Mitos e verdades sobre os métodos de planejamento familiar

· 29 de maio de 2018
O planejamento familiar é um conceito que gerou controvérsia entre a sociedade em muitas ocasiões. Neste artigo, apresentaremos alguns mitos e verdades sobre os métodos de planejamento familiar mais utilizados.

Hoje em dia, graças à educação e a tantas informações disponíveis, homens e mulheres avaliam os métodos de planejamento familiar que lhes permitem desfrutar de sua vida como casal e, ao mesmo tempo, proteger seus planos familiares da melhor maneira possível.

Antigamente, o planejamento familiar era considerado um direito humano e uma possibilidade ética de liberdade. Constituía uma estratégia que permitiria às famílias agir em relação ao número e espaçamento dos filhos que o casal poderia e desejaria ter.

Ao longo dos anos, as condições globais mudaram e os programas voltados ao planejamento familiar foram direcionados para a questão da saúde. Evitar gestações precoces, aumentar o espaço da idade entre as crianças e reduzir os nascimentos foram considerados aspectos de atenção primária.

Atualmente, os mesmos objetivos são procurados, mas de uma perspectiva diferente. Agora, o planejamento procura melhorar a saúde sexual e reprodutiva das pessoas, sua educação e reduzir a pobreza. Essas metas incluem, indiretamente, cuidar do meio ambiente e promover o desenvolvimento econômico.

No entanto, se existem tantas políticas e informações sobre os métodos de planejamento familiar, por que ainda há tantos mitos sobre o assunto?

Por que os mitos surgem?

Pílula e camisinha

Os mitos são crenças não comprovadas amplamente difundidas entre a sociedade que tentam explicar questões que não são bem conhecidas. Até mesmo algumas opiniões podem se originar de informações científicas que, com o tempo, acabam sendo distorcidas.

Embora os mitos façam parte de muitos temas, a sexualidade e a reprodução são dois campos prolíficos. As dúvidas crescem devido à falta de educação sexual e a carga moral. Além disso, também é devido aos preconceitos relacionados ao sexo e à sexualidade.

Alguns mitos sobre os métodos de planejamento familiar

Existem mitos sobre o planejamento familiar porque pouco se sabe sobre como funciona o corpo humano e os métodos contraceptivos.

De fato, o manual de Mitos e Crenças sobre o Planejamento Familiar afirma que as distorções são direcionadas para os seguintes tópicos:

  • Evitar o uso constante de métodos contraceptivos.
  • Usar contraceptivos apenas em adultos.
  • Impedir o acesso a métodos contraceptivos modernos.
  • Contraceptivos associados não comprovados e efeitos adversos inexistentes.
  • Afirmar que as mulheres precisam ter filhos para garantir sua saúde e desenvolvimento.

Embora o tema seja profundo e você precise conhecer os ciclos reprodutivos de homens e mulheres, no artigo a seguir apresentamos alguns mitos e verdades sobre os métodos de planejamento familiar de forma simples e breve.

Mitos sobre os dispositivos intrauterinos (DIU)

1. Os dispositivos intrauterinos causam abortos

Contraceptivos

Falso. O objetivo do DIU é evitar a fertilização. O dispositivo de cobre impede a passagem dos espermatozoides, cujo material é tóxico para eles. Além disso, os dispositivos de liberação de levonorgestrel impedem a passagem dos espermatozoides, evitando, portanto, a fertilização do óvulo.

2. Causa infertilidade e doença inflamatória pélvica (DIP)

Falso. O DIU não tem riscos significativos com relação à infertilidade. Quanto ao PID, existe a possibilidade de que, durante o procedimento de introdução do dispositivo, as bactérias que estão no trato reprodutivo sejam movidas e infectem o útero, os ovários ou as trompas de Falópio.

Portanto, é muito importante encontrar infecções cervicais ou risco de doenças sexualmente transmissíveis para tratá-las de antemão e evitar complicações. De fato, a Organização Mundial da Saúde (OMS) contraindica o uso do DIU se a pessoa encontrou algumas das infecções mencionadas acima.

3. Dispositivos intrauterinos causam câncer cervical

Saúde reprodutiva feminina

Falso. Por enquanto não há evidências que indiquem tal efeito. De fato, entre os fatores que desencadeiam o câncer do colo do útero está o HPV, mulheres com um sistema imunológico fraco, membros da família com histórico de câncer do colo do útero, entre outros.

4. O DIU pode entrar no útero

Isso raramente acontece. No entanto, caso isso aconteça, a operação para remover o DIU é feita sem efeitos negativos sobre a saúde da mulher.

Mitos sobre os contraceptivos hormonais

1. Eles provocam infertilidade

Consulta na ginecologista

Falso. Essa preocupação é gerada a partir dos distúrbios do sangramento menstrual. No entanto, estes são efeitos colaterais normais e não afetam a saúde ou a fertilidade da mulher.

Vários estudos demonstraram que, em certos grupos de mulheres, o tempo para restaurar a fertilidade pode demorar um pouco. No entanto, a grande maioria delas se recupera rapidamente.

2. Pode causar câncer de mama

Não há evidências científicas sobre isso. No entanto, quando há casos de câncer de mama na família, recomenda-se monitorar o uso dos contraceptivos hormonais. Da mesma forma, seu uso prolongado é fortemente desencorajado.

3. As pílulas provocam acne e pelos no corpo

Mulher com cartela de pílula

Falso. Alguns dos contraceptivos têm quantidades ainda menores de hormônios que beneficiam o cuidado da pele. Por outro lado, eles também ajudam a regular o ciclo menstrual.

Conclusão

O tema sobre os métodos de planejamento familiar é uma questão delicada e associada a múltiplos mitos. Portanto, é vital buscar informações suficientes para adotar o anticoncepcional mais conveniente, de acordo com nossas necessidades e preferências.