Laringectomia: por que é realizada e quais são as suas implicações?

A laringectomia tem um impacto especial em jovens e mulheres. A mudança na voz e na fala dá origem a um processo de adaptação exigente que requer suporte emocional e psicológico.
Laringectomia: por que é realizada e quais são as suas implicações?

Última atualização: 16 Maio, 2021

A laringectomia é um procedimento cirúrgico em que toda a laringe é removida. Esse tipo de cirurgia provoca grandes mudanças em quem a realiza. As mais relevantes são a perda da voz faríngea, alterações no olfato, alterações na respiração e alterações na aparência pessoal.

Aqueles que passam por uma laringectomia devem ter uma traqueostomia para o resto da vida. Trata-se de uma abertura na traqueia, com um tubo inserido, que facilita a passagem do ar para os pulmões. Isso implica a necessidade de cuidados permanentes.

Os efeitos da laringectomia são muito diversos e envolvem várias limitações no dia a dia. Esses tipos de pacientes devem reeducar sua voz e podem ter que lidar com dificuldades para engolir alimentos e fazer esforço.

Quem deve fazer uma laringectomia?

Laringe
Na laringectomia, os médicos removem toda a laringe.

Dentro da laringe, existem duas vias diferentes: uma leva ao estômago (esôfago) e outra aos pulmões (laringe e traqueia). A laringe compartilha um espaço comum com o esôfago, denominado de faringe. A laringectomia remove a laringe e, assim, corta a conexão entre a boca e os pulmões.

A remoção da laringe é uma cirurgia muito severa que só se realiza se não houver outra alternativa. Quando isso acontece? Nos seguintes casos:

  • Existe trauma severo na laringe: isto é, danos consideráveis ​​causados ​​por um ferimento à bala ou outro fator semelhante.
  • O paciente tem câncer de laringe.
  • Há uma necrose por radiação. Isto é, danos graves a essa área devido à radioterapia.

Em que consiste o procedimento?

Para realizar a laringectomia, é necessária anestesia geral. O cirurgião faz incisões no pescoço e, através delas, remove a laringe. Em alguns casos, também é possível que se remova parte da faringe e/ou gânglios linfáticos.

Depois que a laringe tiver sido removida, o médico fará um orifício na frente da traqueia. Isso é chamado de “estoma” e tem aproximadamente o diâmetro de uma pequena moeda. Em seguida, um tubo ou cânula é inserido para conectar os pulmões ao exterior.

Ao final, é feita uma sutura com pontos cirúrgicos. Tubos de drenagem costumam ser colocados no pescoço para remover fluidos e sangue da área operada. Após a conclusão, o paciente deve ir para a sala de recuperação.

Às vezes, uma punção traqueoesofágica (PET) também é feita durante a laringectomia. Trata-se de um pequeno orifício na traqueia e no esôfago. Em seguida, uma válvula é colocada de forma que o orifício permaneça aberto. O objetivo é manter o alimento fora da traqueia sem bloquear as vias aéreas.

Possíveis riscos

Toda cirurgia traz riscos. Entre os mais comuns estão sangramento, infecção, reação alérgica a medicamentos, problemas respiratórios e cardíacos. Na laringectomia, em particular, existem outros riscos, como os seguintes:

  • Hematoma ou acúmulo de sangue devido à ruptura das artérias tireoidianas.
  • Surgimento de fístulas. Ou seja, conexões anormais entre a faringe e a pele.
  • Estenose anastomótica. Este é o nome dado à condição em que a abertura do estoma se torna muito pequena.
  • Filtração. Ocorre entre a prótese de traqueostomia e a perfuração traqueoesofágica (TEP).
  • Danos à traqueia ou esôfago.
  • Dificuldades para falar.
  • Dificuldade de engolir alimentos.

O que deve ser considerado antes de uma laringectomia?

Antes da laringectomia, uma série de testes e exames devem ser realizados. Normalmente, exames de sangue e, às vezes, estudos de imagem são solicitados. O médico também fará um exame físico completo.

O paciente deve consultar um terapeuta de deglutição e um fonoaudiólogo. Isso o ajudará a se preparar para as mudanças que se seguirão à cirurgia. Da mesma forma, você deve seguir o conselho de uma nutricionista. Se você for fumante, deve parar de fumar e receber suporte e informações para fazê-lo.

A pessoa deve informar o médico sobre os medicamentos que está usando. Além disso, deve-se indicar se consome álcool habitualmente e, no caso das mulheres, se existe gravidez ou a possibilidade de gravidez.

A todos os itens acima, as seguintes indicações são adicionadas:

  • Qualquer medicamento que torne difícil a coagulação do sangue deve ser evitado. Essa medida será tomada uma semana antes da cirurgia.
  • O paciente não deve consumir alimentos ou bebidas por 12 horas antes da cirurgia.
  • Se a pessoa tiver barba ou bigode, deve raspar os pelos.
  • Siga qualquer outra indicação dada pelo seu médico.

O que deve ser considerado após a laringectomia?

Mulher com dor na garganta

Após a realização da laringectomia, o paciente provavelmente passará vários dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ele precisará se alimentar por um tubo que vai do nariz ao estômago. Também receberá oxigênio através do estoma e analgésicos.

Quando a condição se estabilizar, o paciente irá para um quarto do hospital. Ele precisará ficar lá por cerca de 10 dias. Durante esse tempo, será treinado para aprender a falar e comer novamente. Isso também o ajudará a se acostumar com a nova maneira de respirar.

Depois de sair do hospital, você deve continuar com o processo de reabilitação. Isso inclui os dois princípios básicos listados abaixo.

Cuidados com o estoma

Há uma abertura no estoma por onde os vírus e bactérias podem entrar com o potencial de causar infecção. Portanto, é fundamental aprender a cuidar dele. As bordas devem ser limpas com água, sabão neutro e gaze.

Dentro do estoma, crostas e muco se formam. Eles devem ser removidos para que o ar flua adequadamente para os pulmões. Às vezes, basta tossir com força para eliminar esses acúmulos; se isso não for possível, eles deverão ser removidos manualmente. A pessoa que passou pela cirurgia deve receber treinamento para tal.

É importante ter um umidificador em casa, pois isso evita a formação de crostas no estoma. Às vezes, o uso de uma máscara especial que fornece ar umidificado também é indicado, mas seu uso é temporário.

Reabilitação da fala

A laringectomia faz com que o som da voz mude dramaticamente. O ar não circula mais da mesma forma e isso provoca mudanças importantes na forma como os sons são emitidos. É importante desenvolver novas formas de comunicação, bem como aprender a falar novamente.

A princípio, a comunicação não verbal pode ser utilizada, por meio de gestos ou linguagem de sinais. Algumas das alternativas para a recuperação da fala são as seguintes:

  • Fala esofágica. Trata-se de prender o ar da boca na parte superior do esôfago e da garganta. Embora difícil de aprender, essa técnica pode produzir a fala.
  • Eletrolaringe. Consiste na adaptação de um dispositivo para produção de voz e fala. Soará robótico, mas é fácil de usar e resolve o problema a curto ou longo prazo.
  • Discurso TEP. Envolve a conexão de uma prótese vocal à válvula TEP (para punção traqueoesofágica). Fica localizado no estoma e permite que você fale.

Vivendo depois de uma laringectomia

Toda laringectomia envolve grandes mudanças na vida. Porém, com as indicações médicas e muita perseverança, consegue-se alcançar um cotidiano quase normal. É possível respirar, falar e comer novamente de uma forma que não cause grande desconforto.

O maior risco é o bloqueio do estoma, pois isso impede a respiração. Com o treinamento adequado, você pode evitar que isso aconteça. A pessoa com laringectomia necessita de apoio psicológico, pois terá que enfrentar muitas mudanças psicossociais.

Pode interessar a você...
8 sintomas iniciais de câncer de garganta que você não deve ignorar
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
8 sintomas iniciais de câncer de garganta que você não deve ignorar

Para poder obter um diagnóstico precoce da doença, é muito importante saber identificar os sintomas iniciais de câncer de garganta.



  • González-García, J. Á., & Aguirregaviria, J. I. (2010). Incarceración total de prótesis fonatoria en la mucosa traqueoesofágica. Informe de una nueva complicación con el uso de prótesis fonatorias. Acta Otorrinolaringológica Española, 61(3), 220-224.
  • Martínez-Ordaz, J. L., Luque-de-León, E., Suárez-Moreno, R. M., & Blanco-Benavides, R. (2003). Fístulas enterocutáneas postoperatorias. Gaceta Médica de México, 139(2).
  • Morejón, E. A., Rodríguez, G. L., Juan, I. D., & Vásquez, J. F. (2012). Laringectomía subtotal supracricoidea. Experiencia del Hospital Docente Clínico-Quirúrgico “10 de octubre”. Revista Cubana de Otorrinolaringología y Cirugía de Cabeza y Cuello, 1(1).