mulher. “Meu namorado é machista”, infelizmente, é uma frase que pode ser ouvida com frequência na rua.

O principal problema que dá origem a essa desigualdade é, como já foi dito, que se trata de uma forma de agir adquirida desde a infânciaE é um comportamento que se aprende a partir da observação desde a infância. E não é necessariamente assumido apenas pelos homens.

Acontece o mesmo se o homem sentir necessidade de possuir a esposa como objeto, e que a mulher aceite esse comportamento como válido. No momento em que é tido como verdadeiro o fato da mulher não estar necessariamente na mesma altura que o homem, trata-se de machismo.

Sinais que precedem o machismo

É um problema social atual que atinge um grande número de mulheres. Na verdade, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística, a taxa de vítimas de violência de gênero em 2019 foi de 1,5 por 1.000 mulheres com 14 anos ou mais.

Para combater essa desigualdade, o primeiro passo é a educação para a igualdade. Também é muito importante observar os sinais sexistas que podem aparecer em um parceiro de relacionamento. Uma vez em um relacionamento desigual, pode ser difícil sair dele.

1. Meu namorado é machista: “Seus amigos querem algo a mais com você”

Meu namorado é machista: "Seus amigos querem algo a mais com você"
Este é o momento ideal para considerar novas opções para o futuro.

Geralmente, o machismo é o comportamento inicial que dá origem à violência de gênero. Uma tendência comum no homem possessivo é isolar a mulher. Isso se deve à necessidade que ele tem de controlar tudo.

Desde o início, é comum começar a semear a dúvida. O objetivo pode ser manter a garota longe dos amigos, sejam homens ou mulheres. É sobre se tornar o centro da vida dela.

As desculpas para impedi-la de sair com os amigos ou socializar variam do ciúme à promiscuidade. Bem como o desinteresse pelo relacionamento que mantêm. 

2. Trabalhar fora de casa? Tremenda loucura

Em muitas ocasiões, o homem revive o papel arcaico que supostamente lhe corresponde em uma família tradicional. Dessa forma, ele trabalha e ganha dinheiro, e ela limpa, cozinha e cria os filhos. Isso não necessariamente tem que ser o caso.

Cada pessoa deve ser livre para escolher o destino que deseja dar à sua vida. A mulher tem o mesmo direito de escolher se quer ou não trabalhar como o homem. E, no caso em que ela decida que deseja trabalhar, o homem não pode em caso algum proibi-la.

No momento em que parece um problema para o relacionamento que ela deseja crescer profissionalmente, pode-se falar em machismo. 

3. Meus namorado é machista, minhas roupas sensuais… só para a intimidade

Novamente, é sobre as consequências de acreditar que ele tem o poder de controlar. No machismo, o papel que o homem assume geralmente consiste em uma personalidade controladora. Não cometa o erro de aceitar o comportamento tóxico e humilhante como normal.

Minhas roupas sensuais... só para a intimidade

Em muitas ocasiões, o machista tentará controlar as roupas que você deseja vestir. Bem como para onde, como e quando pode, ou não, ir. Ou, por exemplo, tentará acessar livremente, ou sem consentimento, redes sociais, ou diferentes documentos privados seus.

É importante deixar claro que em nenhum caso esses comportamentos devem ser tolerados. O respeito pela privacidade de cada um é um direito fundamental.

4. Depreciação, insulto, violência de gênero

O comportamento machista é qualificado pela necessidade do homem de se sentir superior. Simplesmente por ser homem, ele acredita que tem o poder de minar as mulheres.

Portanto, para que a mulher obedeça às suas ordens, em muitos casos, ele desqualifica, menospreza ou insulta a parceira. Aos poucos, psicologicamente, ele pode fazer com que ela se sinta inútil. Portanto, assim decida obedecer para manter o homem feliz e satisfeito.

Enquanto a mulher aceita o comportamento machista, subsumindo-se ao que lhe é dito, o homem permanece em sua posição, satisfeito. O que acontece é que no momento em que ela decide priorizar sua autonomia e liberdade, rompe com o esquema estabelecido. 

Dessa forma, surge a violência de gênero. O homem, sentindo que está perdendo o controle, usa a força para manter seu papel. Começam as surras, espancamentos e, em muitos casos, os assassinatos das mulheres.

Meu namorado é machista: primeiro respeito e direito à igualdade

A igualdade é um direito fundamental do qual todos devem gozar livremente. Nesse sentido, nenhum ser humano deve ser discriminado em razão de sua raça, orientação sexual, religião ou gênero.

Igualdade

O feminismo, ou seja, a luta pela igualdade, é um movimento que continua existindo porque, infelizmente, ainda é necessário combater esses desequilíbrios sociais. Você nunca deve ouvir ninguém dizer “meu namorado é machista” de novo.

É muito importante ajudar todos aquelas que podem estar sofrendo algum tipo de abuso. Diante da violência, diante da desigualdade, a tolerância é zero.

Pode interessar a você...
5 formas de abuso emocional que nem sempre reconhecemos a tempo
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 formas de abuso emocional que nem sempre reconhecemos a tempo

O abuso emocional é aquele que, sem deixar marcas na pele, impacta de forma mais discreta, lenta e corrosiva em nossa mente.



  • Serra, J. C., & Madurga, A. C. (2015). El repertorio del amor romántico y las condiciones de posibilidad para la violencia machista. Universitas psychologica, 14(5), 1681-1694.
  • Talego Vázquez, F., Florido del Corral, D., & Cantó, S. I. (2012). Reconsiderando la violencia machista. Patriarcado, relaciones de pareja y sadismo. Revista Andaluza de Antropología, 3, 2174-6796.
  • Navarrete, A. I. A. L. El machismo mata, el feminismo no. Revista Paquidermo, 15.
  • Ignatieff, M. (2000). Human Rights as Politics, Human Rights as Idolatry. The Tanner Lectures on Human Values, Delivered at Princeton University.
  • Ruiz Portillo, A. F. (1996). Machismo y Feminismo, fenómenos ideológicos en la Sociedad guatemalteca actual. Escuela de Trabajo Social. USAC. Guatemala.
  • Estadística de Violencia Doméstica y Violencia de Género (EVDVG) Año 2019. (2020). Retrieved 7 February 2021, from https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:8cCINo4oFgEJ:https://www.ine.es/prensa/evdvg_2019.pdf+&cd=7&hl=es&ct=clnk&gl=es&client=firefox-b-d